A intromissão descabida dos EUA

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 
 Altamiro Borges Por José Dirceu, em seu blog
Após os resultados mostrando a vitória de Nicolás Maduro para a Presidência da Venezuela, os Estados Unidos resolveram pedir a recontagem manual dos votos, assim como fez o candidato oposicionista, Henrique Capriles. A Casa Branca disse que considera que uma auditoria nos resultados das eleições presidenciais da Venezuela seria um passo “importante, prudente e necessário”. 
Só faltava esta. É como se a Venezuela pedisse na eleição de George W. Bush, em 2000, a recontagem dos votos ou uma auditoria e apoiasse o candidato democrata em sua solicitação.  
É uma prova da intromissão indevida e descabida dos EUA nos assuntos internos da Venezuela, particularmente porque Maduro aceitou a auditoria do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), sem evidentemente aceitar a não proclamação dos resultados.  
Isso foi o óbvio a ser feito, já que abrir mão da proclamação seria aceitar que houve fraudes. Fica evidente que a oposição que apenas tumultua, já que uma vitória eventual de Capriles seria aceita como democrática.  
O fato é que o CNE proclamou Maduro como presidente eleito e rejeitou o pedido de Capriles para recontar os votos. Maduro obteve 50,75% contra 48,97% de Capriles, uma diferença de 262.473 votos. 
Aproveito para recomendar a leitura do artigo de Breno Altman sobre o resultado:“Vitória de Maduro é incontestável, mas representa novos desafios”Altamiro Borges: A intromissão descabida dos EUA
5 horas atrás

Seminário “A vida indígena no RS: Memória, Realidade e Perspectivas”, dia 19 de abril, às 9h

RACISMO por racismoambiental
 

Enviada por Susan De Oliveira Guarani Kaiowá para Combate Racismo Ambiental.

5 horas atrás

Charge do Bessinha

BRASIL , BRASIL por Nogueira Junior
 
 
5 horas atrás

Gilmar Mendes processa ator José de Abreu pela segunda vez

BRASIL , BRASIL por Nogueira Junior
 
Gilmar Mendes

iG / Poder Online 
“O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), está processando o ator José de Abreu pela segunda vez. No dia 10 de outubro de 2012, o ator tuitou: “E o Gilmar Mendes que contratou o Dadá? 19 anos de cadeia pro contratado. E pro contratante? Domínio do fato?”, referindo-se ao espião envolvido em diversos casos de grampo, como o do bicheiro Carlinhos Cachoeira, quando foi preso. Mendes alega que Abreu quer desmoralizá-lo.

No ano passado, o ator já havia recebido uma notificação judicial do ministro por tê-lo chamado de corrupto no Twitter. Na época, Abreu fez uma retratação formal e o caso foi encerrado. Desta vez, o ator afirmou que não vai se retratar.

“Foi uma piada, não tenho porque me retratar. Imagina se eu quis dizer que ele (Gilmar Mendes) tem que responder por tudo o que o Dadá fez? Só na cabeça dele, é fora de qualquer lógica imaginar que ele, ministro, é responsável pelo Dadá. Não é possível que ele não tenha coisa mais séria para fazer do que implicar com o que eu tuito”, disse o ator.” 

5 horas atrás

Theodora: 1ª Criança a Ser Adotada Por Pois Pais é Coautora em Livro Que Conta a Sua História.

FORA DO ARMARIO por Sergio Viula
 

Theodora: 1ª Criança a Ser Adotada Por Pois Pais é Coautora em Livro Que Conta a Sua História.

