Ele (o JB) acha que a defesa fará como ele que NÃO LEU…

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 
 

Ele (o JB) acha que a defesa fará como ele que NÃO LEU, apenas imaginou, pois os documentos da própria AP 470 desmascaram a tese ALUCINÓGENA do desvio (que não houve) de R$ “público” (que SEMPRE foi da multinacional Visanet). 
Joaquim Barbosa sobre a publicação do acórdão: “A minha preocupação número um em relação a esse processo é publicar. Não foi publicado ainda porque é muito grande e os serviços do tribunal não têm a agilidade para, de um dia para o outro, publicar isso”, disse o ministro nesta quinta-feira (11/4), acrescentando que não sabe o número de páginas do documento.” 
http://www.facebook.com/alexandrecesar.costateixeira 
http://ultimainstancia.uol.com.br/especialmensalao/para-barbosa-prioridade-agora-e-publicar-acordao-do-mensalao/?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Informativo_UI_12_04_13

2 horas atrás

UM ASSESSOR DO STF PODE BIOGRAFAR BARBOSA? Pelo coleguinha pode…

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 
 

Contratado como secretário de Comunicação do Supremo Tribunal Federal, o jornalista Wellington Geraldo Silva irá escrever a história oficial de Joaquim Barbosa, segundo revelou Ancelmo Gois, em sua coluna no Globo. Ocorre que, no julgamento da Ação Penal 470, o então relator Barbosa tentou condenar João Paulo Cunha numa segunda ação de peculato, alegando que o ex-assessor de imprensa da Câmara dos Deputados, Luís Costa Pinto, era utilizado com fins pessoais. E agora: é diferente? 
247 – Vingador e vingativo, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, se vê com uma espécie de espada do mundo, sempre pronto a cortar cabeças em seu furor moralista. Aliás, esta é a imagem que boa parte da imprensa construiu a seu respeito. As grosserias e agressões em série contra colegas de magistratura, jornalistas e advogados seriam apenas, como diz o Globo, parte de seu estilo “assertivo”. 
No julgamento da Ação Penal 470, o Brasil inteiro pôde assistir ao espetáculo que o consagrou. Num dos capítulos, Joaquim Barbosa tentou condenar João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, numa segunda ação de peculato. Dizia o relator que a contratação da empresa Idéias, Fatos e Texto, do jornalista Luís Costa Pinto, visava apenas à promoção pessoal do próprio João Paulo Cunha. Segundo Barbosa, houve, inclusive, dolo na contratação da IFT, mas, neste ponto, foi voto vencido. Os demais ministros entenderam que o ex-assessor da Câmara prestou serviços à própria Câmara dos Deputados – e não a seu presidente. 
Nesta sexta, no entanto, o jornalista Ancelmo Gois faz uma revelação que poderia ser constrangedora para o presidente do STF, se o Globo, que lhe concedeu o prêmio “Faz Diferença”, não estivesse tão casado com suas posições. Diz Ancelmo que o assessor de imprensa da presidência do Supremo Tribunal Federal, o jornalista Wellington Geraldo Silva, irá escrever a biografia oficial do chefe. Leia abaixo: 
Joaquim, a biografia 
Escrita pelo coleguinha Wellington Geraldo Silva, atual secretário de Comunicação do STF, vem aí uma biografia de Joaquim Barbosa. 
Há cinco editoras interessadas. 
Se o caso fosse levado ao Joaquim Barbosa que atuou na Ação Penal 470, ele, provavelmente, enxergaria algum desvio de função ou a utilização de um recurso do Supremo Tribunal Federal, pago por todos os contribuintes brasileiros, para a promoção pessoal do seu presidente. Procurada pelo 247, a assessoria de imprensa do Supremo não se manifestou a respeito até a publicação desta matéria. Wellington, por sua vez, disse que trataria do caso apenas em seu horário de almoço por se tratar de uma questão particular – não relacionada aos assuntos do STF. 
O secretário de Comunicação, que fez questão de registrar que estava ligando de seu celular particular, entrou em contato com o 247 no intervalo do almoço e afirmou que ainda “não existe livro”, trata-se de um projeto pessoal que ele pretende tocar quando, um dia, deixar seu cargo no Supremo – disse não ter planos de quando isso irá acontecer. “Não comecei a escrever. Farei no dia em que eu não estiver mais aqui”, declarou. 
“Eu tenho um projeto de biografia que será executado quando eu sair do Supremo. Um projeto de fazer um livro, como qualquer jornalista”, disse. Segundo ele, o assunto sequer tem sido conversado com Joaquim Barbosa. Wellington confirmou já ter sido procurado por algumas editoras, que querem mais detalhes do projeto, mas afirmou não ter contrato com nenhuma delas. 
O assessor disse ainda que até poderia dedicar suas horas vagas – madrugas e finais de semana, como citou – para escrever a biografia. “Cada um usa o tempo livre como pode, nada me impede de escrever um livro”, afirmou. Mas garante que não fará isso, pois “trabalha muito”. Wellington disse chegar diariamente às 9h30 no STF e deixar o local às 21h. Ele não quis comentar a comparação com o assessor do deputado João Paulo Cunha.http://www.brasil247.com/pt/247/poder/98753/Um-assessor-do-STF-pode-biografar-Barbosa-assessor-STF-pode-biografar-Barbosa.htm

