Escracho made in Argentina

FICHA CORRIDA por Gilmar Crestani
 

 

“Comencé a escrachar al encontrarme en un bar al torturador de mi padre”

Los fundadores de H.I.J.O.S, la organización argentina que inició los señalamientos públicos, explican cómo fue evolucionando esa actividad política

Francisco Peregil Buenos Aires 13 ABR 2013 – 00:01 CET369

ampliar foto

Escrache en Buenos Aires (Argentina), en septiembre de 2000. / INFOSIC

Paula Maroni y Carlos Pisoni trabajan ahora en un edificio de la antigua y tenebrosa Escuela Mecánica de la Armada (ESMA), el mayor centro de tortura y exterminio durante la última dictadura argentina (1976-1983). Ella tiene 36 años y él 35. Pertenecen a la asociación Hijos por la Identidad y la Justicia contra el Olvido y el Silencio (H.I.J.O.S). Sus padres desaparecieron durante la dictadura cuando ellos eran bebés. Cuando tenían 17 y 18 años, en diciembre de 1996, decidieron escrachar a un médico de la ESMA. Sería el primero de una larga lista. Nunca pensaron que aquella actividad, con ese mismo nombre, terminaría llegando a España. Y que sería empleada por ciudadanos que están siendo obligados a salir de sus casas tras el impago de sus créditos bancarios. Convocados por la Plataforma de Afectados por la Hipoteca (PAH), cientos de personas han protestado en las últimas semanas frente a los hogares de varios diputados del Partido Popular. El origen hay que buscarlo entre aquellos adolescentes argentinos.

“Escrachar se usaba siempre en el lunfardo, el lenguaje popular de Buenos Aires”, explica Carlos Pisoni. “Su raíz no está muy clara, pero significa poner en evidencia a alguien. Y al principio fue algo muy espontáneo. Nos enteramos de que Jorge Luis Magnacco, que era un médico que atendía los partos de las mujeres secuestradas en la ESMA, trabajaba como jefe de obstetricia en un hospital de Buenos Aires. Y que vivía muy cerca de ese hospital. En aquella época era imposible aplicar justicia. Estos genocidas vivían con total impunidad, ocupaban puestos de responsabilidad en la sociedad. Así que empezamos arrojando bombitas de pintura roja en sus casas, repartíamos información entre los vecinos y nos íbamos. Temíamos también por nuestra seguridad. A Paula Maroni llegaron a montarla en un coche y darle vueltas por Buenos Aires. Después nos dimos cuenta de que lo importante no era sólo señalarlos, sino que la sociedad los condenara. Que el panadero no le vendiera el pan ni el carnicero la carne”.

 

“Escrachar se usaba en el lenguaje popular de Buenos Aires. Su raíz no está muy clara, pero significa poner en evidencia a alguien”

“Al cabo de un año el trabajo la actividad se hizo más compleja. Hacíamos un trabajo previo de información en los barrios que podía durar unos tres meses”, continúa Paula Maroni. “Citábamos a las organizaciones sociales del barrio y creábamos una mesa del escrache. Ya no se trataba de una acción en sí. No tenía que ver con el hecho fascista que puede suponer decir yo digo que vos sos culpable de algo, voy, te marco y me marcho. Lo nuestro era una construcción política en el tiempo. Llegamos a disfrazarnos de carteros para comprobar que en tal casa vivía quien nosotros creíamos que vivía. Informábamos paso a paso, semana a semana, al barrio. Y el día del escrache era sólo la culminación de un proceso que había culminado mucho antes”, añade Maroni. 
Había unos 200 miembros de Hijos en la capital y 500 en el país. Escracharon a más de 50 personas en Buenos Aires y a una centena en Argentina. ¿Se habría conseguido enjuiciar a muchos militares sin aquellos escraches en los domicilios? “Fuimos un granito de arena muy importante”, explica Carlos Pisoni. “Yo comencé a escrachar cuando me encontré en un bar al que torturó a mi padre. Podía haber optado por partirle una botella en la cabeza, pero pensé que la salida tendría que ser colectiva. Y conseguimos implicar a la sociedad”.

En 2004, tras la llegada de Néstor Kirchner al Gobierno y con la reapertura de los juicios contra los militares entendieron que ya no tenía sentido continuar con los escraches, salvo en casos puntuales. Uno de esos casos concretos fue el del general Jorge Rafael Videla. “Le habíamos hecho un escrache en 1998 y después otra modalidad que le llamamos el escrache móvil. Íbamos en bicicleta, motos y autos, por casas que ya habíamos pasado otras veces”, relata Pisoni. “Pero en 2006 el tenía prisión en su domicilio. Era el símbolo de la dictadura y nos propusimos que fuera a una cárcel común. Logramos que se revocara la prisión domiciliaria”.

“Nuestra aparición revitalizó la lucha que habían iniciado antes las madres y las abuelas de la plaza de Mayo”, señala Maroni. “En ese momento ellas seguían dando vueltas a la plaza todos los jueves sin que la sociedad acompañara esa acción. De pronto empezamos a escrachar y casi toda la sociedad y los medios de comunicación nos apoyaron”. En 2001, cinco años después de los primeros escraches, sobrevino el corralito en Argentina. Millones de personas se vieron privados de acceder a sus ahorros en el banco. “Hubo cientos de escraches”, recuerda Carlos Pisoni. “A empresas, a políticos, a banqueros, a las compañías telefónicas… La gente iba a sus puertas y les rompía los vidrios”. ¿Y qué hicieron ellos? “Lo que hizo el pueblo”, contesta Paula Maroni. Escracharon.