O livro será lançado no próximo dia 20 de Abril, a partir das 9h30 na Pérgula da Praça da República em Catanduva

A história da 1ª adoção com dupla paternidade do Brasil acaba de virar um livro: “Dois Pais”. Os cabeleireiros, professores, promoters e pais: Vasco P. da Gama e Júnior de Carvalho acabam de virar também  escritores com a publicação do livro “Dois Pais” pela editora Scortecci, com apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura, programa de ação cultural (ProAC) 2011.   O livro será lançado no próximo dia 20 de Abril, a partir das 9h30 na Pérgula da Praça da República em Catanduva.      A idéia do livro surgiu quando o Vasco se increveu no programa do Governo do Estado de São Paulo de incentivo a ações culturais LGTT – ProAC em 2011. Mesmo sem ter o livro pronto o projeto foi escolhido para apoio. Uma verba do governo como incentivo e o contrato assinado dava início a um compromisso assumido e então o sonho começava a virar realidade começava então a descobrir que era autor. A 15 anos escrevendo colunas sociais para jornais e revistas da cidade e região, espaço no blog Mix Brasil entre uma matéria e outra o conteúdo do livro virou um apanhado de matérias sobre a primeira adoção.  
Demandou tempo, dinheiro, persistência e muita paixão pela literatura e este filho que começava a ser gerado – noites sem dormir, dias e dias de enclausuramento, certa alienação e até mesmo uma certa obsessão. Mas no final das contas estamos descobrindo que valeu a pena. 
Não pensam em ficar ricos com a venda, mas sim em enriquecer as pessoas com o conhecimento. Renovar conceitos e esclarecer dúvidas enraizadas no preconceito homofóbico e relutante.  “Estamos vivendo intensamente este momento de ser escritor” comentou Vasco P. da Gama. “antes era um sonho que também se tornou realidade” acrescentou. Não pensamos em ficar ricos com esta literatura. Pensamos em enriquecer as pessoas com ela”. 
Para Júnior de Carvalho que também faz a orelha do livro,”O livro vai além da concepção comum sobre a adoção e mostra aquilo que para muitos pode não ser natural, mas para nós é poesia. DOIS PAIS é um livro  onde o pouco se torna muito e o óbvio pode revelar e exteriorizar emoções. Espere encontrar nas páginas muito mais que simples relatos. Espere se emocionar ou ter a impressão de que a vida é diferente daquilo que você conhece e o grande mistério da existência e das lembranças são as puras concretizações da existência do amor ao próximo”.   O livro resume de forma leve e agradável fatos e experiências que Vasco e Júnior vivem no dia-a-dia e na luta incessante de ensinar e aprender com as filhas Theodora, 11 anos e Helena, 2anos.   Para a advogada Dra. Ivânia M. Camargo Marconi, responsável pelo processo da adoção da segunda filha do casal e que também faz a apresentação do livro na contra-capa diz que o processo de adoção foi um marco na justiça brasileira. “Hoje é difícil um advogado que defenda não só a adoção homoafetiva (casal homosexual) mas uma adoção seja ela tardia ou não, ou mesmo as mais comuns, que não cite em seus argumentos e relatórios o caso de Vasco e Júnior na adoção de Theodora” comenta. “Theodora foi a primeira, mas Helena depois de sete anos já não foi a segunda, e nem a décima. Foram muitos casos de adoções que acabaram sendo favorecidos com esta feliz decisão da Dra. Sueli em 2006” Acrescentou.   Júnior ainda resume “De Uma maneira bem simples e simplificando ainda mais o assunto em que se trata a obra, podemos de forma muita sucinta dizer que o amor é a forma mais simples que o ser humano encontra de trazer para si mesmo a felicidade…..”   O lançamento será no sábado dia 20 de abril, na Pérgula da Praça da Republica em Catanduva a partir das 9h30. O livro será vendido por R$28,00 e também poderá ser adquirido no site da Editora Scortecci  – www.asabeça.com.br, na Livraria Cultura e Livraria Martins Fontes Paulista  ou na Livraria Santa Rita também em Catanduva.   A CAPA   A capa é uma ilustração do recifence Céo Pontual, e é uma das granes surpresas do livro, fazendo surpresa com a capa, os autores deixaram para revelar a capa somente no dia do lançamento. Céo Pontual, trabalhou como diretor por quase 20 anos em agências de publicidade em Recife, São Paulo e Lisboa, até que resolveu retornar ao seu sonho de infância e virar ilustrador. Hoje trabalha em casa, como designer gráfico, que é sua formação, e ilustrador, que sempre foi. Desenvolvendo trabalhos de marca, identidade visual, capas de livro, cartazes, convites, Ilustrando livros infantis didáticos e paradidáticos, decoração infantil, personagens, campanhas publicitárias, tirinhas entre outros.   Céo Pontual mantém os blogs Frases Ilustradas e Ô Vidinha, que juntos tem mais de 2.000 acessos diários e foi lá que o par Vasco e Júnior conheceram os seus trabalhos.  
“Adoramos a ilustração que Céo Pontual fez de nós. Já eramos fãs de seus trabalhos e ter ele criando a capa de nosso livro foi uma grande alegria”, disse Theodora ainda encantada,  fazendo cara de suspense e tampando com a mão a ilustração principal do seu livro.   Fonte: Enviado por e-mail por Vasco, pai dela. 