2 horas atrás

Ministro Luiz Fux cancela jantar bancado por advogado

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 

 
MÔNICA BERGAMO
COLUNISTA DA FOLHA
MARCO ANTÔNIO MARTINS
DO RIO O ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), pediu ontem ao advogado Sergio Bermudes que ele cancelasse o jantar que estava preparando para o magistrado. O organizador da festa, marcada para o dia 26, queria reunir políticos e a cúpula do judiciário nacional e do Rio de Janeiro em seu apartamento de 800 metros quadrados, na zona sul do Rio. O evento celebraria os 60 anos de Fux. 

SCO/STF e Folhapress
Ministro Luiz Fux e advogado Sergio Bermudes
Ministro Luiz Fux e advogado Sergio Bermudes

“Estamos cancelando a pedido do ministro”, disse Bermudes na noite de ontem. Segundo relato do advogado, Fux informou que sua mãe, Lucy, de 78 anos, teve uma crise de hipertensão com a repercussão negativa da celebração, o que teria preocupado o ministro. A divulgação do jantar pela Folha causou constrangimento no Supremo. Nos bastidores, ministros criticaram a festa, para a qual foram disparados 300 convites. Além de ser bancada pelo advogado, ela ocorreria pouco depois de o presidente da Corte, Joaquim Barbosa, ter criticado o que considera “conluio” entre juízes e advogados no Brasil. Coincidiria também com o julgamento dos recursos apresentados pelos réus do mensalão, que tentam reduzir suas penas. Além de todos os ministros do Supremo, Bermudes chamou para o evento todos os integrantes do Superior Tribunal de Justiça, os 180 desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio, o prefeito da cidade, Eduardo Paes, e o governador Sérgio Cabral. O mal-estar foi agravado pela informação de que a filha do ministro, Marianna Fux, é candidata a desembargadora do TJ do Rio. Na festa, ela teria a oportunidade de circular entre potenciais eleitores, já que cabe aos desembargadores do TJ, convidados para a celebração, escolher, a partir de uma lista sextupla da OAB-RJ, os três nomes que serão apresentados ao governador Cabral. O governador então escolhe o novo desembargador. Cabral negou ontem ter recebido o convite para o jantar. Ele também disse não ter conhecimento de articulação em prol da escolha da filha do ministro. “Nunca ouvi falar disso. A mim nunca chegou esse assunto. Agora, que ela é uma advogada brilhante e respeitada, ela é.” Antes da desistência de Fux, Bermudes havia defendido a realização do evento sob o argumento de que Fux nunca julgou ação em que atua como advogado, informação reiterada pelo gabinete do ministro. “Sempre fomos muito amigos. É uma amizade de 40 anos que começou quando ambos éramos professores. Fui orientador dele e o ministro Fux sempre se julga impedido de atuar nas ações assinadas por mim ou por sua filha”. Marianna Fux, 32, trabalha no escritório do advogado. Colaboraram CRISTINA GRILLO e ITALO NOGUEIRA, do Rio, e FELIPE SELIGMAN, de Brasília http://www1.folha.uol.com.br/poder/1262098-ministro-luiz-fux-cancela-jantar-bancado-por-advogado.shtml

2 horas atrás

Governador dá cumprimento a ordem do Tribunal de Justiça e reempossa o delegado de polícia Marcelo Luis Alves de Freitas reintegrado por meio de mandado de segurança impetrado e sustentado oralmente pela advogada Tania Lis Tizzoni Nogueira…( Os argumentos oralmente sustentados alteraram o convencimento do Relator modificando o desfecho da causa e o futuro do Delegado )

FLIT PARALISANTE por Flit Paralisante
 

Atos do Governador

 

