Conhece as cobras de Araçatuba

por Hélio Consolaro
 

 Gosto das pessoas mais simples. Acho que isso em mim se deve à minha trajetória: sempre cheguei à casa grande por meio da senzala. 
O Rui Barbosa da Silva, professor de Educação Física, é um sujeito que eu converso com satisfação, não sinto nele armadilhas. Nunca pedi dele certidão ideológica. É bom e pronto. Quem não presta sou eu.  Nunca conversamos sobre dinheiro ainda. Deve ser isso. Como canta o samba: “Cachorro é melhor amigo do homem porque não conhece dinheiro”.  
Então. Na Lagoa do Miguelão, estávamos conversando sobre cobras, pois o local convidava ao assunto, e ele fez um arrazoado sobre ofídios, apesar de não citar Vital Brasil. Cheguei à conclusão de que ele é o homem que mais conhece cobras em Araçatuba. Não sei se venenosas ou não venenosas,  cegas ou não. Ele é um bom “cobreiro”. 
Como é pai-de-santo, me classifica como povo de Xangô. Outro dia me levou a um terreiro. Afinal, como Secretário Municipal de Cultura, preciso conhecer com mais afinco a africanidade. Não fui fazer despachos, porque faço isso em meu gabinete, mas as cobras não apareceram por lá.    Hélio Consolaro é professor, jornalista, escritor. Membro da Academia Araçatubense de Letras. 

Anúncios