“Después esa práctica se la apropió el pueblo y nosotros ya no tenemos nada que decir sobre cómo cada uno la traduce”. ¿Y qué piensan de los escraches que se están produciendo en España ante las casas de los políticos del Partido Popular”. “Cuando una sociedad busca medidas alternativas es porque hay un contrato social que se ha roto. El escrache es producto de la impunidad y la impunidad tiene mucho que ver con la impotencia”, señala Maroni. ¿Y no se podría limitar el señalamiento público al lugar en que la persona en cuestión desempeña su trabajo? “Les daría igual. Hasta que no tocas el timbre de la casa del tipo no surte efecto el escrache”, contesta Maroni.

El escrache siguió funcionando de forma esporádica en Argentina. Sus defensores y detractores se encuentran por igual dentro y fuera del peronismo y dentro y fuera del Gobierno. Aníbal Fernández, uno de los senadores peronistas más conocidos en Argentina, ha sufrido varios escraches y los ha criticado también cuando se ejercían sobre políticos opositores. “No se puede aceptar que se agreda o se insulte o se escrache, todo este invento nazi que han traído a la Argentina y tiene un comportamiento espantoso, so pretexto de defender una ideología”, declaró en 2009 tras el escrache a un senador de la oposición.

En los escraches más recientes de Argentina las víctimas han sido miembros del Gobierno. En septiembre de 2012 varios manifestantes acudieron con sus cacerolas a la casa del secretario de Estado de Comercio, Guillermo Moreno. Y el pasado febrero, el viceministro de Economía, Axel Kicillof, cerebro de la expropiación de YPF a Repsol, sufrió otro escrache cuando viajaba con su esposa y dos hijos en un buquebús desde Montevideo a Buenos Aires. Kicillof tuvo que ser trasladado junto a su familia a primera clase para evitar el abucheo. “La verdad, fue muy angustiante”, relató su esposa, Soledad Quereilhac. “Yo le pedía a la gente que no fuera irrespetuosa porque estábamos con nuestros hijos de 1 y 4 años”.

 

Sus defensores y detractores en Argentina se encuentran por igual dentro y fuera del peronismo y dentro y fuera del Gobierno

“A Axel nosotros lo conocemos desde que empezó nuestro movimiento. Su grupo universitario participaba en nuestros escraches”, recuerda Pisoni. “Y no estamos de acuerdo con el escrache que sufrió. Sin embargo, estamos de acuerdo con que se vaya a protestar ante las empresas eléctricas cuando se producen cortes de luz porque no invirtieron lo que tenían que invertir”. 
¿Y apoyarían una protesta ante la casa del director de cualquier empresa eléctrica?

“Claro que sí”, contesta Paula Maroni. “El escrache tiene sentido cuando no tenés otra herramienta para obtener un resultado. Si vos le negás al pueblo el canal para encontrar una solución… Tal vez el tipo que se esconde detrás de un escritorio de una empresa privada va a salir a la terraza. Y te puedo asegurar que se le cae la cara de vergüenza delante de sus hijos, de sus vecinos”. 
El escritor y bloguero Jorge Asis suele ser muy crítico con el Gobierno de Cristina Fernández. Pero cuando escracharon a Moreno y Kicillof repudió públicamente el escrache. “Creo que se trata de una expresión neo fascista. Es un acto de cobardía colectiva de señores que necesitan purificarse en la protesta ante cualquiera que mantenga la arbitraria representación del culpable”, indica Asís.

“Acaso por haber sido escrachado yo mismo durante años en presencia, incluso, de mis hijos, en un restaurante o por la calle, pienso que saldría a defender a mis adversarios políticos si los escracharan en mi presencia. Sé que se los intenta comprender por razones que aluden a la impotencia, por la necesidad de descargarse que tiene quien se siente víctima de alguna injusticia. Conozco de memoria los argumentos. Pero la democracia no se hizo para legitimar estos desatinos”, concluye Asís.

Por su parte, Paula Maroni, cree que no existe una vara única para medir o valorar los escraches. “Esto es política, no matemáticas. Y cada persona tiene que hacerse cargo de su opción ideológica”.

“Comencé a escrachar al encontrarme en un bar al torturador de mi padre” | Política | EL PAÍS

Filed under: ArgentinaDitaduraTortura Tagged: Escracho  

4 horas atrás

Dilma promulga Lei Áurea

FICHA CORRIDA por Gilmar Crestani
 

Rousseff con la presidenta de la Federação das Trabalhadoras Domésticas. / AP

Brasil regulariza el trabajo de diez millones de empleadas del hogar

Juan Arias Río de Janeiro 46

Los restaurantes de Brasil ya no obligarán a estas mujeres a ir uniformadas “para no confundirlas con la familia”

Argentina también eleva los derechos de las asistentas

Alejandro Rebossio Buenos Aires 6

Hasta ahora, el millón de trabajadoras domésticas solo estaba amparada por un decreto de una dictadura militar de 1955

EL PAÍS Edición América: el periódico global en español

Filed under: América LatinaDilma Tagged: Domésticas  

4 horas atrás

Capitão-de-mato

FICHA CORRIDA por Gilmar Crestani
 

 

Fiúza prevê a revolta das empreguetes

:

Segundo o colunista do Globo, domésticas irão esfolar seus patrões com os direitos que lhes foram concedidos; o jornalista afirma ainda que o “socialismo chegou à cozinha”; será ele mais um escravocrata?