Reintegrando  em cumprimento ao acórdão proferido

pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de

São Paulo, nos autos do Mandado de Segurança 0093948-

16.2011.8.26.0000, ao serviço público Marcelo Luis Alves de

Freitas, RG 21.230.873, no cargo de Delegado de Polícia de 3ª

Classe, Padrão I, da EV da LC 731-93, do Quadro da Secretaria

da Segurança Pública, em vaga decorrente da aposentadoria de

José Geraldo de Moura.

feliz-felicidade

 

4 horas atrás

SETE ADVOGADOS PEDEM MAIS TEMPO A BARBOSA NA AP 470

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 
 

O Agravo Regimental é assinado, entre outros, pelos advogados Márcio Thomaz Bastos, José Luís Oliveira Lima e Alberto Toron; eles insistem que o presidente do Supremo leve o pedido a julgamento pelo plenário do tribunal; até agora, contudo, Barbosa não submeteu nenhum dos pedidos por mais prazo à apreciação do colegiado 
Do Conjur – Sete dos 25 réus condenados na Ação Penal 470, o processo do mensalão, entraram com novo pedido no Supremo Tribunal Federal em que requerem o acesso ao inteiro teor dos votos escritos dos ministros antes da publicação do acórdão, que está prevista para a próxima semana. Eles reclamam ao presidente do Supremo, ministro Joaquim Barbosa, que leve o pedido ao Plenário e reconsidere sua decisão anterior: “A reconsideração da decisão agravada manifestaria grandeza. Por meio dela, o processo não ostentaria uma mancha historicamente indelével”. 
Joaquim Barbosa já negou por três vezes o pedido de réus para que seus advogados tenham acesso aos votos já liberados pelos ministros antes da publicação do acórdão. O argumento dos advogados é o de que é humanamente impossível apresentar os recursos cabíveis em um prazo de cinco dias, quando os ministros levaram mais de três meses apenas para fazer a revisão de seus votos. 
Os réus requerem que o presidente do Supremo “se abstenha de praticar qualquer ato processual que prejudique o pleno exercício de ampla defesa técnica”. O pedido é feito por José Roberto Salgado, Kátia Rabello, Delúbio Soares, José Dirceu, João Paulo Cunha, José Genoino e Vinícius Samarane. 
O texto da petição é forte. Os advogados dos réus sustentam que não pedem a extensão do prazo de recurso contra a lei, nem mesmo querem o mesmo tratamento privilegiado que o Ministério Público teve no processo: “Não postulam, contra legem, a dilação do prazo recursal. Não reclamam o mesmo tratamento privilegiado dado à acusação quando se lhe quintuplicou o tempo de sustentação oral. Não pretendem seja aberta uma nova exceção, ainda que justificável”. 
O que pedem é que o “texto excepcionalmente longo” do acórdão esteja disponível em prazo razoável antes da publicação. O que se requer, segundo os réus, é a possibilidade de fazer uma defesa técnica, “contra abuso que nega todos os meios e recursos a ela inerentes”. 
O pedido, um Agravo Regimental, é assinado pelos advogados Márcio Thomaz Bastos, José Carlos Dias, Arnaldo Malheiros Filho, Celso Sanchez Vilardi, José Luís Oliveira Lima, Alberto Toron, Luís Fernando Pacheco, Maurício de Oliveira Campos Júnior e Maíra Beauchamp Salomi. Eles insistem que o presidente o leve a julgamento pelo Plenário do Supremo na primeira oportunidade. Até agora, Barbosa não submeteu nenhum dos pedidos à apreciação do colegiado. 
Os advogados ainda se referem a uma brincadeira que o ministro aposentado Cezar Peluso fez, de que era impossível ler todo um voto, ainda que em ritmo de locutor de jóquei. “Trabalhando 24 horas por dia, nos cinco dias do prazo, talvez alcançasse a prodigiosa velocidade de 83 páginas por hora de locução. Sem contar o tempo necessário para a redação do recurso”, calculam. 
E continuam: “Embora tenha muito de aleatório, o processo judicial não é uma corrida de cavalos. Trata-se, antes, de instrumento racional de realização da Justiça”. http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/98803/Sete-advogados-pedem-mais-tempo-a-Barbosa-na-AP-470-Sete-advogados-pedem-mais-tempo-Barbosa-AP-470.htm

4 horas atrás

Negação do princípio da razoabilidade nos prazos para a defesa dos réus da AP 470 – Só mais um dos muitos ERROS do Joaquim!

