Category: humor


Levante comunista nos Pampas

por Cachorrinho Pulguento
 

Turba ensandecida marcha pelas ruas de Porto Alegre espalhado o caos e destruição

Nobres Confrades

Na quinta feira, dia 4 de abril de (2012+1), enquanto a confraria gastava o seu tempo tecendo comentários sobra fêmeas insubmissas, ocorreu um levante bolchevista na boa Porto Alegre.

…Esquecemos-nos de comentar que fêmeas insubmissas geram bebes insubmissos que se transformam em jovens insubmissos com tendências esquerdopatas…

Pois é, jovens arruaceiros e baderneiros estudantes mobilizados pela rede neural através de redes sociais se organizaram e acossaram o bom prefeito da capital gaucha e forçaram a justiça a cancelar a doação de benesses que seriam repassadas às empresas de ônibus através de aumento da passagem dos ônibus urbanos.

Os bolcheviques estudantes, incrivelmente condicionados organizados, fizeram valer os seus direitos e mesmo debaixo de forte chuva entoavam seus gritos de guerra: “Pode chover, pode molhar, mas o aumento eu não vou pagar”

Segundo a Brigada Militar (força Pública Gaúcha), cerca de cinco mil pessoas protestavam frente a prefeitura de Porto Alegre no final da tarde. Acossada, a prefeitura já reconhece sua derrota e não irá recorrer da decisão com medo de que osbolcheviques estudantes voltem! (…e nas próximas eleições não votem no prefeito atual!)

Grupo bolchevique toma um ônibus e perturba a paz de um bairro operário

Na pele de uma mulher-Nostradamus

por xicosa
 

Sei, está bom demais para ser verdade. Sei, fazia tempo que alguém não se devotava tanto. Sim, posso imaginar o que esteja pensando: “Esse cara vai me levar às alturas e me deixar sozinha no despenhadeiro”.

“Não, não vou cair mais nessa, sei o tamanho de tombos do gênero,” você prossegue nas suas reflexões, nervosa, nervosíssima, daqui a uma hora se encontrarão mais uma vez.

Ele a convidou para jantar fora. Quanto tempo alguém não a tratava com tanta distinção.

Você se sente valorizada, mas está com medo, pode ser apenas mais um truque. Que que eu faço, Diós mio?

“Ele só quer sexo”, você pensa, como se sexo fosse uma coisa ruim do outro mundo. “Vai ficar comigo e na manhã seguinte esse telefone emudecerá de vez…”

Você projeta o futuro no pior cenário possível. Sim, não à toa, baseia-se no repertório deixado por outros homens. Jurisprudência amorosa.

Você consulta a amiga, a amiga mais cética, porque você está querendo ouvir algo desencorajador.

A amiga recomenda muito pé atrás. A amiga já levou muitos tombos e, de alguma forma, isso é humano, demasiadamente humano, sente uma certa ponta de inveja da sua história. Óbvio que a amiga invejosa vai desencorajá-la.

Falta meia hora para o novo encontro. Você confere o cabelo e acha péssimo. Você está desesperada como uma daqueles mulheres dos filmes de Pedro Almodóvar. “Por que esse cara vem logo para o meu lado”?”, você beira a paranóia delirante.

O carro dele pára na frente da sua casa. Há tempos você não ouvia aquela buzina que parece tocar uma sinfonia, um allegro. A buzina chama para a vida lá fora.

“Não pode ser verdade”, você insiste na desconfiança enquanto pisa na calçada da rua. “O que eu fiz por merecer?”

Entradas, drinques, o jantar está ótimo, a conversa incrível. “Só pode ser truque”, você aciona de novo todos os botões do painel da desconfiança. “Não fico com ele hoje de jeito nenhum, nem me venha com essa conversinha mole, seu canalha”.

Com licença, vai ao banheiro. Não resiste e resolve consultar de novo a amiga, pelo celular. Está em pânico. A amiga recomenda mais pé atrás ainda. Você acha o cabelo péssimo.

Você volta com aquela cara de cautela e dúvidas e é recebida com um sorriso de quem já sentia a sua falta.

“Demorei muito”, você diz. Sim, você demorou muito, só de telefonema foram dez minutos. Mas ele, todo afável: “Imagina, demorou quase nada”.

Sobremesa, café, a conta.

No carro, você nota, como aprendeu com aquele livro “O corpo fala”, que o carinho dele é cada vez físico e o desejo é cada vez mais quente. Mas você se esquiva,afinal de contas você não pode ser vítima desse “truqueiro” que só “pensa naquilo”.

E não era a primeira ou a segunda vez que vocês se encontravam. O flerte e a devoção dele já fizera aniversário de mês.

Moral da história: desconfiada e projetando já um eventual abandono, você, apocalíptica como uma afilhada de Nostradamus, não pagou para ver, você não arriscou, você não se permitiu, deixou de viver, como se na vida pudéssemos ter a certeza prévia das coisas, mesmo em se tratando da obviedade do mundo-macho.

O domingo não dá folga aos corações – II

por xicosa
 

Você passa, de carona, involuntariamente, na frente da casa dela (e). O GPS do amor ainda mal-resolvido berra qual um cabrito montanhês desmamado.

Você acha que está resolvido(a) e encara, na buena, o almoço no restaurante que sempre ia com o(a) ex. Na sobremesa, a musse da melancolia amarga deveras no céu da boca.

É o domingo que pega da entrada ao café da despedida.

Repito: é o domingo que pega principalmente para quem perdeu o amor há pouco tempo.

É o domingo que lasca.

Você pega a bicicleta, ventinho no rosto, maior sensação de que está liberta, ali na rota da ilha do Recife Velho… Quando dá fé, o traste do ex, que nunca dera uma pedalada na vida ao seu lado, todo fosforescente na companhia de uma biscaite-sáude!

É o domingo que pega na ciclovia dos amores perdidos.

Não tem jeito.

Ficar guardado em casa é pior ainda. O(a) ex virá nas fibras óticas, na frase de um livro, nos objetos cortantes, nas peças de cama, mesa e banho.

A culpa é do domingo.

Durante o jogo de futebol, nós, os cavalheiros das mesas redondas, ainda abstraímos um tanto. O time do peito divide a caixa torácica com as sístoles e diástoles de um amor que nos bateu a porta.

Para a mulher, o domingo é ainda mais difícil. Mesmo que vá ao cinema com um delicado moço que tenta agradá-la e ocupar o posto dos combustíveis sentimentais da existência.

Alguma coisa muito besta do novo candidato não irá agradá-la. Ele come pipoca de um jeito horrível, por exemplo.

Se fosse outro dia qualquer, passava, mas acontece que é domingo.

É o domingo que fode, data vênia, com o devido perdão pelo verbo.

É o domingo que lasca feito maxixe cortado em cruz.

Não adianta disfarçar nos salões da SP Arte, como tentou uma amiga que acaba de me ligar em lágrimas. Óbvio que encontrou o vagabundo decifrando algum abstracionismo para a lesa Lolita do Liceu do bairro.

É o domingo que pega. Agora você devora a pizza da ansiedade e se ilude com folhinhas de rúcula por cima. Não adianta. Não é por estar cheinha ou magricela que a vida a desfavorece nessa maldita hora.

É o domingo que, no seu sonso e inocente silêncio, maltrata qual uma furadeira elétrica.

Para quem se achava curado(a) de um amor perdido, o melhor é que a maldita segunda-feira –o trabalho e os dias,santo Hesíodo!- dê logo as caras.

P.S. Se tiver nervos de aço, leia aqui “O domingo não dá folga aos corações I”.

4 de Abril de 2013 22:06

Dúvida cruel: o homem frouxo ou o canalha

por xicosa
 

Uma velha questão sempre discutida aqui nas noites da taverna voltou à baila, quando Carol, vestida nas suas calças vermelhas e com teses da mesma coloração, pediu a palavra:

“Pois saibam todos vocês: prefiro um bom canalha a um homem frouxo.”

A sentença da paulistana, sem deixar um farelo de dúvidas sobre a mesa repleta de bebidas e acepipes, fez com que alguns de nós levássemos a mão ao queixo, como se todos virássemos, naquele instante, ingênuos pensadores de Rodin. Pense!

“E querem saber mais? Só existem esses dois tipos mesmo de homem!”, arretou-se a dama.

