No CD ‘Nada pode me parar’, D2 torna a utilizar obra de Ivan nos anos 70

por Mauro Ferreira
 
 Marcelo D2 volta a se utilizar da obra composta por Ivan Lins nos anos 70. Cinco anos após ter iniciado a promoção de seu álbumA arte do barulho (EMI Music, 2008) com Desabafosingle que recorria ao refrão de Deixa eu dizer (na gravação deste samba de Ivan com Ronaldo Monteiro de Souza que deu título ao LP lançado por Cláudia em 1973), o rapper carioca abre os trabalhos promocionais de seu sétimo álbum solo – Nada pode me parar, já em pré-venda e com lançamento nas lojas previsto para o início de maio de 2013 via EMI Music – com música, Está chegando a hora (Abre alas), que contém elementos de Abre alas, sucesso da obra de Ivan com Vitor Martins, lançado pelo compositor carioca em seu álbum Modo livre (1974). Está chegando a hora (Abre alas) é uma das 15 faixas de Nada pode me parar. Da tracklist inicial divulgada por D2 em setembro de 2012, com 16 faixas, saiu a música intitulada O rap. Eis as 15 faixas do álbum: 
1. MD2 (A sigla no tag)
2. Danger zone – com Aloe Blacc
3. Eu já sabia – com Sain e Helio Bentes
4. Livre – com Like (Pac Div)
5. Você diz que o amor não dói
6. Fella – com Shock (Start), Batoré (Cone Crew) & Akira Presidente
7. A cara do povo
8. Feeling good – com Joya Bravo
9. Mandame Bonfumé
10. Está chegando a hora (Abre alas)
11. Eu tenho o poder
12. Rio (Puro suco)
13. 4:20 – com Versus
14. Na veia
15. Vou por aí
4 horas atrás

Após 23 anos em cena, Duo Santoro lança primeiro disco, ‘Bem brasileiro’

por Mauro Ferreira
 
 Em cena desde 1990, o Duo Santoro – formado pelos irmãos gêmeos violoncelistas Paulo e Ricardo Santoro, naturais do Rio de Janeiro (RJ) e ambos integrantes da Orquestra Sinfônica Brasileira desde 1986 – já expôs seu virtuosismo em cerca de 20 discos de música erudita e/ou popular. Contudo, o Duo Santoro nunca havia gravado um disco. Seu primeiro CD em 23 anos de carreira, Bem brasileiro, vai ser lançado em maio de 2013 pela gravadora A casa discos. Gravado sob a direção artística do pai de Paulo e Ricardo, Sandrino Santoro, Bem brasileiro foi produzido pelo compositor Sergio Roberto de Oliveira, que compôs Bis em 2012 especialmente para o álbum. No disco, o Duo Santoro toca temas de compositores brasileiros – uns efetivamente nascidos no país, outros naturalizados brasileiros – em atividade nos séculos XX e XXI. Pautado pela brasilidade do duo, o repertório inclui O trenzinho do caipira (Heitor Villa-Lobos), Choro (tema em que Waldemar Szpilman – compositor polonês que se radicou no Brasil aos 10 anos de idade – transita na tênue fronteira entre o popular e o erudito), Três temas do folclore (Ricardo Medeiros), Modinha (Francisco Mignone), Seis duetos (obra de Ernani Aguiar pela primeira vez registrada em disco  em sua forma integral), Choro seresteiro (Osvaldo Lacerda), Três duetos modais (Ernst Mahle, alemão naturalizado brasileiro em 1962) e Cantiga e desafio (João Guilherme Ripper), entre outros temas associados ao universo do duo. 
8 horas atrás

Com edições em português e inglês, ‘AOR’ linka Ed a Calcanhotto e a Rita

por Mauro Ferreira
 
 Em pré-venda no iTunes a partir desta terça-feira, 16 de abril de 2013, o 14º título da discografia oficial de Ed Motta, AOR, apresenta 10 músicas inéditas da lavra fina do cantor e compositor carioca. Uma faixa – Mais do que eu sei, parceria de Ed com Dudu Falcão – é exclusiva da edição digital comercializada via iTunes. Neste 11º álbum de estúdio, Ed abre parceria com Adriana Calcanhotto (letrista de Ondas sonoras), apresenta música composta com o mineiro Chico Amaral (Flores da vida real) e se reconecta a Rita Lee, parceira em S.O.S. amor, música que vem a ser a mesma Simple guy, balada que Ed jogou na rede em fevereiro com os versos em inglês escritos por Rob Gallagher (artista britânico mais conhecido como Earl Zinger). É que AOR está sendo lançado simultaneamente em edições em português e em inglês. A edição em português vai estar nas lojas a partir da próxima terça-feira, 23 de abril, pelo selo carioca Lab 344. A edição em inglês está sendo direcionada ao mercado europeu. Contudo, o selo Lab 344 planeja lançar no Brasil, mais tarde, edição dupla com as duas versões do CD AOR, cujo título se refere ao termo norte-­‐americano inventado nas rádios norte-americanas nos anos 70 que pode significar tanto Album Oriented Rock como Adult Oriented Rock. Na linguagem musical de Ed Motta, no entanto, AOR é termo que designa a excelência técnica de gravação do disco – como o cantor explica no texto que escreveu para apresentar o álbum aos formadores de opinião. Eis, na ordem, as 10 músicas autorais de AOR
1. Flores da vida real (Ed Motta e Chico Amaral)
2. S.O.S amor (Ed Motta e Rita Lee)
3. Episódio (Ed Motta e Edna Lopes)
4. Ondas sonoras (Ed Motta e  Adriana Calcanhotto)
5. Marta (Ed Motta e  Edna Lopes)
6. 1978 (Ed Motta e Edna Lopes)
7. Latido (Ed Motta e Dante Spinetta)
8. AOR (Ed Motta)
9. A engrenagem (Ed Motta)
10. Mais do que eu sei (Ed Motta e Dudu Falcão) – faixa-bônus da edição do iTunes
9 horas atrás

Naná celebra Clementina e Airto Moreira no disco autoral ‘4 elementos’

por Mauro Ferreira
 
 Água, ar, fogo e terra guiaram e inspiraram Naná Vasconcelos na pesquisa sonora feita para a criação das dez músicas que formam o repertório autoral de 4 elementos, o álbum de estúdio que o percussionista e compositor pernambucano lança em maio de 2013. Em Astronáfrica, tema em que Naná mistura cordas e percussão, a viagem é intergaláctica. Ao fazer a música, Naná imaginou astronautas africanos dançando nos anéis de Saturno. Em órbita brasileira, o artista celebra Clementina de Jesus (1901 – 1987) – a cantora fluminense com quem Naná trabalhou no Rio de Janeiro (RJ) nos anos 70 – na faixa Clementina. Já Berimbando, tema gravado com solo de berimbau, é homenagem de Naná ao colega catarinense Airto Moreira, baterista e percussionista com visibilidade mundial no circuito do jazz. O disco é independente.