Fiúza prevê a revolta das empreguetes | Brasil 24/7

Filed under: EnergúmenosImbecilidade Tagged: Ignorância  

4 horas atrás

No último comício de Maduro povo invade ruas de Caracas

BOILERDO por Betho Flávio
 

Chuva de povo colore ruas de Caracas no último comício de Maduro

de comunicasul

Pela primeira vez em mais de uma década, a Venezuela realiza uma eleição sem a presença de Hugo Chávez, falecido no último 5 de março. A ausência do impulsionador da Revolução Bolivariana, no entanto, não diminuiu o entusiasmo popular pelo processo transformador que vive o país. Sete avenidas em Caracas ficaram completamente tomadas de pessoas que, conscientes, declararam, através de Nicolás Maduro, apoio à continuidade da revolução socialista.

Por Vanessa Silva, de Caracas

“Se eu sou revolucionária, meu filho também o é”, Yuleima Reyes/

Foto: Joka Madruga/ComunicaSul

Como um carnaval popular, mães, crianças, pais, trabalhadores, estudantes, jovens e idosos saíram às ruas para celebrar, dançar e fazer política. Desde as primeiras horas da manhã as pessoas começaram a chegar a Caracas para apoiar o candidato da revolução e manifestar seu amor a Chávez. O percurso de quase dois quilômetros da avenida Bolívar não podia ser vencido em menos de duas horas de caminhada. No palco, a presença do argentino Diego Maradona reforçou o caráter internacional desta eleição.

“É a primeira vez na história da revolução bolivariana que chegamos a esta avenida sem ele. Este é o povo de Chávez. O imperialismo e a burguesia parasitária da Venezuela creem que a revolução acabou com a morte do Comandante, que o chavismo acabou”, disse Maduro ao abrir o comício. Nas ruas de Caracas estava a prova de que não acabou: “Chávez somos cada um de nós”, diziam as diversas camisetas vermelhas que coloriam as ruas da capital.

“Todo 11 tem seu 13 e terá seu 14”

O golpe foi um despertar da consciência das pessoas não só na Venezuela, mas a nível mundial.  Um despertar para a Justiça, para o socialismo. Por isso temos que defender nossa revolução. (Luis Antaya, 41 anos, trabalha com artes gráficas);

O ato de encerramento da campanha foi realizado no dia de aniversário do golpe de Estado que tirou Chávez do poder por dois dias em 2002. Na Venezuela há uma expressão conhecida: “todo 11 tem seu 13” porque com a manifestação popular, Chávez voltou nas mãos do povo para o poder e seguiu a transformação do país. Agora, a eleição de Maduro ganha também um significado emblemático porque é a garantia de continuidade do processo iniciado por Chávez em 1998.

O legado de Chávez

A maior conquista de Chávez foi recuperar a pátria, foi conquistar nossa segunda independência . Ele deu valor aos nossos símbolos pátrios. (Wilmer Escalona, 43 anos, trabalha em uma cooperativa em Caracas).

Diferentemente de outros países, as conquistas da revolução estão garantidas pela Constituição aprovada nos primeiros anos do governo de Hugo Chávez. “Esta Constituição é seu maior legado. Ela não caiu do céu, foi convocada pelo comandante, foi eleita pelo povo. É a primeira na história da América e do mundo a ser aprovada pelo voto popular”, lembrou Maduro.

Formação e cidadania

O sonho que Chávez nos deixou ninguém vai tirar. Ele nos deixou uma pátria, uma consciência. Deu cidadania às crianças, aos idosos, às mulheres. Na Venezuela, as mulheres já não estão abaixo dos homens. (Lobelia Escobar, 72 anos, Professora de história).

“Chávez protegeu os desvalidos, entendeu que não pode haver democracia sem povo. Hoje, na Venezuela temos uma democracia mobilizada, uma liberdade absoluta das ideias, do debate, da política”, afirmou Nicolás.

“E de fato estamos mobilizado, e eu vi com meus próprios olhos os mais de sete milhões de venezuelanos nos atos de massa que fizemos em todo o país. Isso significa protagonismo, poder popular. O fato de a oposição vir até a avenida Bolívar, realizar atos em 6, 7 estados, significa o quê? Que isso é uma ditadura, ou uma democracia fortalecida? Significa que isto é uma democracia verdadeira, viva, fortalecida”, ressaltou o candidato.

Integração latino-americana

“Chávez deu um novo sentido para a América Latina e o Caribe. Fundou a Alba [Alternativa Bolivariana para os povos de Nossa América]. Ele é um novo amanhecer para a América Latina, criou a Celac [Comunidade dos Estados Americanos e Caribenhos], a Unasul [União de Nações Sul-americanas]. O povo do mundo tem que se unir para enfrentar o imperialismo. (Lobélia Escobar).

Outra característica do presidente Chávez é que ele “formou o povo para o grande. Quanta coisa fez o comandante pela pátria grande. Ele mudou a história da Venezuela e da América Latina, inaugurou uma época de inclusão, de participação das maiorias excluídas”, afirmou Maduro.

Ele lembrou que no próximo dia 28 de junho, em Montevidéu, já eleito pelo povo, assumirá a presidência pró-tempore do Mercado Comum do Sul (Mercosul), e ressaltou que esta “será uma oportunidade de crescimento para a nação caribenha”, frisou. A Venezuela ingressou no Mercosul como parte das políticas integracionistas de Chávez.

Desestabilização

“Chávez nos deixou a pátria. O futuro é hoje, não é amanhã e por mais que o imperialismo tente, não voltarão! Querem sangue, mas não conseguirão. Estamos alerta e vamos seguir . vamos defender o legado que o presidente nos deixou com nossa própria vida, se preciso” (Lobélia Escobar).