A frase nem era para tanto, mas saiu tão afirmativa, tão sem dúvida ou vacilo, tão incendiária, que balançou até a plaqueta do “Fiado só amanhã” do boteco. A coisa fica forte conforme ela é dita, digo, conforme as labaredas do discurso.

Na boca de mulher bonita, então, vira imediatamente certeza absoluta.Essa capacidade que elas têm de acordar as mesas e fazer balançar, qual ventania mal-assombrada, as garrafas de cachaça com raízes ou cobras -sim, no botequim sem nome de ontem, na Bela Vista, havia aquelas garrafas envenenadas.

Carol se apegou ao recurso do conhecimento de causa, ao saber da rotina, à jurisprudência amorosa da sua trajetória.

“Pois saibam todos vocês: prefiro um bom canalha a um homem frouxo.”

O cearense dono do estabelecimento parou as suas atividades para ouvir a moça. A mulata da Vai-Vai também se ligou no discurso. Uns vagabundos deram pitacos. Como uma frase dita de forma convicta pode virar um Pentecostes em um simples pé-sujo de San Pablo.

Ela não repetiu a frase, não carecia, a frase ecoava como uma sentença romana e voltava a balançar as garrafas, a mexer com os presentes, os vivos e os que por ali passavam àquela altura.

O canalha, concluímos, sem que ela dissesse mais nada, merece mais respeito porque é mais explícito, a mulher já entra na história sabendo, e ainda pode ter momentos líricos, passionais, bonitos, pois todo canalha é, no fundo, um devoto, ajoelha-se diante de uma fêmea como um romeiro diante do seu santo predileto.

O frouxo representa, sem nenhum distanciamento, a maioria dos homens contemporâneos e o chove-não-molha da hora, o homem-de-Ossanha, aquele que diz vou e não vai, o indeciso, o confuso, melhor, o “cafuso”, como dizia o velho Didi Mocó.

O fraco não se apresenta para valer no jogo, titubeia, faz que vai e acaba não “fondo”, como dizia, no seu genial futebolês, o Dedeu, um desses tantos macunaímas da bola, cearense que brilhou (pelo menos na prosódia) no Clube Náutico Capibaribe.

Triste escolha essa: o canalha ou o homem frouxo.Pobre dicotomia alcóolica.

O mundo é bem melhor que isso, não acha, amiga?

Só sei que nada sei sobre esse assunto, como diria o grego complicado. Melhor ainda, como diria Roberto Carlos das antigas: “Só agora eu sei, o que aconteceu/quem sabe menos das coisas/sabe muito mais que eu!”

Telespectadores da emissora dos homens bons tornam-se cada vez melhores

por Professor Hariovaldo
 

queda

Ao que pese as mentiras dos bolcheviques inimigos da livre imprensa, a audiência da principal emissora do país e herdeira dos ideais da revolução de 64 fica cada vez mais qualificada, e selecta.  O Jornal Nacional dos Homens Bons só faz melhorar os índices de telespectadores qualificados, ano após ano, sinal de grande credibilidade e confiança.

Aqueles poucos gatos pingados que deixam de assistí-la diariamente não fazem falta para o contexto global pois são pessoas desqualificadas e infiéis aos princípios dos homens de bem. Trata-se na verdade de uma peneira, vão se os maus e ficam-se os bons, ainda que em escala reduzida. Assim, enquanto os petralhas pensam que a emissora diminuiu sua influência ela cresce e aparece cada vez mais entre aqueles que realmente importam.

O processo contra Lula e a força do simbolismo

por Esquerdopata
 
Como Getúlio e Juscelino, cada um deles em seu tempo, Lula é símbolo do povo brasileiro. Acusam-no hoje de ajudar os empresários brasileiros em seus negócios no Exterior. O grave seria se ele estivesse ajudando os empresários estrangeiros em seus negócios no Brasil. 
Mauro Santayana 
O Ministério Público do Distrito Federal – por iniciativa do Procurador Geral da República – decidiu promover investigação contra Lula, denunciado, por Marcos Valério, por ter intermediado suposta “ajuda” ao PT, junto à Portugal Telecom, no valor de 7 milhões de reais. 
O publicitário Marcos Valério perdeu tudo, até mesmo o senso da conveniência. É normal que se sinta injustiçado. A sentença que o condenou a 40 anos de prisão foi exagerada: os responsáveis pelo seqüestro, assassinato e esquartejamento de Eliza Salmúdio foram condenados à metade de sua pena. 
Assim se explica a denúncia que fez contra o ex-presidente, junto ao Procurador Geral da República, ainda durante o processo contra dirigentes do PT. 
O Ministério Público se valeu dessas circunstâncias, para solicitar as investigações da Polícia Federal – mas o aproveitamento político do episódio reclama reflexões mais atentas. 
Lula é mais do que um líder comum. Ele, com sua biografia de lutas, e sua personalidade dotada de carisma, passou a ser um símbolo da nação brasileira, queiramos ou não. Faz lembrar o excelente estudo de Giorg Plekhanov sobre o papel do indivíduo na História. São homens como Getúlio, Juscelino e Lula que percebem o rumo do processo, com sua ação movem os fatos e, com eles, adiantam o destino das nações e do mundo. 
Há outro ponto de identificação entre Lula e Plekhanov, que Lula provavelmente desconheça, como é quase certo de que desconheça até mesmo a existência desse pensador, um dos maiores filósofos russos. Como menchevique, e parceiro teórico dos socialistas alemães, Plekhanov defendia, como passo indispensável ao socialismo, uma revolução burguesa na Rússia, que libertasse os trabalhadores do campo e industrializasse o país. Sem passar por essa etapa, ele estava convencido, seria impossível uma revolução proletária no país.  
É mais ou menos o que fez Lula, em sua aliança circunstancial com o empresariado brasileiro. Graças a essa visão instintiva do processo histórico, Lula pôde realizar uma política, ainda que tímida, de distribuição de renda, com estímulo à economia. Mediante a retomada do desenvolvimento econômico, com a expansão do mercado interno, podemos prever a formação de uma classe operária numerosa e consciente, capaz de conduzir o processo de libertação. 
Não importa se o grande homem público brasileiro vê assim a sua ação política. O importante é que esse é, conforme alguns lúcidos marxistas, começando pelo próprio Marx, o único caminho a seguir. 
Como Getúlio e Juscelino, cada um deles em seu tempo, Lula é símbolo do povo brasileiro. Acusam-no hoje de ajudar os empresários brasileiros em seus negócios no Exterior. O grave seria se ele estivesse ajudando os empresários estrangeiros em seus negócios no Brasil. 
Lula não é uma figura sagrada, sem erros e sem pecados. É apenas um homem que soube aproveitar as circunstâncias e cavalgá-las, sempre atento à origem de classe e fiel às suas próprias idéias sobre o povo, o Brasil e o mundo. 
Mas deixou de ser apenas um cidadão como os outros: ao ocupar o seu momento histórico com obstinação e luta, passou a ser um emblema da nacionalidade. Qualquer agressão desatinada a esse símbolo desatará uma crise nacional de desfecho imprevisível. 
12 horas atrás

Que Verdade é Essa?

por Esquerdopata
 
A Comissão chamada a desenterrá-la até agora não produziu coisa alguma 
Por Leandro Fortes

