É proibido usar o dinheiro da aposentadoria antes do tempo

por follador
 

Numa palestra, me perguntaram qual o maior erro que um trabalhador pode cometer com relação à sua aposentadoria.

 

Resposta: usá-la antes do tempo.

 

Vou explicar: no Brasil, o trabalhador pode se aposentar por tempo de contribuição- 35 anos, o homem, e 30 a mulher sem exigência de idade mínima.

 

Começou com 18, pode se aposentar com 53 anos de idade pelo INSS, embora o Fator Previdenciário reduza o valor inicial.

 

Ora, ninguém para com essa idade, jovem ainda. Aposenta-se no INSS e continua trabalhando, pois a lei não exige que ele peça demissão ao se aposentar.

 

Com duas rendas- a do salário e a da aposentadoria- muitas vezes dobra a remuneração, melhora o padrão de vida, consome mais e se ilude que vai ser assim para sempre.

 

Lá na frente, 12 anos depois, por exemplo, com 65 anos de idade, decide parar definitivamente. Aí, perde o salário e vai ter que viver só da mísera aposentadoria pelos 20 anos, em média, que ainda terá de vida.

 

Viram que mancada?

 

Por isso, é proibido usar qualquer centavo da aposentadoria do INSS para viver se pensa continuar trabalhando. Aplique-a numa previdência privada, para ter duas aposentadorias quando decidir mesmo parar.

 

E, como diz meu amigo Timóteo Mendes da CBN, quando se aposentar no INSS use até o FGTS para engordar a sua conta na previdência privada. Vai render bem mais.

 

 

 

5 horas atrás

Vão aprovar a desaposentadoria

por follador
 

É possível ganhar na Justiça a desaposentadoria, isto é, renunciar à aposentadoria “original”, cancelando-a e trocando por uma melhor, mais tarde.

Vamos explicar: o trabalhador com 35 anos e a trabalhadora 30 de contribuição podem se aposentar pelo INSS e o fazem muito jovens- em média aos 54 anos. Afobados, pensam só em continuar trabalhando e ganhar em dobro.

Anos depois, cansados, decidem parar de verdade. Aí, sem o salário, vão viver só da mísera aposentadoria, que foi calculada pelo Fator Previdenciário que penaliza quem se aposenta cedo.

Ocorre que o Fator implantou princípios atuariais ao INSS. Correlaciona rigorosamente contribuições com aposentadoria. Cada centavo dela é custeado pelo segurado antes de se aposentar.

Ora, se o aposentado continua trabalhando e contribuindo, haverá um adicional de contribuições. E, se elas não se converterem num plus de aposentadoria, haverá uma apropriação indébita do INSS. Como um imposto não previsto em lei.

Por isso, recalcular e majorar a aposentadoria é justo; e técnicamente correto.

Certo o Senado Federal de aprovar Lei nesse sentido. O fator previdenciário, de vilão do aposentado, pode virar seu justiceiro.

Ah, uma idéia para o governo resolver a briga do Fator e as desaposentadorias daqui para a frente: isente de contribuições aqueles que cumprem as carências e podem se aposentar, mas continuam a trabalhar.

Simples assim.

Anúncios