Com a iminência de uma derrota nas urnas, a oposição tem tentado desestabilizar o país, como vem sendo denunciado desde o anúncio da convocação das novas eleições pelo governo venezuelano. Durante o comício, Maduro anunciou que foram capturados na manhã desta quinta-feira “vários militares colombianos com fardas venezuelana. Estavam preparando um ato de desestabilização. Digo ao povo para que estejamos muito alerta com muita fé e confiança porque temos um governo que se respeita e temos um governo unido”, garantiu. 

“Estamos preparados para o que vier. Chamamos à classe trabalhadora, os homens e as mulheres dos bairros. Chamo os grupos populares, coletivos. Alerta máximo. Não caiam em provocações, nos mantenhamos em paz” o ex-chanceler do país alertou para a possibilidade de que o candidato da oposição, Henrique Capriles, reclame fraude eleitoral e não reconheça o resultado das eleições. “Estão se preparando para desconhecer os resultados eleitorais. Eles sabem da verdade. Sabem que Maduro vai ganhar domingo com 10 milhões de votos, com pelo menos 15% de diferença. Isso é o que dizem as pesquisas, é o que diz o povo consciente. Estão seguros da vitória. Eu também”.

“Se este senhorzinho se atrever a desconhecer o resultado e a atender à Constituição, chamo o povo para se converter em massa para derrotar o novo Pedro Carmona”, garantiu Nicolás.

Medidas do novo governo

“Maduro, eleito, deve enfocar na classe trabalhadora. Somos um motor que move o país” (Luis Antaya).

Ao contrário da oposição que não apresenta um plano claro de governo, Maduro afirma que dará continuidade ao Plano da Pátria escrito por Chávez como diretriz do seu governo, distribuído e debatido entre o povo. “Vocês se perguntarão o que farei quando for presidente; eu vos digo. Vou fazer o plano da pátria escrito por Chávez”, disse Maduro, que anunciou os seis projetos de seu governo:

    1. “Vou perseguir a corrupção sem piedade. Com a missão Eficiência ou Nada, declararemos morte à corrupção”. Para isso, irá criar um corpo especial e secreto de investigações;

    2. Faremos as micromissões que irão apoiar a recuperação de alguns objetivos como por exemplo: “se temos um hospital que esteja em más condições, militares começarão a trabalhar para deixá-lo recuperado, organizado internamente, funcionando bem em sua estrutura;

    3. Anunciou a criação do sistema de missões Hugo Chávez “para revisar e fortalecer o sistema socialista de missões. Nossa meta são três milhões de moradias; três milhões de aposentadorias; todos os hospitais recuperados na missão bairro adentro e Mercal (sistema de venda de comida subsidiado pelo governo) em 90% dos bairros”;

    4. No âmbito econômico, ”fortaleceremos a economia com investimentos para gerar emprego e manter o crescimento. Temos que controlar a inflação especulativa e garantir os direitos sociais. Também garantiremos as pensões para os idosos, porque nosso presidente Hugo Chávez deixou as contas do Estado fortalecidas; Acabo de aumentar o salário mínimo em 45% e Capriles diz que vai aumentar 200%. É um irresponsável. Não sabe o que é um salário porque nunca trabalhou”.

    5. Quanto ao gargalo elétrico, afirmou que vai “reestruturar de ponta a ponta o sistema elétrico porque estão nos sabotando de dentro. Com a Grande Missão Eletricidade, eu como presidente vou declarar esta como sendo uma questão de segurança de Estado e iremos militarizar para garantir o serviço. Já temos mais de 30 pessoas presas que estavam sabotando o sistema.

    6. Fortalecimento do poder popular: “uma das tarefas que nos deixou o Comandante é o fortalecimento da comuna, dos conselhos comunais, dos sindicatos classistas, dos conselhos de trabalhadores, do movimento estudantil, juvenil, cultural, artístico, camponês, e do poder popular. E é isso que faremos”.

    7. Anunciou ainda o caráter itinerante de seu governo: “o ônibus da pátria percorrerá todos os estados do país para que o trem executivo se instale em cada entidade por uma semana, com o objetivo de atender diretamente os problemas da população e fazer um levantamento das condições viárias e assim executar um plano de infraestrutura para a área”.

União

Nós todos somos Chávez. Um só não vale nada. Só todos juntos. Nós dois somos chavistas e vamos lutar por nossa revolução. Não conseguirão nos dividir. O que temos aqui é uma união cívico-militar e vamos governar com Maduro, nas ruas” (Lobélia Escobar).

Ressaltando a união, Maduro mandou uma mensagem aos que votaram e votam na oposição: “quero ser o presidente que desperte a consciência dos compatriotas que nos odeiam. Venham para cá para ver como é o amor do povo. Venham para cá. Venham fazer pátria conosco. Convido as famílias de classe média que nos odeiam. Convido com meu coração. Como São Francisco de Assis: onde tiver ódio, permita-me colocar o amor. Serei presidente da República e quero ser seu presidente também. Este burguês [Capriles] não te quer, nunca te quis”.

Vitória

Maduro é um homem humilde, um trabalhador, homem nobre. Será muito importante que um trabalhador chegue ao Miraflores, e não estará sozinho. Temos confiança plena em Maduro. Todos juntos somos Chávez! Todos juntos somos invencíveis e a Revolução é irreversível” (Lobélia Escobar).