Da África do Sul do Apartheid aos vizinhos do Cone Sul vitimados por ditaduras sangrentas como a nossa, 40 nações pagaram no século passado seu tributo à memória e à justiça. O Brasil tenta desde março do ano passado, quando oficialmente foi criada a Comissão Nacional da Verdade, instituída para investigar e relatar os crimes contra os direitos humanos cometidos pelo aparato repressor do regime, dobrar esse cabo rumo à modernidade. É uma tentativa tardia de integrar o grupo de quem prestou contas do passado. E, para muitos críticos, além de atrasado, o comitê reúne todos os elementos para se tornar um fiasco. 
Na segunda-feira 1˚, data do 49˚ aniversário do golpe de 1964, um grupo de militares do Levante Popular da Juventude e do Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça aproveitou a cerimônia de abertura dos arquivos secretos da repressão da Delegacia Estadual de Ordem Política e Social (Deops) de São Paulo para colocar o dedo na ferida. Diante do coordenador da comissão nacional, Paulo Sérgio Pinheiro, de autoridades do PT e do PSDB, os jovens leram o depoimento de uma militante torturada nas dependências do Deops e emendaram um manifesto no qual criticaram o ritmo lento dos trabalhos e a falta de transparência nas investigações. “A Comissão da Verdade é um avanço na política brasileira, porém, é necessário continuar os trabalhos e criar mecanismos de participação da sociedade nesse processo para garantir que os seus objetivos sejam cumpridos”, avisou Carla Bueno, da coordenação do Levante Popular. A reação dos militantes coincidiu com a impaciência da própria presidenta Dilma Rousseff, uma vítima da ditadura. Na sexta-feira 29, ela exigiu a exposição de resultados práticos, de forma a garantir a “comoção nacional”necessária ao bom resultado da investigação. Entende-se a impaciência. A comissão tem pouco mais de um ano para apresentar um relatório final. Há uma quantidade enorme de documentos a serem analisados, dificuldades incompreensíveis de acessar arquivos nos estados, um escopo desnecessariamente amplo de apuração e uma cautela até agora inexplicável dos conselheiros, ainda que, com boa vontade, possa se dar um voto de confiança ao esforço dos 60 técnicos envolvidos no trabalho. 
Após um ano de trabalho praticamente nada de relevante veio à tona. Uma rara notícia nova (nem tão nova, na verdade) foi a comprovação de que o deputado Rubens Paiva morreu sob tortura. Na versão dos militares, Paiva havia sido resgatado por militantes de esquerda. A melhor informação brotou, porém, da comissão paulista, que atua de forma diferente da nacional, a começar pela transparência da investigação. Foi o comitê de São Paulo que divulgou a lista de empresários e jornalistas frequentadores das dependências do DOI-Codi, possivelmente para um tour pelas sessões de tortura. 
Para piorar, o grupo nacional tem a intenção de apresentar apenas um relatório em 2014. Nem um mísero relatório parcial. Isso quer dizer que pouco ou quase nada será informado a respeito da apuração, uma bela forma de sufocar qualquer interesse da sociedade pelo assunto. 
A comissão brasileira tem, porém, um desafio nada trivial, por comparação. Os comitês na Argentina, Uruguai e Chile atuaram por menos tempo, mas produziram resultados incontestes. A Justiça argentina condenou mais de 200 militares e civis por envolvimento em prisões, torturas, desaparecimentos e mortes durante a ditadura que vigorou de 1976 a 1983 e matou 30 mil cidadãos. A punição alcançou os mais altos escalões das Forças Armadas, entre eles, ditadores como Rafael Videla, condenado à prisão perpétua. 
No Chile, a mobilização para punir os responsáveis por crimes começou antes do fim da ditadura de Augusto Pinochet, encerrada em 1990. Criada em 2003, A Comissão da Verdade sobre Prisão Política e Tortura ouviu mais de 35 mil testemunhas de abusos. No último relatório, entregue em agosto de 2011 ao presidente Sebastián Pinera, a comissão apontou 40 mil vítimas oficiais da ditadura (3.225 mortos e desaparecidos). No Uruguai, onde os processos continuam, mesmo com as limitações impostas pela Lei de Anistia, dez militares foram condenados. Na lista, o ditador Gregorio Alvarez e o ex-presidente Juan María Borbaderry. 
No Brasil, onde a Lei da Anistia revalidada pelo STF em 2010 tornou-se um empecilho a processos judiciais contra ex-torturadores, os sete conselheiros da Comissão da Verdade formam um mosaico de “notáveis”, termo caro à política e ao academicismo nacional, cuja principal consequência foi a proliferação de um ambiente onde não há hierarquia, muito menos consenso. Sem falar na briga de egos. Dilma decidiu por um equilíbro entre poucos militantes de esquerda e outros mais conservadores, emobra todos com histórico pessoal de luta pelos direitos humanos. Entre eles, dois ex-ministros da Justiça: José Carlos Cavalcanti, do governo Sarney, e José Carlos Dias, da administração de FHC. 
O atual coordenador do grupo, Paulo Sérgio Pinheiro, foi secretário especial de direitos humanos de FHC e representa a ala tucana que, nos anos 1990, deu o pontapé inicial para as investigações oficiais dos crimes cometidos contra a ditadura. Também estão na lista o ex-procurador-geral da República Cláudio Fonteles, a psicanalista Maria Rita Khel, o ministro Gilson Dipp, do STJ e Rosa Maria Cardoso da Cunha, advogada de presos políticos, entre elas a presidenta, durante a ditadura. 
Desde o início as coisas não andam bem. Com pouco dinheiro e muito trabalho, a comissão demorou a montar uma equipe de técnicos para realizar a monumental tarefa de escarafunchar documentos perdidos e escondidos por quase 50 anos. Segundo o secretário-executivo da comissão, Pedro Pontual, apenas do antigo Serviço Nacional de Informações (SNI) há 16 milhões de documentos ainda em fase de catalogação e digitalização. O trabalho, diz Parente, deve terminar em julho. Por causa do enorme lapso de tempo entre os fatos e a apuração, há muita dificuldade em obter testemunhos, dada a idade avançada tanto de vítimas quanto de algozes ainda vivos. 
Até agora, a Comissão realizou 13 audiências públicas pelo País e ouviu 130 vítimas da ditadura. Em sessões excluivas, foram ouvidas 59 testemunhas. Dessas, 18 foram agentes da repressão. Outros 250 depoimentos estão programados, mas o número deverá aumentar diante da possibilidade de o prazo de investigação ser estendido para além de maio de 2014. Para facilitar as investigações, foram criados 12 grupos, divididos entre os conselheiros para tratar de temas específicos, como índios, sindicatos e a Operação Condor, a tenebrosa aliança formada no Cone Sul para perseguir adversários políticos das diversas ditaduras da região. Remontar toda essa história não erá fácil. 
Uma das peculiaridades da estrutura, o rodízio de coordenadores, mostrou-se um problema para a continuidade dos trabalhos. O primeiro coordenador do grupo, o ministro Gilson Dipp, ficou menos de dois meses na função. Um problema de saúde, ainda não totalmente sanado, o afastou. Já o ex-ministro Cavalcanti ficou afastado para produzir uma pesquisa sobre Fernando Pessoa. Sua ausência atravancou o avanço de alguns grupos de trabalho.

Por essas e outras, um movimento interno pretende manter Pinheiro à frente da comissão até o fim dos trabalhos. O consenso não agrada, porém, à ala à esquerda do governo e parte dos movimentos civis de direitos humanos. A próxima a assumir a coordenação seria Rosa Cardoso, figura ligada aos movimentos sociais e sintonizada com a preocupação de Dilma de criar uma comoção na opinião pública. 
A posição de Pinheiro é diferente. Para o diplomata, a confidencialidade de boa parte dos depoimentos é a única maneira de alcançar o objetivo proposto: apontar os responsáveis pelos crimes. Isso inclui não só os torturadores nos porões, mas a cadeia de comando e os colaboradores e patrocinadores civis. Empresários e políticos serão ouvidos. Um dos primeiros a serem convocados será Paulo Egydio Martins, ex-governador de SP. “Não há forma de concluir o trabalho a contento sem a tomada de depoimentos discretos e a reunião de provas e indícios”, argumenta Pinheiro. “Esta é a Comissão da Verdade do Brasil. Dificilmente haverá outra. Temos um compromisso histórico”. 
Segundo ele, todas as mais de 40 comissões da verdade instaladas até hoje trabalharam em sigilo, ao menos em parte. Ele cita ainda a dificuldade de obter acesso aos documentos estaduais e de órgãos federais. “Os arquivos do Itamaraty, por exemplo, só agora estão sendo analisados”. O coordenador tem no conselheiro José Carlos Dias aliado poderoso. “Não podemos colocar em risco o resultado do trabalho, a validade de nossas investigações, com a pressa em satisfazer a curiosidade da mídia e da sociedade”, diz o ex-ministro de FHC. 
A experiência histórica no Brasil alimenta o ceticismo. O argumento da cautela e da responsabilidade invariavelmente serve ao arreglo. E este sempre a favor de quem detém o poder. Se depender do estilo de Pinheiro e Dias, o mais provável é o Brasil desperdiçar a única chance de oferecer às gerações futuras a verdade sobre os fatos e a compreensão de um momento histórico vergonhoso que não pode ser repetido. Como era de se esperar, a comissão precisa também administrar o melindre da caserna. A insatisfação dos militares começou no fim de 2009, quando o governo Lula aprovou a terceira edição do Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), um conjunto de propostas que simplesmente aprimorava as duas edições anteriores, ambas publicadas durantes os governos de Fernando Henrique Cardoso e sob a batuta de Pinheiro. Na versão petista, contudo, a previsão de criação da Comissão da Verdade soou mais que bravata. À época, o secretário nacional de Direitos Humanos era Paulo Vanucchi, odiado nos quartéis.