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 
Xeque – Marcelo Bancalero 
Excelente artigo de Helena Sthephanowitz, fala do mais recente de muitos ERROS cometidos pelo STF… A negação do princípio da razoabilidade nos prazos para a defesa dos réus da AP 470. Entre outras coisas, como negação do direito a ampla defesa, transformar dinheiro privado em público, acusar um desvio que o próprio dono do dinheiro negou, inventar um crime e por ai vai… Agora, tentam de tudo para sabotar as medidas que a defesa possa utilizar-se. Joaquim Barbosa marca viagem para Costa Rica para tentar impedir que recursos sejam aceitos, ministros apagam suas falas dos votos, videos da internet, e agora mais essa… Negar o tempo necessário para que os advogados possam verificar o processo de maneira a poderem trabalhar na defesa de seus clientes… Por que? Que medo é esse? Se o ministro Joaquim Barbosa acredita realmente que o julgamento foi justo, por que tem tanto medo de que as coisas possam mudar? Por que impedir o direito à defesa? Seria medo das verdades que todo mundo já conheceu através da blogosfera, revista Retrato do Brasil, e livro do Paulo Moreira Leite? Leiam o artigo 
Mensalão: novas provas aparecem, mas não contra os réus Tags: mensalãoblog da helena 
Por: Helena Sthephanowitz, especial para a Rede Brasil Atual A cada dia aparecem indícios de que o julgamento do “mensalão” (AP-470) foi político, de exceção. O primeiro deles foi o calendário coincidir com a campanha eleitoral.O segundo foi o não desmembramento, julgando até a “mequetrefe” Geiza Dias na Suprema Corte, tudo para dar grandiloquência e chamar de julgamento do século. A terceira prova de que foi um processo político, foi condenar sem provas e, pior, ignorando todas as provas de inocência apresentadas pelas defesas. Agora vem a negação do princípio da razoabilidade nos prazos para a defesa. Se o STF não deu conta de cumprir os prazos para publicar o acórdão, porque ele é grande demais, qual a razão de só dar cinco dias para a defesa ler milhares de páginas e procurar erros jurídicos? Os cinco dias seriam mais aceitáveis se o processo tivesse sido desmembrado e houvessem só três réus sendo julgados. Mas não em um julgamento onde “empacotaram” 37 réus, e que uns estão sendo condenados por suposto “domínio do fato” sobre crimes dos outros, o que obriga os advogados de defesa a estudarem todo o conjunto da obra, tornando impossível fazê-lo em apenas cinco dias. Também não vale a alegação de que as sessões do julgamento foram vistas e gravadas, porque os ministros não leram os votos completos, outros foram confusos, outros não foram suficientemente claros, outros fizeram discurso político na hora de declarar o voto. E, além disso, se os magistrados demoraram mais de dois meses revisando o que será publicado oficialmente, é porque valerá o que será publicado, e que pode ser razoavelmente diferente do que foi dito durante as sessões. Prazos relâmpagos e inviáveis para a defesa será a versão brasileira do golpe paraguaio sobre o ex-presidente Lugo. Lá o objetivo foi derrubá-lo sumariamente, logo a defesa era só para figurar. Aqui o objetivo é condenar sumariamente, concedendo à defesa o papel de mero figurante, como se fosse um “faz de conta” meramente para cumprir o ritual de execução. Em um julgamento justo, direito de defesa não pode ser tratado com má vontade. Mais uma prova de que o julgamento é político. O problema de julgamentos políticos é que eles não acabam na sentença judicial. O processo político continua e vem o julgamento do julgamento. E aí é que abundam provas não contra os réus, mas contra os juízes. Se nas primeiras peças de defesa, os advogados foram econômicos, se limitando a rebater as teses frágeis da acusação, ausentes de provas; nos recursos, mesmo com o prazo de cinco dias, virão repletos de provas de que muito o que foi dito no julgamento, simplesmente não corresponde à verdade. Os recursos têm grande chance de confirmar, primeiro perante a comunidade jurídica, depois perante a nação, que ministros de STF não agiram com o notório saber jurídico esperado de guardiões das leis, dos direitos e deveres constitucionais, com consequências nada boas para imagem da instituição. Além disso, o mal de julgamentos em que juízes julgam politicamente é que as políticas de bastidores, mais cedo ou mais tarde, acabam vindo à tona. No caso do ministro Luiz Fux, está vindo mais cedo do que se esperava. José Dirceu, em entrevista, disse que o ministro Luiz Fux o procurou durante meses em busca de apoio político para que petistas ligados a ele apoiassem sua nomeação e, segundo Dirceu, Fux ofereceu-se para absolvê-lo. Poderia ser a palavra de um contra o outro. O problema é que Fux não desmentiu o encontro e desconversou sobre o teor da conversa. Mais grave, Fux confirmou o encontro em outra entrevista, e disse uma coisa que soa impossível: que não se lembrava, no encontro, que Dirceu era réu no “mensalão”. E a sensação popular é de que o caso de Fux não é isolado. Basta imaginar como teriam sido as articulações para marcar o julgamento e conduzi-lo para coincidir com campanha eleitoral. E Gurgel… 
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, saiu em defesa de Fux, sobre a revelação de José Dirceu de sofrer assédio moral em busca da nomeação para o ministro do STF. “A história do ministro Fux é uma história de honradez. E o mesmo não se pode dizer de quem o acusa.”, disse Gurgel. Seria melhor ter ficado calado, pois a tese não fecha. Se for para desqualificar Dirceu, Fux cai junto, pois confirmou que foi procurá-lo.http://www.redebrasilatual.com.br/blog/helena/mensalao-novas-provas-aparecem-mas-nao-contra-os-reus/view http://xeque-mate-noticias.blogspot.com.br/2013/04/negacao-do-principio-da-razoabilidade.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+Xeque_mateArtigosinformativosECia+(XEQUE_MATE+Artigos,Informativos+e+Cia)
4 horas atrás