“Tudo na vida tem a sua hora. Há momento para viver, para sofrer e há momentos para vencer. Eu declaro aqui, diante de sete avenidas, três milhões de venezuelanos nas ruas, que serei presidente. Mas para isso eu preciso de ajuda. Preciso da ajuda das mulheres da pátria, de todos”, disse Maduro ao pedir que as pessoas saiam cedo para votar no domingo (14).

“Não estou aqui porque sou um ambicioso. Não estou aqui porque represento um grupo internacional vinculado ao imperialismo. Não estou aqui porque tenho cheques da burguesia caraquenha. Jamais pedi nada. Minha única aspiração era ver uma pátria livre e socialista”, se autodefiniu o candidato.

“Juro, ao lado dos meus filhos, mulher e netos, que quando deixar de ser presidente, serei lembrado por vocês como um homem honrado que trabalhou por todos, pela pátria. Juro por ele [Chávez], que não falharei. Que Viva a pátria! Hasta la Victória Siempre!”

4 horas atrás

Maílson, 80% ao mês, critica inflação de Dilma

FICHA CORRIDA por Gilmar Crestani
 

Não, não é cara de pau. Afinal ele ganha uma bufunfa para ensinar economia aos funcionários do Itaú. E como o Itaú é um financiador ideológico dos a$$oCIAdos do Instituto Millenium, cumpre bem o papel pelo qual é bem pago. Idiotas são os que acreditam nele. E como tem idiota!

Maílson, 80% ao mês, critica inflação de Dilma

: Bras�lia-DF 29/06/06 Foto: Jos� Paulo Lacerda
Encontro Nacional da Ind�stria. Terceiro painel. Na foto: Mailson da Nobrega.

É ou não ou cúmulo da cara de pau? O economista Maílson da Nóbrega, que comandou o Ministério da Fazenda no fim do governo Sarney e entregou ao País uma hiperinflação, tem a pachorra de condenar a atual política monetária e criticar a meta de inflação brasileira de 4,5% ao ano, segundo ele, “já em si muito alta”; lobista do sistema financeiro, Maílson pede a combinação de recessão, desemprego e juros altos; o incrível é que este personagem tenha espaço para comentar a economia com ares de guru

Maílson, 80% ao mês, critica inflação de Dilma | Brasil 24/7

Filed under: Mailson da Nóbrega Tagged: Inflação  

4 horas atrás

São Sebastião, SP: Sindipetro-LP exige que Petrobrás crie Comisão para investigar lentidão na resposta ao vazamento

RACISMO por racismoambiental
 

Foto de Reginaldo Pupo, da Agência Facto, tirada na sexta-feira, 07/04/13, em Cigarras

Essa não é a primeira vez que a empresa amarga uma multa milionária por sua política de insegurança. Mesmo assim, seguindo a lógica de qualquer outra empresa multinacional, a Petrobrás parece considerar tais multas um risco que vale a pena ser corrido. Afinal, quantas irregularidades não são aplicadas impunemente?

Sindipetro-LP

Acompanhando de perto os desdobramentos do vazamento ocorrido no Tebar, em São Sebastião, no último fim de semana, o Sindipetro-LP exige da empresa uma investigação apurada não apenas das causas do acidente, mas também da lentidão que marcou o combate à emergência.

Para isso, os dirigentes defendem como prioridade a criação de uma comissão de investigação com a participação do Sindicato. A tarefa deste grupo seria colher informações minuciosas sobre as possíveis causas da demora que marcou as operações pós-vazamento.

O Sindicato cobra, por exemplo, informações sobre a atuação do navio Rebelo XV, que navega em plantão 24 horas no canal de São Sebastião para atuar em caso de derramamento de óleo no terminal. Outro levantamento cobrado pela entidade recai sobre a atuação do Centro de Resposta a Emergências, o CRE. Enfim, existem muitas perguntas sem respostas. A criação desta comissão cumpriria, justamente, a tarefa de dar resposta aos questionamentos elencados acima.

É preciso aumentar o quadro mínimo!

Uma antiga reivindicação dos trabalhadores, baseada inclusive em relatórios técnicos, ganha ainda mais força e urgência com o vazamento ocorrido no último fim de semana: o aumento do efetivo da unidade. A redução dos quadros mínimos dos terminais e refinarias da Petrobrás tem colocado em risco a segurança dos trabalhadores, da população e do meio ambiente.

No ano passado, ainda em 5 de novembro, o Sindicato havia relatado sua preocupação quanto ao efetivo da unidade em reunião na sede da Transpetro, no Rio de Janeiro. Neste sentido, reforçamos a necessidade do 5º homem nos píeres, medida plenamente possível que garantiria uma rotina de trabalho mais segura, além da inclusão dos técnicos de segurança no turno.

Programação

Um gargalo do Tebar exposto pelo vazamento é a programação de carga e descarga de produtos no terminal. A linha 22, onde houve o acidente, estava parada desde o dia 22 de março. A partir de então, a companhia – desde a matriz, no Rio de Janeiro, até as demais instâncias – passou a pressionar a unidade, e por consequência a força de trabalho, para que a colocasse em operação o mais rápido possível. Entretanto, com o efetivo de trabalhadores reduzido e a limitação de 40 horas extras mensais para cada trabalhador, a linha voltou a funcionar apenas no dia 5 de abril. E neste mesmo dia houve o vazamento.

Evidentemente, o sindicato defende a redução de horas extras dos trabalhadores, pois a necessidade do aumento na jornada de trabalho, já exaustiva, demonstra que há uma carga excessiva de tarefas. Entretanto, é um absurdo a empresa limitar o número de horas extras sem, em contrapartida, aumentar o número de petroleiros na unidade. Por isso, ou a empresa atende a nossa reivindicação pelo aumento do número de trabalhadores, ou ela toma uma medida paliativa, que seria o fim do limite das 40 horas mensais para hora extra.