Ex-militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), Vanucchi coordenou, nos anos 1980, o projeto Brasil: Nunca Mais, operação sigilosa que resultou em um livro homônimo essencial para a compreensão da história recente do País, e base de diversas ações de resgate da memória nacional dos anos de chumbo. Publicado em 1985, o Brasil: Nunca Mais foi o primeiro esboço de uma comissão da verdade nacional. A partir de processos do Superior Tribunal Militar, desmontou a versão oficial da ditadura para a morte de dezenas de militantes de esquerda e relatou quase 2 mil casos de tortura a cidadãos brasileiros levados a cabo por agentes da repressão. 
O temor dos militares fora exagerado. Vanucchi não resisitu às pressões coordenadas pelo então ministro da Defesa, Nelson Jobim, e cedeu. Os principais pontos do plano foram bombardeados, após a ameaça de Jobim e de alguns comandantes da Forças Armadas se demitirem. Um acordo de bastidores encerrou a crise a partir de modificações pontuais, mas ladinas, no texto, basicamente com a retirada do período específico determinado para a investigação de casos de tortura durante a ditadura (entre 1964 e 1985), para estendê-lo de 1946 a 1988, período entre as duas Constituições redigidas em normalidade democrática. Trocou-se o específico pelo genérico, artifício igualmente usado para viabilizar a instalação da Comissão Nacional da Verdade em 16 de março de 2012. 
A birra dos militares empenhados na defesa da ditadura ou, na palavra deles, da “revolução”, dizia respeito ao “Eixo Orientador VI” do PNDH-3 sobre “Direito à Memória e à Verdade”. Na chamada “Diretriz 23” havia sido definido que o Estado brasileiro iria “promover a apuração e o esclarecimento público de violações de direitos humanos praticados no contexto da repressão política ocorrida no Brasil entre 1964 e 1985”. Mais ainda: falava em “identificar e tornar públicas as estruturas utilizadas para a prática de violações de direitos humanos, suas ramificações nos diversos aparelhos de Estado e em outras instâncias da sociedade”. A reação vai além do simples desejo de evitar a exposição pública dos algozes. O objetivo é evitar justamente a identificação da cadeia de comando, uma nova brecha para futuros processos judiciais contra militares. 
A comissão, ao menos em um ponto, não cederá à pressão da direita. Os crimes cometidos por grupos de esquerda durante a luta armada não serão investigados. E por um motivo óbvio: os militantes já foram punidos (torturados, assassinados ou submetidos a julgamentos de fancaria em tribunais de exceção). Muitos réus estavam mortos quando foram levados “à revelia”aos tribunais, parte da farsa montada para apresentá-los como condenados, a fim de esconder o fato de que haviam sido assassinados nos porões. Foi o caso do estudante Stuart Angel, torturado a mando do brigadeiro João Paulo Burnier, na Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro. Depois de submetido a espancamentos e choques elétricos no pau de arara, Angel foi arrastado pelo pátio do quartel com a boca presa a um cano de descarga de um jipe militar. Morto em consequência da asfixia por monóxido de carbono, acabou na lista de desaparecidos políticos da ditadura. 
Por lei, a comissão não tem poder de tribunal. Ou seja, não pode punir os envolvidos em violações a direitos humanos. Apenas sistematizar as informações e reuni-las em um relatório final a cargo da historiadora Heloísa Starling, da Universidade Federal de Minas Gerais, assessora especial da comissão. Mas até os generais de pijama perceberam que por trás da aparente pacificidade da missão se esconde um mundo de possibilidades, todas contrárias a seus interesses. Ao concluir a identificação individual dos agentes da repressão, a comissão vai criar um fato novo com enorme potencial para reabrir as discussões sobre a validade da Lei da Anistia. A esta altura, seria um avanço.  

18 horas atrás

Maluquices

por Esquerdopata
 
 Luís Fernando Veríssimo

O filme “Borat” era um pseudo-documentário mostrando a ida de um maluco do Casaquistão aos Estados Unidos para fazer uma reportagem sobre a vida americana. O personagem “Borat” era fictício, mas todas as pessoas com quem ele interagia e, muitas vezes, escandalizava, na América, eram reais. Quem se lembra do filme lembra que o único lugar em que ninguém estranha ou repele a maluquice de “Borat” é a assembleia de uma igreja pentecostal, onde estão em curso exorcismos de grupo e curas pelo toque de mãos, e fiéis pulam e correm de um lado para o outro para se livrar dos maus espíritos – porque lá a maluquice de “Borat” não destoa da maluquice ambiente. “Borat” finalmente encontra uma loucura igual à sua. Ou maior, porque não é simulada. 
O anarquista Borat teria que se esforçar para igualar, em matéria de irracionalidade e desafios ao bom senso as crenças e os ritos de qualquer religião, não apenas das pentecostais. É curioso como as pessoas condenam o lamentável Marco Feliciano por coisas como a sua interpretação literal da Bíblia e sua evocação de Satanás, mas não estendem a crítica a outros, de outras religiões, que têm a mesma adesão aos dogmas da sua igreja que o lamentável tem aos da sua. Um católico convicto e praticante também deve suspender conscientemente a razão para aceitar os princípios metafísicos da sua religião, e também acreditar na Bíblia como verdade absoluta e na ação de Satanás no mundo. 
Eu sei, eu sei. A grita é contra o fato de o Feliciano, com todos os seus preconceitos e fobias, acabar presidindo uma comissão de direitos humanos. Mas aí não estamos mais tratando dos mistérios da fé, e sim dos mistérios do processo legislativo. Ninguém me perguntou, mas apoio qualquer movimento e assino qualquer manifesto contra o obscurantismo e o sono da razão, desde que a maluquice condenada seja a de todas as religiões, e de todos os seus deuses e demônios.. 
No filme, os pastores da tal igreja pentecostal tratam a loucura de “Borat” como uma manifestação de Satanás, e têm os passes e as palavras prontos para curá-lo. Depois o “Borat” – ainda mais louco do que antes, mas quem está ligando? – se abandona à convulsão geral, e também sai pulando… 

20 horas atrás

Qual a contribuição do Estadão ao país?

por Esquerdopata
 
 A agonia do Estadão
Paulo Nogueira

O Estadão está virtualmente morto.

Está cumprindo todas as excruciantes etapas da agonia dos jornais (e das revistas) na era da internet: demissões, demissões, demissões. Menos páginas, borderôs menores.

E futuro nenhum.

Pode ser que, em breve, o Estadão circule duas ou três vezes por semana, como está acontecendo com tantos jornais no mundo.

A Folha, em outras circunstâncias, vibraria. Na gestão Frias, um dos dogmas na Barão de Limeira era que apenas um jornal sobreviveria em São Paulo.

Semimorto o Estado, ficaria a Folha, portanto.

Mas os problemas da Folha são exatamente os do Estado. Pela extrema má gestão dos Mesquitas, eles apenas estão levando mais cedo o Estadão ao cemitério.

Lamento, evidentemente, cada emprego perdido por jornalistas que tiveram o azar de estar na hora errada na redação errada sob a administração errada derivada da família proprietária errada. (Os demitidos, importante que eles se lembrem disso,  terão a oportunidade de respirar ares mais enriquecedores, sobretudo na mídia digital.)

Mas o jornal, em si, não deixará saudade.

Qual a contribuição do Estadão ao país?

O golpe de 1964, por exemplo. O Estadão, como o Globo, tem um currículo impecável quando se trata de abraçar causas ruins e misturar genuínos interesses privados com interesses públicos fajutos.

Ainda hoje, moribundo, gasta suas últimas reservas na defesa de um país em que o Estado (governo)  deve servir de babá para uma minoria que, no poder, fez do Brasil um dos campeões mundiais em desigualdade.
Que colunista se salva? Quem oferece uma visão alternativa? Quem quer um país melhor, menos injusto?

Dora Kramer? Pausa para risada.

Os editorialistas mentalmente decrépitos que davam conselhos à Casa Branca mas jamais conseguiram cuidar do próprio quintal? Nova pausa.

Articulistas como Jabor? Pausa mais longa, porque é gargalhada.

O Estadão pertence a um mundo em decomposição, e cujo passamento não deixa ninguém triste.