5 horas atrás

O caso da FSB e o poder das assessorias de comunicação

LUIS NASSIF por luisnassif
 

Por José Ribeiro Jr.

Da Folha

Informar, qualificar, influenciar

DE SÃO PAULO

Duas semanas atrás, a revista “Época”, da Editora Globo, publicou uma “denúncia a partir de informações do PMDB” ou “a partir de documentos obtidos com o PMDB”, no dizer do jornal “O Globo”.

Em sua própria edição, a revista admitiu tratar-se de “dossiê”, porém “desta vez os documentos divulgados não são vazios, como costuma acontecer com a maioria dos dossiês que circulam nas campanhas”.

No enunciado da “Época”, a notícia seria um “pagamento de propina a Lindberg Farias”, senador do PT que deve concorrer com o candidato do PMDB a governador do Rio em 2014, Luiz Fernando Pezão.

Dias depois, a concorrente “Veja”, da Abril, informou que Lindberg, antes do “início da guerra explícita”, já “tinha receio da capacidade da FSB de levantar informações negativas a seu respeito” e tentou contratar a assessoria.

leia mais

5 horas atrás

Sindicatos protestam contra possível alta dos juros

 
Danilo Verpa: SÃO PAULO, SP, 17.04.2013: PROTESTO/JUROS/SP - Centrais sindicais realizam protesto em frente ao Banco Central na avenida Paulista contra a alta dos juros. Consolida-se no mercado financeiro a aposta em aumento do juro básico da economia (taxa Selic) nestCinco centrais sindicais fizeram um protesto em frente ao edifício do Banco Central, localizado na avenida Paulista, contra uma possível elevação da taxa básica de juros, a Selic; “A taxa de juros muito alta gera desemprego e recessão econômica”, disse João Carlos Gonçalves Juruma, secretário-geral da Força Sindical. 
5 horas atrás

Luiz Fux é uma vergonha para a justiça brasileira

PRAGMATISMO por Luis Soares
 

Se com sua espantosa fraqueza emocional Luiz Fux chegou afinal ao STF não foi por ter impressionado pela obra, pelo saber e pelo caráter. O Brasil precisa encontrar, urgentemente, fórmulas para desvincular a Justiça e o Executivo

Paulo Nogueira, em seu blog

Feliciano pode continuar onde está?

Os brasileiros parecem ter a resposta já consolidada para isso.

E o juiz Luiz Fux, pode?

Esta é outra discussão que deve ser travada em caráter de urgência pela sociedade brasileira, dada a importância do Supremo Tribunal Federal, do qual Fux é um dos integrantes.

entrevista que a Folha publicou com José Dirceu, o réu entre os réus do Mensalão, grita isso – que se verifique se Fux pode permanecer no Supremo.

luiz fux dirceu justiça

Fux fez uma louca cavalgada em busca do STF, e uma parada vital foi em Dirceu (Foto: Divulgação)

Um juiz desmoralizado desmoraliza o STF: este é o ponto.

Na entrevista, Dirceu afirma que Fux o procurou durante seis meses em busca de apoio para sua nomeação para o STF.