A prepotência de Joaquim Barbosa por Jânio de Freitas

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 

 

O risco do avanço

Por Jânio de Freitas, jornalista, na Folha de S. Paulo de 11/04/2013 O risco é grande e, pior ainda, crescente. O que pode suceder quando um alvejado por agressões orais do presidente do Supremo Tribunal Federal usar o direito de reagir à altura, como é provável que acabe acontecendo? Em qualquer caso, estará criado um embaraço extremo. Não se está distante nem da possibilidade de uma crise com ingredientes institucionais, caso o ministro Joaquim Barbosa progrida nas investidas desmoralizantes que atingem o Congresso e os magistrados. O fundo de moralismo ao gosto da classe média assegura às exorbitâncias conceituais e verbais do ministro a tolerância, nos meios de comunicação, do tipo “ele diz a coisa certa do modo errado” –o que é um modo moralmente errado de tratar a coisa errada. Não é novidade como método, nem como lugar onde é aplicado. Nem por isso o sentido dos atos é mudado. “Só se dirija a mim se eu pedir!” é uma frase possível nas delegacias de polícia. Dita a um representante eleito da magistratura, no Supremo Tribunal Federal, por seu presidente, é, no mínimo, uma manifestação despótica, sugestiva de sentimento ou pretensão idem. Se, tal como suas similares anteriores, levou apenas a mais uma nota insossa dos alvejados, não faz esperar que seja assim em reedições futuras desses incidentes. Afinal, quem quer viver em democracia tem o dever de repelir toda manifestação de autoritarismo, arbitrariedade e prepotência. É o único dever que o Estado de Direito cobra e dele não abre mão. 
Do Blog Quem tem medo da democracia? BLOG DO SARAIVA: A prepotência de Joaquim Barbosa por Jânio de Freitas:

4 horas atrás

PODER FERIDO E ORGULHO MELINDRADO – Convocação de claque oficial e processos criminais em perseguição ao advogado Cassius Haddad são outras cenas teatrais protagonizadas pelo Ministério Público para manter seu “seletivo” poder de investigação e autoarquivamento ( engavetamento )… Ridículo corporativismo!

FLIT PARALISANTE por Flit Paralisante
 
19/03/13 01:35 – Política

MP faz desagravo em apoio a promotor

Bauruense Luiz Bevilacqua sofre acusações após atuar em caso que culminou na prisão do ex-prefeito de Limeira

Gabriela Garcia/Especial para o JC
 
 
 
 

Em uma sessão de desagravo realizada na manhã de ontem, o Fórum de Limeira reuniu promotores de todo o Estado, membros do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), juízes, o procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo Márcio Fernandes Elias Rosa, políticos, empresários, representantes de entidades,  dois delegados de polícia de Araras e advogados.

A solenidade representou um ato de apoio ao promotor do Patrimônio Público de Limeira, o bauruense Luiz Alberto Segalla Bevilacqua, em decorrência de acusações que ele sofreu por meio de redes sociais. As acusações foram feitas pelo advogado Cassius Haddad, que também esteve no salão do Tribunal do Júri para assistir à cerimônia e permaneceu em silêncio.

O desagravo

O desagravo – como é chamado o ato previsto em lei – foi idealizado em conjunto pela Procuradoria Geral de Justiça e a APMP (Associação Paulista do Ministério Público). “A associação não admite ofensas, mentiras e situações inaceitáveis como essa que aconteceu em Limeira. Quando um promotor é atacado no dever de sua função, a sociedade de bem também está sendo atacada”, afirmou o presidente da APMP, Felipe Locke Cavalcanti.