Combateu o mau combate. Perdeu, e se vai. Poderia ter ido antes. Muitas árvores teriam sido poupadas.

um dia atrás

Viaje mais, presidente

por Esquerdopata
 
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto 

Por Marcelo Odebrecht

O tratamento dado por muitos às viagens de Lula reforça a desconfiança. Quero minhas filhas orgulhosas do que temos feito mundo afora 
Minha tendência natural perante assuntos que despertam polêmicas, como as reportagens e os artigos publicados nas últimas semanas sobre viagens do ex-presidente Lula, é esperar a poeira baixar. 
Dessa vez, resolvi agir de modo diferente porque entendo que está em jogo o interesse do Brasil e o legado que queremos deixar para as futuras gerações. 
As matérias, em sua maioria em tom de denúncia, procuraram associar as viagens a propósitos escusos de empresas brasileiras que as patrocinaram, dentre elas a Odebrecht. 
A Odebrecht foi, sim, uma das patrocinadoras da ida do ex-presidente Lula a alguns dos países citados. E o fizemos de modo transparente, por interesse legítimo e por reconhecer nele uma liderança incontestável, capaz de influenciar a favor do Brasil e, consequentemente, das empresas brasileiras onde quer que estejam. 
O ex-presidente Lula tem feito o que presidentes e ex-presidentes dos grandes países do hemisfério Norte fazem, com naturalidade, quando apoiam suas empresas nacionais na busca de maior participação no comércio internacional. Ou não seria papel de nossos governantes vender minérios, bens e serviços que gerem riquezas para o país? 
Nos últimos meses, o Brasil recebeu visitas de reis, presidentes e ministros, e todos trouxeram em suas comitivas empresários aos quais deram apoio na busca de negócios. 
Ocorre que lá fora essas ações são tidas como corretas e até necessárias. Trazem ganhos econômicos legítimos para as empresas e seus países de origem e servem para a implementação da geopolítica de governos que têm visão de futuro, como o da China, por exemplo, que através de suas empresas, procuram, cada vez mais, ocupar espaços estratégicos além fronteiras. 
Infelizmente, aqui o questionamento existe, talvez por desinformação. Permitam-me citar alguns números. A receita da Odebrecht com exportação e operações em outros países, no ano de 2012, foi de US$ 9,5 bilhões e nossa carteira de contratos de engenharia e construção no exterior soma US$ 22 bilhões. 
Para atender a esses compromissos, mobilizamos 2.891 empresas brasileiras fornecedoras de bens e serviços. No conjunto, elas exportaram cerca de 60 mil itens. Dessas, 1.955 são pequenas empresas e, no total, geraram 286 mil empregos em nosso país. É uma enorme cadeia de empresas e pessoas que se beneficia de nossa atuação em outros países e, obviamente, se beneficia também do apoio governamental a essa atuação. Esse apoio se dá, dentre outras formas, com os financiamentos do BNDES para exportação que, no caso da Odebrecht, é bom que se frise, representam 18% da receita fora do Brasil. 
Estamos em 22 países, na grande maioria deles há mais de 20 anos, e exportamos para outros 70. Como ex-presidente, Lula visitou sete, e esperamos que ele e outros governantes visitem muitos mais. 
Esses números falam por si, mas decidi me manifestar também porque não quero que disso fiquem sentimentos de covardia ou culpa para as pessoas que trabalham em nossa organização. 
Quero minhas filhas e os familiares de nossos integrantes de cabeça erguida, orgulhosos do que nós e outras empresas brasileiras temos feito mundo afora, construindo a Marca Brasil para além do samba e do futebol, ao mesmo tempo em que contribuímos para a prosperidade econômica e justiça social nos países e comunidades onde atuamos. 
A inserção internacional nos tornou um país socialmente mais evoluído e comercialmente mais competitivo porque gerou divisas, criou empregos, permitiu trazer novas tecnologias e estimulou a inovação. 
O tratamento que está sendo dado por muitos às viagens do ex-presidente Lula é míope e reforça entre nós uma cultura de desconfiança. 
Caminhar na construção de uma sociedade de confiança, fundada no respeito entre empresas, entre estas e o poder público e entre o poder público e a sociedade será muito bom para todos nós. 
MARCELO ODEBRECHT, 44, engenheiro civil, é presidente da Odebrecht S.A., empresa holding da Organização Odebrecht 