Uma prova de que o número reduzido de trabalhadores, com limitação de horas extras, implica em insegurança é justamente a programação citada acima. Se houvesse mais trabalhadores à disposição, o prazo de entrega da linha poderia ter sido menor, desafogando a fila de navios que se formou no terminal. Não é possível trabalhar com segurança sob pressão e com uma dezena de navios “à porta” do terminal.

Para se ter uma ideia, cinco navios que haviam chegado na unidade cancelaram o abastecimento, seis navios estavam fundeados e dois navios estavam atracados, aguardando abastecimento de bunker (Marine Fuel 380). E isso no maior terminal aquaviário da America Latina!

Nesta terça-feira, foi anunciada uma multa de R$ 10 milhões, aplicada pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), e outra de R$ 50 mil, pela prefeitura de São Sebastião. Essa não é a primeira vez que a empresa amarga uma multa milionária por sua política de insegurança. Mesmo assim, seguindo a lógica de qualquer outra empresa multinacional, a Petrobrás parece considerar tais multas um risco que vale a pena ser corrido. Afinal, quantas irregularidades não são aplicadas impunemente?

Memória

Em novembro de 2000, portanto quase 13 anos atrás, o Tebar sofreu um vazamento que tem uma particularidade semelhante ao acidente ocorrido neste fim de semana: informações subestimadas sobre o volume de óleo derramado. Na época, a empresa havia divulgado um derramamento de 86 mil litros. Depois, com base em documentos internos do Tebar – obtidos pela Folha de S. Paulo – foi revelado que, na verdade, o vazamento era bem maior: 424.750 litros.

Neste caso, ainda não foi informado o volume exato de óleo derramado, mas uma informação preliminar repassada pela companhia dava conta de apenas 80 litros. Um número absurdamente pequeno perto da enorme operação montada para conter a mancha de óleo nas praias de São Sebastião e Caraguatatuba. Mais uma vez, apelamos para a empresa não reduzir a política de responsabilidade social e de respeito ao meio ambiente apenas aos discursos, mas sim à prática. Se não fosse trágico, seria mesmo irônico relembrar o discurso de “vazamento zero” de Graça Foster.

Por fim, sugerimos à presidente Graça Foster e aos idealizadores do Procop (Programa de Otimização de Custos Operacionais) que avaliem os reais benefícios de uma política que até agora tem reduzido gastos à custa de algo que para nós é inegociável: a segurança dos trabalhadores, das unidades e a preservação do meio ambiente.

Ademir Parrela comenta o vazamento de óleo no Tebar

Ademir Parrela comenta o vazamento de óleo no Tebar from SindipetroLP on Vimeo.

4 horas atrás

Lobos, galinhas e galinheiro: omni potentia gentis!

DE OLHO NO DISCURSO por Daniel Dantas Lemos
 
  Gilberto: no TCE um homem de confiança do clã Rosado

Por Wellington Duarte No blog Velho Ranzinza

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RN) é o órgão FISCALIZADOR de todas entidades da administração direta e indireta do estado, isso inclui estado e municípios. Logicamente que essa função o torna um símbolo que DEVERIA merecer o respeito da sociedade. Ocorre que a FORMA de como se estrutura esse órgão faz com que boa parte da sociedade o ignore e boa parte o encare de forma vesga.
Há mais de 18 meses que uma vaga desse tribunal estava vaga. Vaga essa que deveria ser preenchida por um indicado do governador. As razões para essa demora são desconhecidas por nós, pobres cidadãos de segunda classe, condenados a ser o “povo”, uma categoria indefinível que vive sob a “proteção” dos clãs que nos governam.
Finalmente a gestora resolveu indicar um nome para a vaga de Alcimar Torquato, o que se retirou da sua condição de conselheiro devido a idade. Foi um conhecedor da administração pública? Um estudioso dos problemas orçamentários? Um especialista em contabilidade pública? Não. A nobre governadora indicou um geólogo.
Trata-se do senhor Gilberto Jales, cujo grande mérito, para essa indicação, é ser um fiel seguidor do clã Rosado. Seu currículo impressiona. Durante dez longos anos foi secretário de Agricultura de Mossoró, cuja produção agrícola tem significativo peso no componente do PIB potguar (sic), sendo seis servindo a Rosalba e quatro a “Fafá” Rosado. É filho do ex-deputado Manoel Mário, homem de confiança do chefe de Gabinete, Carlos Augusto Rosado, o chefe do clã Rosado e segundo os venenosos de plantão, o verdadeiro governante das terras de Felipe Camarão.
Em fins de 2010 Gilberto foi nomeado secretário de Assuntos Fundiários e Apoio à Reforma Agrária (SEARA). No ano seguinte, depois do rompimento do vice Robinson Faria (PSD) com Rosalba, lá foi o fiel Gilberto assumir a pasta de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH) que Robinson ocupava. E agora, como prêmio pela fidelidade, é indicado pela governadora para o cargo de conselheiro do TCE-RN, onde irá juntar-se a mais sete colegas, parte deles com dna dos clãs dirigentes.
Os fuxiqueiros maldizentes já se apressaram a alfinetar a nomeação de um geólogo, cujo grande mérito é o de ser fiel ao clã Rosado, o que revela uma insensibilidade dessa ralé, já que o TCE-RN pode, em algum momento, versar sobre obras de recursos hídricos e ai o nobre Gilberto pode, enfim, mostrar sua competência.
E viva o RN e seus clãs do passado, que governam o presente e nos faz imaginar num futuro nada grandioso 

4 horas atrás

Dirceu: Fux me assediou moralmente !

SARAIVA por noreply@blogger.com (SARAIVA13)
 

  Enviada por: Nogueira Junior 20:200 Comentários * Vídeo   Do Blog BRASIL! BRASIL! 
4 horas atrás

A diferença entre a atitude de Dirceu e a de Fux no famoso encontro

SARAIVA por noreply@blogger.com (SARAIVA13)
 
Dirceu agiu em autodefesa e Fux foi levado por uma vaidade desumana, e isso torna seu gesto moralmente inaceitável.

Quem no lugar de Dirceu não teria feito o que ele fez?
Quem no lugar de Dirceu não teria feito o que ele fez?

Chega-se à verdade por vários caminhos, e nem sempre eles são os mais bonitos. Mas isso não tira a importância deles. Uma paisagem feia pode levar a um belo destino. É o caso das revelações de José Dirceu sobre seu encontro com o ministro Luiz Fux. Elas permitiram aos brasileiros saber como funcionam as coisas na hora de escolher alguém para o Supremo, e este conhecimento será a base das pressões que levarão a mudanças. Você pode dizer, e não sem razão: se ele topou o encontro é porque gostaria de saber como Fux se comportaria no julgamento de extraordinária relevância de que ele, Dirceu, seria réu. Você diz isso, ou poderia dizer,  embora provavelmente fizesse o mesmo nas circunstâncias em que estava Dirceu. Dentro do lamentável e nada transparente sistema de indicação para o Supremo que vigora no Brasil, não existe impedimento legal nenhum para isso. E o risco de passar alguns anos na cadeia – sobretudo se você se julga inocente, e sabe que a mídia vai fazer de tudo para enjaulá-lo – pode levar você a fazer o que Dirceu fez. A atitude de Dirceu  em receber Fux – a não ser que sejamos maciçamente hipócritas ou antipetistas radicais – é moralmente defensável. Chama-se autodefesa. A de Fux não. Ela é moralmente indefensável. É fruto de uma ambição desumana, de uma vaidade sem limites e de uma ética frouxa, vacilante, tíbia que não se pode aceitar num juiz do Supremo. Fux tem que ser expurgado do STF. Enquanto ele permanecer lá, os brasileiros, com razão, estenderão ao todo os defeitos da parte. Feita a limpeza urgente,  a sociedade tem que cobrar uma alteração imediata nos métodos de nomeação no Supremo. Transparência, transparência e ainda transparência. Isso já deveria estar no debate público quando se soube que a principal razão pela qual Lula indicou Joaquim Barbosa foi o fato de ele ser negro. (Sem contar a forma como JB abordou Frei Betto para se insinuar entre os candidatos à vaga que Lula – ou para afirmar os negros ou por demagogia, cada qual fique com sua escolha – reservara não ao talento mas à cor da pele.) Mas o urgente agora é tratar de Fux. Ele não pode continuar onde está. Não é apenas o pastor Feliciano que está absurdamente agarrado a uma posição para a qual é uma extravagância intolerável. Fux se tornou o Feliciano do Supremo. 
Postado por zcarlos ferreiraàs 20:30Nenhum comentário:  Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut Marcadores: Luiz FuxSTFZéDirceu   Do Blog COM TEXTO LIVRE

4 horas atrás

Direita mundial se reúne na Argentina.

BOILERDO por Betho Flávio
 

As presenças do escritor peruano-espanhol Mario Vargas Llosa e do ex-premier da Espanha José María Aznard, numa reunião da direita mundial, que se realiza na cidade de Rosário, reduto dos ruralistas na Argentina, foram ofuscadas pelo comparecimento maciço dos donos da mídia venezuelana que perpetraram o golpe de Estado contra Hugo Chávez, em 2002. Lá estavam, entre outros, Marcel Granier, proprietário da ex-RCTV e o diretor do jornal El Nacional, Miguel Henrique Otero. Outros donos de jornais e televisão, inclusive do Brasil, também participam dos debates.

 
A reunião tinha como estrela principal a blogueira cubana Yoani Sánchez, que não compareceu, levantando mistério em torno de seu paradeiro, já que sumiu do noticiário depois de sua estrepitosa visita ao Brasil, em março último. Yoani também cancelou um encontro que teria no último dia 9, terça-feira, em Porto Alegre. Organizado pelas principais fundações dos Estados Unidos e Espanha, a reunião, que ocorre às vésperas da eleição do sucessor de Chávez (domingo, dia 16), o encontro tem como foco se contrapor aos governos progressistas da região, sobretudo ao da presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, transformada no alvo principal das investidas midiáticas, depois da morte do líder bolivariano.

O jornal La Jornada do México anotou “não ser casual a presença de Marcel Granier, presidente da RCTV, a cadeia venezuelana que desencadeou o golpe contra Chávez, entre outros atos. Agora, (os participantes) juntam sua condenação ao projeto de democratização da justiça argentina, que tem “horrorizado”Vargas Llosa, este se referindo sempre a uma reviravolta em direção ao “totalitarismo de esquerda” da presidenta Fernanda de Kirchner.

A reunião ainda trataria do lançamento de um Partido Popular latino-americano com fundamentos doutrinários no “direitista e franquista Partido Popular da Espanha”, como assinala o jornal mexicano, em matéria asssinada pela correspondente Stella Calloni, que ainda informa: “Os discursos giram em torno de insultantes considerações sobre o falecido presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e dos governantes Evo Morales, da Bolívia, Rafael Correa, do Equador, e da presidenta argentina Cristina Fernandes de Kirchner, que foi atacada por Vargas Llosa e outros que preconizam que o governo dela propõe uma “ditadura de esquerda”. 