“O Luiz Alberto (Bevilacqua) simboliza muitos promotores por sua atuação firme, merecedora de elogios. Não aceitamos esses ataques que só visam assegurar a impunidade. Isso mostra que a atuação do MP está incomodando aquelas pessoas que antes eram intocáveis, detentoras do poder».

Segundo o procurador-geral de Justiça, Márcio Fernandes Elias Rosa, a manifestação não foi apenas em defesa do MP de Limeira, mas também do Poder Judiciário. «Os ataques às vezes têm o objetivo de intimidar e Limeira teve problemas recentes na seara política, que ainda merecem julgamentos que devem ocorrer de maneira tranquila. Esse tipo de situação não faz honras à própria comunidade de Limeira», disse Elias Rosa. «O MP segue convicto de seus reais deveres, do seu papel e nunca se tornará ausente na defesa da cidadania.»

Em um salão lotado, o procurador-geral substituto, Walter Paulo Sabella, também falou ao público presente. «Vim prestar minha solidariedade, apoio e companheirismo ao Bevilacqua. O promotor é um guardião da cidadania», afirmou.

Para o presidente da Apamagis (Associação Paulista de Magistrados), Roque de Mesquita, este tipo de ofensa precisa ser punido. «A liberdade de expressão é um direito, mas o cidadão não deve esquecer que seu limite termina onde começa o do outro», opinou.

O promotor

Após a cerimônia, Bevilacqua afirmou que as acusações serão objeto de representações civis e criminais. “Tudo o que aconteceu está sendo apurado na Justiça. Vou continuar trabalhando pela sociedade limeirense. Essa solenidade me nutre de forças para continuar trabalhando pelo que é justo”, disse o promotor.

Bevilacqua foi um dos promotores membros do Gaeco responsáveis pela prisão da família Félix em novembro de 2011 e que resultaram na cassação do ex-prefeito da cidade, Silvio Felix (PDT) em 2012. As investigações estão em andamento e são conduzidas pelo promotor – o MP ainda aguarda documentações bancárias que devem ser utilizadas para a elaboração do relatório final sobre o caso.

Entenda o caso

A Moção de Desagravo ao promotor de Justiça Luiz Alberto Segalla Bevilacqua foi aprovada pelo Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça por unanimidade, em sessão realizada dia 6 de fevereiro, “em razão de seguidos ataques pessoais à sua honra e dignidade, em decorrência do exercício de suas atividades funcionais, feitos pelo advogado Cassius Abrahan Mendes Haddad”.

A moção foi proposta pelo procurador de Justiça Walter Paulo Sabella com base em uma série de mensagens postadas nas redes sociais pelo advogado, que se apresenta também como consultor empresarial, palestrante e ativista social. As mensagens, segundo o MP, trazem conteúdo ofensivo ao promotor.

“Anota-se que a moção de desagravo presta-se a reparar ofensa sofrida pelo integrante da carreira no exercício das suas funções e em razão dela. Constitui-se em instrumento de defesa não só da dignidade profissional como também de defesa da reputação do próprio Ministério Público, na medida em que empenha publicamente a solidariedade desta instituição contra as ofensas e ataques lançados em face de um dos seus membros”, diz o documento.

Ao analisar o caso, a relatora da Comissão de Defesa de Prerrogativas

Institucionais do Órgão Especial, a procuradora de Justiça Jaqueline Mara Lorenzetti Martinelli, observa que a utilização, pelo advogado, de expressões de conteúdo nitidamente ofensivo à honra do promotor para se referir às funções institucionais por ele desenvolvidas, divulgando-as, de forma sistemática e reiterada, nas redes sociais, por meio de suas contas no Twitter e no Facebook, configura “verdadeira campanha para macular e desprestigiar a honra e a imagem pessoal e profissional desse promotor”.

A moção diz, ainda, que “esta conduta, por qualquer ângulo que se analise, desborda em muito os limites da crítica razoável e, de modo algum, está acobertada pela imunidade judiciária, posto que as ofensas verificadas foram proferidas fora do juízo e da discussão da causa”.

 

 

4 horas atrás

TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONFIRMA INVESTIGAÇÃO CONTRA AÉCIO NEVES E ISSO NÃO É NOTÍCIA NA GRANDE MÍDIA BRASILEIRA

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 

 Por três votos a zero, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu, na semana passada, que o tucano Aécio Neves continua como réu na ação civil por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Estadual. O ex-governador é investigado pelo desvio de R$ 4,3 bilhões da área da saúde e pelo não cumprimento do piso constitucional de financiamento do sistema público de saúde entre 2003 e 2008. A mídia comercial, que adora um escândalo político, é tão seletiva que não deu qualquer destaque à decisão do TJMG. 
Segundo o sítio do deputado Rogério Correia, “desde 2003, a bancada estadual do PT denuncia essa fraude e a falta de compromisso do governo de Minas com a saúde. Consequência disso é o caos instaurado no sistema público de saúde, situação que tem se agravado com a atual e grave epidemia de dengue no estado”. O ex-governador mineiro, que vive se jactando do tal “gestão de gestão”, poderá sofrer uma baita indigestão. O julgamento da ação está previsto para ocorrer ainda neste ano. Se for considerado culpado pelo desvio dos recursos públicos, o senador ficará inelegível. Sua cambaleante candidatura presidencial entraria em coma – que não é alcoólica. É lógico que o grão-tucano tem muitos defensores. A mídia não deu manchete para a decisão da justiça e evitará tratar do tema. Ela só gosta de levantar suspeitas de corrupção contra os tais “lulopetistas”. Já a Justiça é cega! Até hoje não julgou o chamado mensalão tucano – que a mídia trata como mensalão mineiro. A conferir!  
 

Veja mais: http://glaucocortez.com/2013/04/11/tribunal-de-justica-confirma-investigacao-contra-aecio-neves-e-isso-nao-e-noticia-na-grande-midia-brasileira/

5 horas atrás

u$4,3 BILHÕES

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 
 

 
 THIETRE MIGUEL – RIO DE JANEIRO-RJ

5 horas atrás

Vaticano baixa filmes pornográficos

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 
Maior parte dos filmes baixados no Vaticano é pornografia 
 
Em fevereiro, o site TorrentFreak divulgou que agentes no prédio do FBI estariam baixando filmes e séries piratas. Talvez fosse uma investigação em andamento, talvez não. Em um comunicado, o FBI disse que pirataria é crime e encerrou o assunto. Dessa vez, o TorrentFreak rastreou outros pontos de acesso e encontrou um local improvável como foco de downloads: o Vaticano. 
Mas não eram seriados: a maioria dos arquivos baixados era de filmes pornográficos. Filmes como “Os Vizinhos”, “Toque” e “Lea Lexis and Krissy Lynn” aparecem tendo sido baixados pela “Holy See – Vatican City State” (Santa Sé – Vaticano). A maioria desses filmes tem como tema os fetiches sexuais de submissão, dominação, sadismo e masoquismo. 
O rastreamento foi feito pelo serviço ScanEye, a pedido do TorrentFreak. No entanto, pode ser que os autores dos downloads não sejam bispos e cardeais. Há muita gente ligada à Igreja, como guarda-costas dos eclesiásticos, que têm acesso à cidade. Ainda assim, é curioso pensar que tantos filmes “profanos” sejam assistidos no coração da Igreja Católica. BLOG DO SARAIVA: Vaticano baixa filmes pornográficos
5 horas atrás

Todos penduram o tomate no pescoço. Não tem preço.

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 

Tomate trai, baixa o preço e oposição vai pro vinagre

 
A GLOBO E SEU MODO “SUTIL” DE PEDIR A ALTA DOS JUROS Em vez de pendurar uma melancia no pescoço, a apresentadora Ana Maria Braga colocou um colar de tomates e disse estar usando uma “joia”; capa desta quinta-feira do jornal O Globo reforça o pedido por juros maiores; no entanto, sinais da economia são contraditórios, o que dificulta a ação do Banco Central e de seu presidente, Alexandre Tombini; vendas no varejo caíram 0,4%

Do Viomundo  
de Gerson Carneiro
Por e-mail, ele nos “alerta”: “Alegria de oposicionista dura pouco”. 

 
Aí, dá a notícia. “@emirsader: Tomate trai, baixa o preço e oposição vai pro vinagre”. 
  

A Globo e seu modo “sutil” de pedir a alta dos juros

:     Rep/web
Em vez de pendurar uma melancia no pescoço, a apresentadora Ana Maria Braga colocou um colar de tomates e disse estar usando uma “joia”; capa desta quinta-feira do jornal O Globo reforça o pedido por juros maiores; no entanto, sinais da economia são contraditórios, o que dificulta a ação do Banco Central e de seu presidente, Alexandre Tombini; vendas no varejo caíram 0,4%

A próxima reunião do Comitê de Política Monetária será decisiva. Nos dias 16 e 17 de abril, os diretores do Banco Central avaliam se a taxa básica de juros, a Selic, deve subir para frear a economia e conter a inflação, que ultrapassou momentaneamente o teto da meta, fixado em 6,5%. 
A pressão para que os juros subam, como se sabe, é intensa e tem motivações não apenas econômicas, mas também políticas. Uma economia em ritmo ainda mais lento poderia retirar da presidente Dilma Rousseff seu maior trunfo eleitoral, que é o desemprego ainda muito baixo e nos menores níveis da história recente. 
Do time que trabalha pela alta dos juros, há banqueiros, economistas, colunistas de jornais e, agora, uma apresentadora de televisão. É Ana Maria Braga, que, na Globo, apresenta o programa de variedades “Mais você”. Ontem, ao vivo, ela decidir aparecer não com uma melancia no pescoço, mas com um colar de tomates. Disse estar usando “uma joia”. 
Foi assim, com a sutileza de um elefante, que a Globo decidiu reforçar a campanha pela alta dos juros num programa voltado a donas de casa.  
No entanto, a decisão de abril do Copom será das mais difíceis. Embora a inflação tenha superado o teto da meta, a própria colunista Miriam Leitão, também do Globo, reconhece que é um fenômeno apenas momentâneo. Os preços de alimentos começam a cair e as vendas no varejo, um bom termômetro da atividade econômica, recuaram em fevereiro.   Leia, abaixo, notícia da Reuters sobre a retração do varejo, que acaba de ser divulgada: 
Vendas no varejo brasileiro caem 0,4% em fevereiro–IBGE 
RIO DE JANEIRO, 11 Abr (Reuters) – As vendas no varejo brasileiro tiveram queda de 0,4 por cento em fevereiro ante janeiro e, sobre um ano antes, caíram 0,2 por cento, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. 
Analistas ouvidos pela Reuters previam que as vendas subiriam 1,2 por cento em fevereiro ante janeiro, segundo a mediana das projeções de 21 economias. As contas variaram de zero a 2,80 por cento de alta. 
Em relação ao mesmo mês do ano anterior, a expectativa era de alta de 3,65 por cento de acordo pela mediana de 20 projeções, com as projeções ficando entre 1,30 e 6,50 por cento.   PITACO 
É o fim da picada. Ana Maria Braga está seguindo ordens e garantindo o emprego. Só pode! 

Globo sentiu a pancada: deu só 16 segundos de notícia sobre smartphones mais baratos

 


O Jornal Nacional da TV Globo (dia 9) deu a notícia da desoneração dos smartphones nacionais (que ficarão mais baratos), com má vontade. A notícia foi só lida rapidamente, em 16 segundos, sem nenhuma reportagem a respeito, apesar do grande interesse popular pelo assunto. A medida é mais um ponto para a popularidade do governo Dilma, por fazer a coisa certa. O smartphone, por vir com acesso à internet, é um dos sonhos de consumo de muita gente que ainda não tem. E, com isso, os aparelhos ficam mais acessíveis à todos, inclusive à população de baixa renda, sendo mais uma ferramenta para levar a todos os brasileiros o direito de ir e vir à informação e à sociedade do conhecimento. 
Além disso a medida incentiva a fabricação dos aparelhos no Brasil.

POLÍTICA DE XEPEIROS – O DEM VAI À FEIRA

COM O CARRINHO CHEIO DE TOMATES, OS DEPUTADOS DO DEM LEVAM MESMO SÃO PEPINOS. O PEPINO DE UM PARTIDO QUE DEFINHA, NÃO TEM DISCURSO NEM PROPOSTAS.     Não sabem fazer política, tentam fazer humor. Nem para PALHAÇOS servem, pois, para isso é preciso ter competência, e isso é produto que o DEM não encontra na FEIRA.      O maior jornal do país deu ampla cobertura ao triste espetáculo da oposição, classificado até como TOMATAÇO. Sobre a entrevista de José Dirceu para O Jornal Folha de São Paulo denunciando um possível “assédio moral” do Ministro Luiz Fux, nenhuma palavra na edição de hoje. 
 
 

O MAIS POPULAR!!!

A ECONOMISTA FULANA DE TAL, MAIS CONHECIDA COMO FULANA DAS COUVES, AFIRMA QUE ESCORREGAR NO TOMATE É UM RISCO QUE SE CORRE A TODA HORA EM SUA PROFISSÃO!

(OPS … LÁ VAI ELA CAINDO DE NOVO!!! FORAM TRÊS TOMBOS SEGUIDOS, MINHA GENTE!!!)

Os bons e velhos especuladores

 

 

THIETRE MIGUEL – RIO DE JANEIRO-RJ
Anúncios