7 de Abril de 2013 02:58

Entrevista de Nicolás Maduro

por Esquerdopata
 
 Maduro no volante Mônica Bergamo 
Folha – Como será o chavismo sem Chávez, que era formulador, estrategista e porta-voz do governo? 
Nicolás Maduro – O presidente Chávez fundou um movimento revolucionário e de massas na Venezuela. Deu a ele uma ideologia e uma Constituição. Nosso processo revolucionário está constitucionalizado. Ele nos dotou de um corpo de doutrinas e de princípios. Nos deixou um testamento político, o programa da pátria, com objetivos de curto, médio e longo prazos. E promoveu um nível de participação e de protagonismo das amplas maiorias como nunca se viu na história da Venezuela. Estamos preparados para seguir fazendo a revolução. Ele formou um povo. Nos formou para um projeto. 
Mas 44% dos venezuelanos, que votaram na oposição nas eleições presidenciais de 2012, não estão de acordo com esse projeto. E se, agora ou no médio prazo, vocês perderem uma eleição? 
Nós aceitamos todas as eleições que perdemos. A Venezuela tem governadores e prefeitos de oposição. Tem deputados, 40% do Parlamento. Se algum dia ganharem, coisa que eu duvido que se passe no século 21, bem, ganhariam e assumiriam a Presidência. E teriam que ver o que fazer com o país. A Venezuela tem um povo consciente e bases sólidas de país independente em vias do socialismo. 
Vocês falam muito de unidade. Mas há vários grupos no chavismo. Não pode ocorrer um racha, como houve com o peronismo na Argentina? 
O movimento revolucionário nacional está unido ao redor da imagem, da espiritualidade e da ideologia de Chávez. De um projeto de pátria. Pátria grande. Está unido ao redor de uma direção coletiva que ele construiu. E ao redor da designação do comandante Chávez da minha pessoa como condutor da revolução para essa etapa. Estamos unidos. 
Sem a figura incontrastável de Hugo Chávez, haverá alternância na liderança do chavismo? 
Nem um “pitoniso”, um bruxo, um vidente, ninguém pode saber o que nos reserva o destino. O que te digo é que neste momento histórico estamos solidamente unidos. E o mundo deve saber que essa direção coletiva já passou por várias provas de fogo. Estamos prontos para a vitória em 14 de abril e para governar muito bem o nosso país. 
Na Venezuela, canais privados de televisão fazem campanha para o candidato de oposição à Presidência, Henrique Capriles. E canais estatais fazem campanha para o senhor. Os canais públicos são de todos. Não deveriam ser neutros? 
Os canais públicos, em uma revolução como a que estamos vivendo na Venezuela, têm que formar o povo, educar o povo, prepará-lo para essa revolução. Têm que sair defendendo a verdade frente a uma ditadura midiática que promoveu um golpe de Estado [em 2002, as emissoras privadas apoiaram a tentativa frustrada de depor Chávez]. Foi o primeiro golpe de Estado dado por canais de televisão. É preciso buscar uma leitura mais próxima do que se passa na Venezuela. Os canais públicos têm sido o contrapeso necessário e são o sustentáculo para estabilizar a sociedade. Se tivessem desaparecido nos últimos seis anos, haveria uma guerra civil. Os canais privados nos teriam levado a uma guerra de todos contra todos. 
A Globovisión, emissora privada de oposição, está sendo vendida a um empresário amigo do governo. E assim é possível que quase todos os meios sejam favoráveis ao chavismo. 
Nós soubemos pela imprensa que a Globovisión estava sendo vendida. Em todo caso, é uma negociação entre empresários amigos. É problema deles, realmente. É preciso ver como termina. Quem sabe a mensagem mais poderosa da venda da Globovisión é a de que sabem que estão perdidos. 
Eles dizem que fizeram de tudo para eleger a oposição a Chávez, o que os levou a uma situação precária. 
A Globovisión simplesmente jogou para derrubar o governo e fracassou. E o fracasso político e de comunicação os levou a um fracasso econômico. Estão quebrados, dizem eles. E simplesmente estão separados da sociedade. Sabem que vamos governar este país por muitos anos, a revolução continua. E eu creio que estão cansados já. Se cansaram, se renderam. 
O candidato Capriles diz que não tem acesso às rádios porque as que dão abertura à oposição são perseguidas. Não é importante que as vozes divergentes tenham espaço? 
Bem, mas elas têm 80% dos meios de comunicação. Se você vai agora mesmo a qualquer lugar de Barinas e compra os jornais, verá que são privados e contra o governo. As televisões regionais, as rádios, 80% a 90% delas são contra o governo. Fazem seu negócio, vendem seu produto. Eles [oposição] têm todos os meios, nós temos um só: a consciência popular, que os derrota todos os dias. Quanto mais veneno jogam, mais as pessoas reagem. Você pode andar por qualquer lugar em Caracas. Encontrará um povo com consciência. Como se criou isso? Com a liderança do presidente Chávez, que era pedagógico, saía à rua, falava, formava as pessoas. 
Não há um culto à personalidade de Chávez na Venezuela? 
Não houve em vida e agora o que há é amor. Culto ao amor, ao agradecimento do povo a um líder que já é chamado na América de Cristo Redentor dos Pobres. Um homem que transcendeu as nossas fronteiras. 
A chamada “união cívico-militar” é um dos pilares do chavismo. Em um continente como a América Latina, com histórico de golpes militares, não seria melhor que as Forças Armadas estivessem afastadas do processo político? 
Nós temos Forças Armadas que resgataram os valores do libertador Simón Bolívar, que têm uma doutrina anti-imperialista e anticolonialista, latino-americana, própria. Você sabe que os EUA estão funcionando como um vampiro sedento, buscando as riquezas petroleiras e os recursos naturais do mundo com guerras, invasões. E as nossas Forças Armadas têm agora uma doutrina de defesa integral do país, das maiores reservas petroleiras do mundo. Defendem o nosso sonho, a nossa terra. 
Têm uma doutrina nacionalista, revolucionária, assumiram o socialismo como causa da humanidade para construir uma nova moral. Aqui se formavam oficiais com os manuais da Escola das Américas [financiada pelos EUA], que formou as Forças Armadas latino-americanas por cem anos. Ensinavam os nossos oficiais em inglês, quase sem tradução. É uma vergonha que não ocorre mais. 
No Brasil é considerado uma grande conquista o fato de as Forças Armadas não interferirem mais na política interna. Por princípio, não seria melhor que na Venezuela elas também estivessem nos quartéis e a disputa política ocorresse somente entre civis? 
Não, é um erro. As Forças Armadas não podem estar nos quartéis. Têm que estar nas ruas, na fábrica, nos bairros, com o povo, para poder defender a pátria. Não podem ser uma elite alijada. Não. Têm que fazer parte do mesmo povo. 
E com forte participação política? 
Bom, depende do que você entende por política. O que as nossas Forças Armadas não têm é formação partidária. Você não vai ver nenhum oficial mandando votar por nenhum partido político, nem fazendo campanha por um partido. 
Não, presidente? Quando o ministro da Defesa, Diego Molero, diz que as Forças Armadas tudo farão para atender aos desejos de Chávez, isso é interpretado como um pedido de voto para o senhor. 
Bem, o que as pessoas têm que saber, e oxalá se saiba no Brasil, é que o nosso almirante-em-chefe Molero deu essa entrevista um dia depois da morte do nosso presidente. E o candidato da oposição havia ofendido fortemente a família do presidente. Duvidou da morte do presidente. Colocou em questionamento a possibilidade de eu assumir a Presidência [Maduro era vice]. Nossos oficiais estavam indignados. E ele [Molero] então disse “respeitamos o nosso novo comandante-em-chefe Nicolás Maduro, presidente da República”. Foi um gesto constitucional e também moral. Não eleitoral. 
O governo do ex-presidente Lula diminuiu a pobreza mas nunca falou em mudar as estruturas capitalistas da sociedade brasileira, como pregava Hugo Chávez na Venezuela. O que o senhor acha de quando colocam o “lulismo” em contraponto ao “chavismo”? 
Cada país tem o seu ritmo. Eu fui testemunha de pelo menos 14 reuniões do presidente Lula com o presidente Chávez. E posso te dizer que eram dois irmãos. Os dois se entendiam perfeitamente. E os dois sabiam que tanto o que Lula fazia, como grande líder do Brasil, quanto o que Chávez fazia aqui era parte de um só processo, de libertação da América Latina. 
Não tem a esquerda boa, com Lula, e a esquerda má? 
Tentou-se por muito tempo [dizer isso]. Em 2007, havia toda essa campanha brutal contra o presidente Chávez. E Lula propôs, para que eles não brigassem… ele dizia assim: [imitando Lula] “‘Chávess’, vamos fazer uma coisa. Vamos nos reunir a cada três meses para acabar com a intriga”. E assim se fez. Foram mais de 14 reuniões a partir daí. Agora, sim, o que posso te dizer: Lula para nós também é um pai. Porque Lula é fundador das correntes de esquerda de novo tipo que surgiram nos anos 80 adiante. Nós nos inspiramos na ética de Lula, na energia dele, em sua liderança trabalhadora. 
Mas Lula, como eu disse, não fala em mudar o capitalismo. 
Cada um lidou com a circunstância histórica do seu país. E Lula empurrou o Brasil até uma grande onda progressista, de prosperidade, de desenvolvimento. 
O candidato Capriles diz que o modelo dele é Lula. 
Para a direita pega muito mal… para uma direita que nunca trabalhou pega muito mal colocar-se “barba a barba” com Lula. Lula ganhou trabalhando nos fornos da luta, da história. 
Ele elogia Lula por combater a pobreza sem mexer no setor privado. 
Se há algo a dizer de Lula, Néstor Kirchner, Cristina [Kirchner] e outros líderes é que são, na essência, antineoliberais. Libertaram nossos países do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial. E essa direita que trata de se colocar disfarçada de Lula é, em sua essência, privatizadora, dependente da forma neoliberal e do FMI. Não têm nada que ver com o legado nem com o patrimônio político e cultural dos valores que Lula representa. 
No governo Chávez, a presença do Estado avançou. Mas o setor privado ainda representa 58% da economia. Se vitoriosos, vocês vão estatizar mais empresas, mais setores? Até onde vai o que chamam de “socialismo do século 21”? 
O socialismo do século 21 é diverso. Tem as particularidades e está enraizado na dinâmica verdadeira de cada país. Cada um tem a sua realidade. E não podemos achar que há menos ou mais socialismo porque o nosso, o boliviano, o equatoriano, o nicaraguense ou o cubano não se parecem com as experiências da antiga União Soviética ou da Romênia. 
Há lugar então para um setor privado forte? 
A história está por ser escrita. Há espaço para investimentos que venham a desenvolver um modelo produtivo e inclusivo. Lamentavelmente na Venezuela os cem anos de modelo de rentismo petroleiro não permitiram que surgisse um capital forte. No fundamental, o capital se articulou à renda petroleira sem gerar capacidade produtiva e desenvolvimento tecnológico. Esse capital não tem visão de país, nacionalista. 
É diferente do que se passou no Brasil ou na Argentina, por exemplo, que tiveram burguesias nacionais. Na Venezuela não há burguesia nacional. Nossas dificuldades são então maiores. Os setores que se dedicaram à atividade econômica privada têm laços de dependência muito forte com o capital estadunidense. 
É por isso que estão em todos os processos de sabotagem da economia e da política. Quem sabe agora comece a surgir, e vem surgindo, um setor misto de capital venezuelano e de investimentos de outras partes do mundo. Capital brasileiro, argentino, uruguaio, em aliança com um novo capital privado na Venezuela. 
Uma burguesia vinculada fortemente ao Estado? 
Todo esse modelo está em elaboração. Nesse momento estamos fazendo um chamado e buscando instrumentos para financiar e construir setores privados que sejam nacionalistas e que nos permitam diversificar a economia. 
Privado integralmente? 
Claro. Totalmente. Com financiamento, incentivo. De todos os tamanhos, pequeno, médio, grande, vinculado à tecnologia, à indústria, ao comércio. Vinculado ao capital de outras partes do mundo, Brasil, Argentina, Rússia, China. Capital estadunidense. 
Então Cuba é inspiração para o chavismo, mas não o modelo a seguir. 
Cada um tem suas particularidades. A Cuba coube viver uma história dos anos 60, 70, muito marcada pela chamada Guerra Fria. Bem, Cuba foi contra nossos antigos modelos políticos, sociais, econômicos. 
E está se abrindo. 
Cuba tem seu próprio processo de aperfeiçoamento do socialismo. Precisamente o bonito da Alba [Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América, integrada por países como Venezuela, Bolívia, Equador, Cuba e Nicarágua] é que nós todos temos formas diversas de economia. E diversos conceitos do que é o socialismo neste momento em cada país. E podemos andar juntos, e vamos aprendendo uns com os outros. 
Acredita que é possível o socialismo pela via democrática, como Salvador Allende [ex-presidente do Chile que sofreu um golpe militar em 1973] tentou, sem sucesso? 
Até agora, sim, creio que é possível. Creio inclusive que, salvo se o império estadunidense ficar louco e pretender nos derrotar pela via da força, ou invadir esse país, o caminho da Venezuela seguirá sendo a democracia ampla, profunda, de amplas liberdades e transformações pacíficas, que são as que de verdade deixam raízes. Toda transformação que se dá pela via do debate democrático e da decisão popular são decisões verdadeiras que têm solidez na soberania e na consciência dos povos. 
Se a Venezuela continuará a ter um setor privado forte, como se chegará então ao socialismo? 
O socialismo tem várias dimensões. A principal delas é a espiritual, a moral, a ideológica, de transformação do ser humano. E quando o ser humano dessa sociedade, por todo processo de educação, de nova cultura, de nova prática política, de participação, de novas relações econômicas, de produção, começa a funcionar de outra forma, então existem as condições para a sociedade socialista, que supere o individualismo, o desejo de riqueza individual. E, cavalgando junto, vão as transformações para um novo modelo econômico, que supere, no caso da Venezuela, o capitalismo rentístico, especulador. E que faça as bases de uma economia produtiva, diversificada, que crie riqueza para ser distribuída através da saúde, educação, alimentação, seguridade social, para que o povo tenha níveis de vida dignos, para que se supere a pobreza definitivamente. 
Quando Chávez morreu, a presidente Dilma Rousseff fez elogios, mas disse que em muitas ocasiões o governo brasileiro não concordou com o da Venezuela. 
Nós integramos a Unasul [União das Nações Sul-Americanas], o Mercosul, comunidades democráticas onde se debatem ideias. E quando se debatem ideias normalmente surgem opções. 
O Banco do Sul, por exemplo, do qual fariam parte os países da América do Sul, não foi aprovado ainda no Congresso brasileiro. Está lento. 
Você sabe que os temas que têm que ver com o parlamento sempre são lentos. Nós temos uma comissão já de caráter presidencial que reúne os delegados de cada presidente do Banco do Sul. Tudo está pronto. Só esperamos que o Congresso brasileiro o aprove para que entre em vigência de maneira rápida, automática. 
O Brasil também não integrou a TeleSur [emissora financiada por vários países latino-americanos], o projeto do gasoduto do sul [que ligaria Venezuela, Brasil e Argentina] não andou. 
Bem, são projetos sobre os quais têm havido debates. A TeleSur é uma linda realidade de comunicação alternativa que venceu a ditadura midiática das grandes cadeias de televisão. Quem sabe mais adiante [o governo brasileiro se integre ao projeto]. Seguramente as portas da TeleSur estão abertas para o governo da presidenta Dilma e de qualquer iniciativa que venha a fortalecê-la. 
E a refinaria Abreu e Lima [parceria da Petrobras com a petroleira venezuelana PDVSA que até agora, por divergências em relação ao financiamento, conta com recursos apenas do Brasil], como está? 
Não tenho os detalhes atualizados, mas sei que marcha agora melhor. E que vai ter um final feliz. 
A economia é considerada uma má herança de Chávez. A inflação é alta. Há um certo nível de desabastecimento, de 20%. E uma dependência muito grande do petróleo. Haverá ajustes no governo? 
No dia 22 de fevereiro, conversamos por cinco horas com o presidente Chávez sobre temas econômicos. E ele disse: “Veja, Nicolás, estamos em uma guerra econômica”. Porque, com a enfermidade do presidente, os interesses econômicos nacionais e internacionais se lançaram a desabastecer [o país] de produtos, a especular com os preços e com o valor do dólar. Eles acreditavam numa hecatombe econômica que chegaria a uma explosão social e a uma desestabilização política. Nós estamos enfrentando. Vamos torcer o braço do dólar paralelo, vamos torcer até lá embaixo. 
E a inflação? 
É um problema do funcionamento especulativo do capital. A inflação nos 14 anos antes do presidente Chávez foi de 34%. Nestes 14 anos com ele, baixou para 22%. Planejamos levá-la à metade nos próximos dez anos. Oxalá possamos chegar a um dígito. 
Haverá corte de gastos? 
O mais importante é que os gastos se convertam em investimento social para proteger o povo e econômico para girar riqueza no país. E isso é uma dinâmica bendita que vai gerando mudanças na estrutura econômica e vacinando o país da especulação como sistema de fixação de preços e de movimentos da economia. 
6 de Abril de 2013 19:00