Fux estava um degrau abaixo, no STJ. Dirceu era então um homem de grande influência no governo, e Fux tinha uma ambição desmedida.

Segundo Dirceu, quando o encontro foi enfim realizado, Fux prometeu a ele que o absolveria no julgamento.

Deu no que deu.

As acusações de Dirceu, evidentemente, têm que ser investigadas. Mas seja lembrado que à mesma Folha ele admitiu já ter sim corrido atrás de Dirceu na sua louca cavalgada pelo Supremo.

Escreveu a Folha depois de ouvir Fux, há alguns meses: no último ano do governo Lula, “Fux “grudou” em Delfim Netto. Pediu carta de apoio a João Pedro Stedile, do MST. Contou com a ajuda de Antônio Palocci. Pediu uma força ao governador do Rio, Sergio Cabral. Buscou empresários. E se reuniu com José Dirceu, o mais célebre réu do mensalão.”

Fux admitiu, para a Folha, a reunião. “Eu fui a várias pessoas de SP, à Fiesp. Numa dessas idas, alguém me levou ao Zé Dirceu porque ele era influente no governo Lula.”

O contato mais explosivo, naturalmente, foi o com Dirceu. Na época, as acusações contra Dirceu já eram de conhecimento amplo, geral e irrestrito. E Dirceu seria julgado, não muito depois, pelo STF para o qual Fux tentava desesperadamente ser admitido.

Tudo bem? Pode? É assim mesmo que funcionam as coisas?

Fux afirma que quando procurou Dirceu não se lembrou de que ele era réu do Mensalão. Mesmo com o beneficio da dúvida, é uma daquelas situações em que se aplica a grande frase de Wellington; “Quem acredita nisso acredita em tudo”.

Fux demostra uma falta de equilíbrio inaceitável para o Supremo. Considere a narração dele próprio do encontro que teve com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, no qual acabaria recebendo a notícia de que atingira o objetivo: estava no STF.

Aí eu passei meia hora rezando tudo o que eu sei de reza possível e imaginável. Quando ele [Cardozo] abriu a porta, falou: “Você não vai me dar um abraço? Você é o próximo ministro do Supremo Tribunal Federal”. Foi aí que eu chorei. Extravasei.”

Fux, no julgamento, chancelou basicamente tudo que Joaquim Barbosa defendeu, para frustração e raiva das pessoas que ele procurara para conseguir a nomeação, a começar por Dirceu.

Fux é, em si, uma prova torrencial de quanto o STF está longe de ser o reduto de Catões que muitos brasileiros, ingenuamente, pensam ser.

O caso Fux tem outros desdobramentos, naturalmente.

O país tem que encontrar, urgentemente, fórmulas para desvincular a Justiça e o Executivo.

Se com sua espantosa fraqueza emocional Fux chegou afinal ao STF não foi por ter impressionado pela obra, pelo saber e pelo caráter.

Foi — como sugerem fortemente os depoimentos à Folha de Dirceu e dele mesmo, Fux — por ter dito o que os que definiriam a escolha queriam ouvir.

Não é um bom critério. Não é um critério justo.

A Justiça tem que manter distância altiva da política — e da mídia, igualmente. As fotos de alegre cumplicidade de integrantes do STF com jornalistas como Merval Pereira e Reinaldo Azevedo são moralmente repulsivas. Que isenção se poderia esperar do STF ao julgar eventuais causas que envolvam não exatamente tais jornalistas, peixes pequenos, mas as empresas para as quais trabalham? E que tipo de tratamento jornalístico os leitores devem esperar de uma relação tão camarada?

Como Feliciano em outra esfera, Fux representa, hoje, uma crise moral na justiça brasileira, um embaraço.

Como ele não se autonomeou, é preciso não esquecer que para consolidar a justiça brasileira – e a democracia — os métodos de nomeação devem ser urgentemente aprimorados.

O post Luiz Fux é uma vergonha para a justiça brasileira apareceu primeiro em Pragmatismo Político.