Evidentemente que Aznar não faz referência à dramática situação de seu país e seu partido baixo severas investigações por corrupção e outros delitos”. Por fim,
La Jornada fala do promotor da reunião, a Fundación Libertad, financiada pelos ruralistas argentinos, instituição que também comemora seus 25 anos de existência: “A Fudnación Libertad (FL), que tem sua sede principal em Rosário, cidade estratégica como polo de recursos alimentares, está ligada estreitamente à Fundación Heritage, à Agência Internacional para o Desenvolvimento dos Estados Unidos (USAID), a National Endowment Foundation (NED), que se traduz para a região como Fundação para o Desenvolvimento da Democracia, mesmo tendo participado de todos os golpes de Estado (fracassados ou não), como vem sendo demonstrado em vários países da América Latina, especialmente na Venezuela e na Bolívia”. Veja ainda: Notícia do La Jornada
Via Cafe na política »

4 horas atrás

Com dinheiro público!?

FICHA CORRIDA por Gilmar Crestani
 

Um assessor do STF pode biografar Barbosa?

:

Contratado como secretário de Comunicação do Supremo Tribunal Federal, o jornalista Wellington Geraldo Silva irá escrever a história oficial de Joaquim Barbosa, segundo revelou Ancelmo Gois, em sua coluna no Globo. Ocorre que, no julgamento da Ação Penal 470, o então relator Barbosa tentou condenar João Paulo Cunha numa segunda ação de peculato, alegando que o ex-assessor de imprensa da Câmara dos Deputados, Luís Costa Pinto, era utilizado com fins pessoais. E agora: é diferente?

13 de Abril de 2013 às 06:17

247 – Vingador e vingativo, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, se vê com uma espécie de espada do mundo, sempre pronto a cortar cabeças em seu furor moralista. Aliás, esta é a imagem que boa parte da imprensa construiu a seu respeito. As grosserias e agressões em série contra colegas de magistratura, jornalistas e advogados seriam apenas, como diz o Globo, parte de seu estilo “assertivo”.

No julgamento da Ação Penal 470, o Brasil inteiro pôde assistir ao espetáculo que o consagrou. Num dos capítulos, Joaquim Barbosa tentou condenar João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, numa segunda ação de peculato. Dizia o relator que a contratação da empresa Idéias, Fatos e Texto, do jornalista Luís Costa Pinto, visava apenas à promoção pessoal do próprio João Paulo Cunha. Segundo Barbosa, houve, inclusive, dolo na contratação da IFT, mas, neste ponto, foi voto vencido. Os demais ministros entenderam que o ex-assessor da Câmara prestou serviços à própria Câmara dos Deputados – e não a seu presidente.

Nesta sexta, no entanto, o jornalista Ancelmo Gois faz uma revelação que poderia ser constrangedora para o presidente do STF, se o Globo, que lhe concedeu o prêmio “Faz Diferença”, não estivesse tão casado com suas posições. Diz Ancelmo que o assessor de imprensa da presidência do Supremo Tribunal Federal, o jornalista Wellington Geraldo Silva, irá escrever a biografia oficial do chefe. Leia abaixo:

Joaquim, a biografia

Escrita pelo coleguinha Wellington Geraldo Silva, atual secretário de Comunicação do STF, vem aí uma biografia de Joaquim Barbosa.

Há cinco editoras interessadas.

Se o caso fosse levado ao Joaquim Barbosa que atuou na Ação Penal 470, ele, provavelmente, enxergaria algum desvio de função ou a utilização de um recurso do Supremo Tribunal Federal, pago por todos os contribuintes brasileiros, para a promoção pessoal do seu presidente. Procurada pelo 247, a assessoria de imprensa do Supremo não se manifestou a respeito até a publicação desta matéria. Wellington, por sua vez, disse que trataria do caso apenas em seu horário de almoço por se tratar de uma questão particular – não relacionada aos assuntos do STF.

O secretário de Comunicação, que fez questão de registrar que estava ligando de seu celular particular, entrou em contato com o 247 no intervalo do almoço e afirmou que ainda “não existe livro”, trata-se de um projeto pessoal que ele pretende tocar quando, um dia, deixar seu cargo no Supremo – disse não ter planos de quando isso irá acontecer. “Não comecei a escrever. Farei no dia em que eu não estiver mais aqui”, declarou.

“Eu tenho um projeto de biografia que será executado quando eu sair do Supremo. Um projeto de fazer um livro, como qualquer jornalista”, disse. Segundo ele, o assunto sequer tem sido conversado com Joaquim Barbosa. Wellington confirmou já ter sido procurado por algumas editoras, que querem mais detalhes do projeto, mas afirmou não ter contrato com nenhuma delas.

O assessor disse ainda que até poderia dedicar suas horas vagas – madrugas e finais de semana, como citou – para escrever a biografia. “Cada um usa o tempo livre como pode, nada me impede de escrever um livro”, afirmou. Mas garante que não fará isso, pois “trabalha muito”. Wellington disse chegar diariamente às 9h30 no STF e deixar o local às 21h. Ele não quis comentar a comparação com o assessor do deputado João Paulo Cunha.

Um assessor do STF pode biografar Barbosa? | Brasil 24/7

Filed under: Joaquim BarbosaSTF Tagged: Arrogância