Ratoeira capitalista

por Esquerdopata
 
 
6 de Abril de 2013 18:00

Polícia para quem ?

por Esquerdopata
 
 
6 de Abril de 2013 13:00

Falta a mídia na Comissão da Verdade

por Esquerdopata
 
 A mídia na ditadura
Mauricio Dias

Falta um tema na variada agenda da Comissão Nacional da Verdade. Criada com a finalidade de apurar as violações dos direitos humanos, ela não incluiu na pauta de trabalho a análise do papel da imprensa, como é feito com a Igreja, por exemplo, durante a ditadura, articulada e sustentada por civis e militares. 
A imprensa foi arauto da trama golpista contra o presidente João Goulart. Sempre conservadores, os “barões da mídia” brasileira agem na fronteira do reacionarismo. Apoiar golpes, por isso, não chega a ser exatamente novidade. Alardeiam o princípio do liberalismo sem, no entanto, se comprometer com a democracia. Assim promovem feitiços, como o de 1964, e tornam a própria imprensa vítima da feitiçaria. 
Patrões e empregados são testemunhas importantes de uma história que precisa ser passada a limpo. É necessário ir além do que já se sabe. Isso só ocorrerá com o depoimento daqueles que viveram os episódios ou estiverem próximos deles. 
A ditadura “exerceu o terror de Estado e provocou medo na sociedade civil. Não há indícios, porém, de que o medo fosse a razão do consentimento” que a imprensa deu aos generais, como anota a cientista política Anne-Marie Smith, no livroUm Acordo Forçado. 
Ela põe o dedo na ferida ainda aberta: “E se outros jornais tivessem protestado quando o general Abreu proibiu qualquer publicidade do governo no Jornal do Brasil em 1978?” E se aproxima da resposta: “Os obstáculos à solidariedade não foram criados, nem reforçados, nem explorados pelo regime. A falta de solidariedade foi uma desvantagem gerada pela própria imprensa”. 
No governo Geisel, o ministro das Comunicações, Euclides Quandt de Oliveira, vetou novas concessões ao nascente Sistema Globo por receio de que Roberto Marinho chegasse ao monopólio da opinião pública. Ele então foi ao ministro da Justiça, Armando Falcão, e falou “do constante apoio” que deu ao governo. 
“Disse também que o comportamento da Rede Globo deveria fazê-la merecedora de atenção e favores especiais do governo”, registra o livro. 
Marinho apelou sem constrangimentos. Ameaçou vender a Rede Globo, caso não tivesse apoio para continuar a crescer. O resto da história todo mundo sabe. 
A mídia reage, hoje, ao projeto sobre a -atualização das leis de comunicação com o argumento falso e insensato de que o objetivo é censurar. No entanto, em plena ditadura, adotou a inércia e o silêncio diante dos atos concretos de restrição à liberdade de escrever. Não de escrever sobre tudo, mas somente sobre certos assuntos como tortura e assassinato nos porões da ditadura. Essa é a diferença em relação à genérica denúncia de restrição à festejada liberdade de imprensa. 
A censura, nesse contexto, cumpria outro papel. Excluía a responsabilidade direta dos donos da mídia e de muitos editores autoritários coniventes, que sempre se desculparam ao apontar a censura governamental como a razão do silêncio. 
A ditadura seria outra – talvez ditabranda – contada a partir do que foi publicado na ocasião. 
Para a imprensa conservadora, reacionária nos anos de chumbo, esse tema dói. É um nervo exposto. 

Nossos rapazes em ação na América

por Professor Hariovaldo
 

 

http://www.youtube.com/watch?v=sUCSTS2Y9Mo

 

 

Um exemplo saudável de patriotismo para a juventude estudantil

Em represália, Brasil ameaça exportar Salve Jorge para Coreia do Norte

05/04/2013 17:14 | Categoria: Internacional

Compartilhar:
Imprimir:

Em represália, Brasil ameaça exportar Salve Jorge para Coreia do Norte

Kim Jong-un fugiu para as montanhas

BRASÍLIA – Em resposta às ameaças do ditador Kim Jong-un de produzir Marcos Felicianos em massa, o exército brasileiro reagiu à altura: “Vamos exportar a novela Salve Jorge para a televisão norte coreana. Sei que é uma medida dura, mas temos que agir com coragem”, defendeu o general Theotonio Pincel. Ao saber da notícia, Cláudia Raia fez cara de má e Vera Fischer foi internada com estafa após esforços hercúleos para erguer as sobrancelhas.

Em poucos minutos, Kim Jong-un interrompeu o enriquecimento de laquê, permitiu a construção de centenas de McDonalds em Pyongyang, comprou um iPhone e anunciou cessar fogo. “Acuda mamãe! Acuda mamãe!”, gritou, correndo, com os braços levantados pelas ruas da capital.

Pelo twitter, Gloria Perez defendeu mais uma vez a trama da novela: “Inovei ao levar o realismo fantástico de García Márquez para a classe C emergente. Nos próximos capítulos, um rabo de porco nascerá em Thammy Gretchen e Morena começará a comer terra”, revelou.

 

Leia também

Coreia do Norte inicia produção de Marcos Felicianos em massa

Kim Jong Un se derrete na Ilha de Caras: “Ri Sol-ju é uma fofa!”

PT lança a novela Salve José

Papa Francisco perdoa Tom Zé por anúncio da Coca-Cola

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

04/04/2013 17:49 | Categoria: Celebridades

Compartilhar:
Imprimir:

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

José Serra fez valer sua condição de oposição

ID – Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no Instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. “Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado na boca um trabalhador nordestino de origem pobre”, escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

A corajosa atitude de Lula foi ovacionada por artistas, membros da CUT e intelectuais de São Bernardo. A Petrobras divulgou nota exaltando “a perfuração histórica do preconceito”, comparando o beijo à descoberta do pré-sal.  Caetano Veloso, por sua vez, anunciou que estava completamente apaixonado por Caetano Veloso. “É uma coisa linda”, declarou, por intermédio do twitter de Paula Lavigne. Na Espanha, o português Cristiano Ronaldo assumiu uma relação estável com seu ego. “Não tenho mais vergonha de dizer: eu me amo”, declarou.

Irritado com a onda de declarações de amor, José Dirceu anunciou que brigará pelo controle social do beijo na boca.

 

Leia também

Lula negociará fim do pecado original

Lula e Marisa celebram o amor na Ilha de Caras

Para se manter na Comissão, Feliciano sai do armário

Ahmadinejad saúda Congresso por eleição de Feliciano

Serra esconde ovo de Páscoa de Aécio

Coreia do Norte inicia produção de Marcos Felicianos em massa

03/04/2013 17:55 | Categoria: Internacional

Compartilhar:
Imprimir:

Coreia do Norte inicia produção de Marcos Felicianos em massa

“A Coreia do Norte está dominada pela ditadura pacifista”, declararam os novos Felicianos

PYONGYANG – Pressionado por representantes dos direitos humanos a abandonar a energia nuclear, o líder Kim Jong-un anunciou que tomará uma medida drástica, malvada e muito pior do que o enriquecimento de urânio. “Chega de palhaçada, né! Iniciamos ontem a produção, em massa, de Marcos Felicianos. Alguns, inclusive, já foram introduzidos na Coreia do Sul, né!”, ameaçou o grande líder.

Em poucos minutos, uma Assembleia de Emergência foi convocada na ONU, na Liga da Justiça e no Olimpo. “Precisamos atuar em conjunto, de mãos dadas, para deter essa iniciativa de Satanás em todas as camadas do Planeta onde a vida pode prosperar”, anunciou Jesus, abraçado a Ban ki-moon e Luciano Huck.

No final da tarde, Barack Obama fez um pronunciamento dramático em rede mundial de televisão ao lado de Renan Calheiros. “Pedimos penico. Revelaremos a composição da bomba atômica na Wikipedia. Colocaremos os ingredientes de todas as nossas armas químicas em rótulos de Ades. Mas, por favor, interrompam a produção de Marcos Felicianos!”, implorou. Calheiros disse que o PMDB está disposto a ser o fiador da paz mundial em troca de dois ministérios nos EUA, cinco estatais na França e o controle acionário de meia dúzia de empresas na Alemanha. “Além, é claro, da indicação de José Sarney ao prêmio Nobel de Literatura”, arrematou.

Irado com as ameaças, o líder da Coreia do Norte subiu o tom. “Se ficarem de mimimi, né, reproduziremos Joelmas, Marcos Felicianos e Bolsonaros em cativeiro”, ameaçou, esfregando as mãozinhas.

 

Leia também

Ahmadinejad saúda Congresso por eleição de Feliciano

Deus pune Vaticano e novo Papa terá que pregar com Praça de São Pedro vazia

Lula vai a Cuba para tratar memória

Obama transfere Miami para a Barra da Tijuca

Partido Comunista Cubano troca luta de classes por diretoria da Petrobras

Revistas Veja e Época dão capa à causa homossexual tendo Daniela Mercury como mote

por Homorrealidade
 
   Publicado pelo ParouTudo   As duas maiores revistas semanais brasileiras, “Veja” e “Época”, colocaram a outing de Daniela Mercury nas suas capas.   A Veja, ao fazer um panorama histórico e científico da questão, considera o casamento homossexual como “questão inadiável no Brasil”.   A Época, que na semana passada já havia dado destaque ao tema na sua publicação paulistana, coloriu sua capa de arco-íris e mostra o quanto a homofobia da cantora Joelma e a infelicidade de termos Marco Feliciano como presidente da Comissão de Direitos Humanos motivaram Daniela e a esposa, a jornalista Malu Verçosa, a se assumirem.   Com vendas na casa do 1,5 mihão de exemplares e com impacto em cerca de 4 milhões de leitores, as publicações fizeram capas dignas do momento incrível e crucial que o país e nós LGBT estamos vivendo!    

ELES ESTÃO FICANDO…

Eles estão ficando…

por Blog Justiceira de Esquerda
 
Ω Parsifal 
 
Trocando soslaios amiúde ultimamente, Eduardo Campos (PSB), governador de Pernambuco e Aécio Neves (PSDB), senador de Minas Gerais, não necessariamente nessa ordem, é a chapa dos sonhos da oposição ao PT, para disputar a eleição presidencial de 2014. http://pjpontes.blogspot.com.br/2013/04/eles-estao-ficando.html
tem a ver comigo

por Betina Siegmann

InterNey Consultoria

Consultor de Marketing especializado em Conteúdo, Eventos e Redes Sociais

Arquivos da Amanda

Blog antigo da Amanda Vieira

Luíz Müller Blog

Espaço de divulgação de textos e ações que defendem trabalho decente no Rio Grande e no Brasil

silvio.evanni's Blog

"O HOMEM DEPENDE DO SEU PENSAMENTO" - Informação; Política; Saúde; Cultura; Esporte; Turismo...

queerlandia

Different from the norm

Alexandre Melo Franco de M. Bahia

Constituição, Direitos Fundamentais, Diversidade.....

ALÔ BRASIL

O caminho para sua salvação é saber a verdade..

Joelson Miranda

ITAQUAQUECETUBA/SP

Para além da aula: blog do Professor Celso

Orientações e dicas para os estudantes do Ensino Médio

Blog do murilopohl

A serviço do PT, Democrático, Socialista e Revolucionário

RC TV Interativa

Jornalismo Verdade

Enseada Turismo

Sua agência virtual

Blog do EASON

Política, Música & Outros Papos

Poemas e contos da anja e para anja

poemas e contos sensuais e eróticos

following the open way

commenting the content of "The open way"

Mamilus de venus

TOQUE PERTUBADO NA MENTE SUTIL

nadandonapororoca

Just another WordPress.com site

lolilolapt

Just another WordPress.com site

%d blogueiros gostam disto: