Mensalão: novas provas aparecem, mas não contra os réus

JUSTICEIRA por Blog Justiceira de Esquerda
 
 No BLOG DO SARAIVA: Do Brasil Atual – 12/04/2013 Por: Helena Sthephanowitz, 
A cada dia aparecem indícios de que o julgamento do “mensalão” (AP-470) foi político, de exceção. O primeiro deles foi o calendário coincidir com a campanha eleitoral.O segundo foi o não desmembramento, julgando até a “mequetrefe” Geiza Dias na Suprema Corte, tudo para dar grandiloquência e chamar de julgamento do século. A terceira prova de que foi um processo político, foi condenar sem provas e, pior, ignorando todas as provas de inocência apresentadas pelas defesas. 
Agora vem a negação do princípio da razoabilidade nos prazos para a defesa. Se o STF não deu conta de cumprir os prazos para publicar o acórdão, porque ele é grande demais, qual a razão de só dar cinco dias para a defesa ler milhares de páginas e procurar erros jurídicos? Os cinco dias seriam mais aceitáveis se o processo tivesse sido desmembrado e houvessem só três réus sendo julgados. 
Mas não em um julgamento onde “empacotaram” 37 réus, e que uns estão sendo condenados por suposto “domínio do fato” sobre crimes dos outros, o que obriga os advogados de defesa a estudarem todo o conjunto da obra, tornando impossível fazê-lo em apenas cinco dias. Também não vale a alegação de que as sessões do julgamento foram vistas e gravadas, porque os ministros não leram os votos completos, outros foram confusos, outros não foram suficientemente claros, outros fizeram discurso político na hora de declarar o voto. E, além disso, se os magistrados demoraram mais de dois meses revisando o que será publicado oficialmente, é porque valerá o que será publicado, e que pode ser razoavelmente diferente do que foi dito durante as sessões. 
Prazos relâmpagos e inviáveis para a defesa será a versão brasileira do golpe paraguaio sobre o ex-presidente Lugo. Lá o objetivo foi derrubá-lo sumariamente, logo a defesa era só para figurar. Aqui o objetivo é condenar sumariamente, concedendo à defesa o papel de mero figurante, como se fosse um “faz de conta” meramente para cumprir o ritual de execução. Em um julgamento justo, direito de defesa não pode ser tratado com má vontade. Mais uma prova de que o julgamento é político. 
O problema de julgamentos políticos é que eles não acabam na sentença judicial. O processo político continua e vem o julgamento do julgamento. E aí é que abundam provas não contra os réus, mas contra os juízes. 
Se nas primeiras peças de defesa, os advogados foram econômicos, se limitando a rebater as teses frágeis da acusação, ausentes de provas; nos recursos, mesmo com o prazo de cinco dias, virão repletos de provas de que muito o que foi dito no julgamento, simplesmente não corresponde à verdade. Os recursos têm grande chance de confirmar, primeiro perante a comunidade jurídica, depois perante a nação, que ministros de STF não agiram com o notório saber jurídico esperado de guardiões das leis, dos direitos e deveres constitucionais, com consequências nada boas para imagem da instituição. 
Além disso, o mal de julgamentos em que juízes julgam politicamente é que as políticas de bastidores, mais cedo ou mais tarde, acabam vindo à tona. 
No caso do ministro Luiz Fux, está vindo mais cedo do que se esperava. José Dirceu, em entrevista, disse que o ministro Luiz Fux o procurou durante meses em busca de apoio político para que petistas ligados a ele apoiassem sua nomeação e, segundo Dirceu, Fux ofereceu-se para absolvê-lo. Poderia ser a palavra de um contra o outro. O problema é que Fux não desmentiu o encontro e desconversou sobre o teor da conversa. 
Mais grave, Fux confirmou o encontro em outra entrevista, e disse uma coisa que soa impossível: que não se lembrava, no encontro, que Dirceu era réu no “mensalão”. E a sensação popular é de que o caso de Fux não é isolado. Basta imaginar como teriam sido as articulações para marcar o julgamento e conduzi-lo para coincidir com campanha eleitoral. 
E GURGEL… 
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, saiu em defesa de Fux, sobre a revelação de José Dirceu de sofrer assédio moral em busca da nomeação para o ministro do STF. “A história do ministro Fux é uma história de honradez. E o mesmo não se pode dizer de quem o acusa.”, disse Gurgel. 
Seria melhor ter ficado calado, pois a tese não fecha. Se for para desqualificar Dirceu, Fux caijunto, pois confirmou que foi procurá-lo. BLOG DO SARAIVA: Mensalão: novas provas aparecem, mas não contra os réus
11 minutos atrás

Notícias da idade média: judeu radical se embrulha num plástico para evitar os mortos

BOILERDO por Betho Flávio
 

Judeu ortodoxo se cobre com plástico em voo para evitar cemitérios

Sacola serviria como barreira para cemitérios no percurso do avião.
Homem seria sacerdote Cohen, proibido de ter contato com os mortos.

Do G1, em São Paulo

A imagem de um passageiro que se embrulhou em um saco plástico durante um voo se espalhou pela internet, após ser postada por um usuário da rede social “Reddit”, identificado como “Final Say”.

Sacerdote se 'embrulhou' em uma sacola plástica porque avião passaria por cima de cemitérios (Foto: Reprodução/Imgur/Final Say)Sacerdote se ‘embrulhou’ em uma sacola plástica porque avião passaria por cima de cemitérios (Foto: Reprodução/Imgur/Final Say)

 

De acordo com o jornal “GA Daily News”, o passageiro, vestido todo de preto, seria um sacerdote Cohen, judeu ortodoxo que segue a crença de que todos são descendentes de Aarão.

Conforme a tradição, eles não podem visitar cemitérios e, como o trajeto da aeronave passa por cima de campos santos, o homem não poderia ter nenhum tipo de contato com tais locais.

Por isso, a sacola plástica funcionaria como um “invólucro”, e manteria o sacerdote puro. A foto, enviada ao serviço de hospedagem de fotos “Imgur”, foi reproduzida mais de 730 mil vezes.

12 minutos atrás

Matt Damon e Michael Douglas fazem amor em trailer de novo filme

MUNDO ALTERNATIVO por mark vynny
 

Michael Douglas e Matt Damon

O trailer do filme “Behind the Candelabra”, cine biografia do pianista Liberace, mostra algumas das cenas íntimas que os atores Michael Douglas e Matt Damon protagonizam. O longa vai ao ar no canal HBO.

 

fonte: Toda Forma de Amor

16 minutos atrás

Diálogos para uma nova resolução sobre Orientação Sexual e Identidade de Gênero na ONU

FORA DO ARMARIO por Sergio Viula
 
 

Diálogos para uma nova resolução sobre OSIG (Orientação Sexual e Identidade de Gênero) na ONU: a reunião de Brasília 
Entre os dias 2 e 5 de abril de 2013, ativistas de mais de 20 países da América Latina se reuniram em Brasília, Brasil, para discutir os termos de uma nova resolução sobre direitos humanos, orientação sexual e identidade de gênero, a ser apresentada pela Noruega na próxima reunião do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em junho deste ano, em Genebra, Suíça. A reunião foi parte de uma série de consultas regionais envolvendo organizações da sociedade civil e governos de países da Ásia, Europa e América Latina, com o objetivo de fazer com que o texto da resolução reflita os problemas reais que as pessoas LGBTI enfrentam nas suas vidas diariamente. 
Trinta e seis ativistas e especialistas da América Latina e do Caribe se reuniram por dois dias para elaborar estratégias sobre como avançar nos compromissos dos países membros da ONU no que se refere às violações de direitos humanos e a discriminação institucional promovidas contra as pessoas homossexuais, transexuais e intersexo com base em valores tradicionais, cultura ou princípios religiosos, seja por governos ou setores da sociedade. Um dos resultados da reunião é uma declaração da sociedade civil, que foi lida durante os “Debates regionais sobre instrumentos internacionais de enfrentamento à homo-lesbo-trans-fobia”, realizados na Secretaria Nacional de Direitos Humanos no dia 5 de abril, com a presença de representações diplomáticas de diversos países da região. O documento será anexado ao relatório da reunião dos governos, a ser remetido para a etapa global das consultas, em Oslo, Noruega (15 e 16 de abril). 
A consulta regional latino-americana foi organizada pela ARC Internacional, o Comitê Internacional de Direitos Humanos de Lésbicas e Gays (IGLHRC), a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Travestis (ABGLT), o Fórum Caribenho de Liberação e Aceitação dos Gêneros e Sexualidades (CARIFLAGS) e a Organização de Transexuais pela Dignidade e Diversidade do Chile (OTD Chile). 
>> Leia a Declaração da Sociedade Civil 
Declaração da Sociedade Civil da América Latina e Caribe sobre direitos humanos, orientação sexual e identidade de gênero  apresentada por Colin Robinson e Belissa Andia Pérez Brasília, 5 de abril de 2013
1. Prezadas autoridades do Governo Brasileiro e representantes dos países da América Latina tenham um bom dia! Nós, lésbicas, gays, bissexuais, pessoas trans e intersexuais (LGBTI) e de outras identidades com base na orientação sexual e identidade de gênero, provenientes de 15 países membros de diferentes partes do continente americano, reunidos de 2 a 3 de abril de 2013, em Brasília, manifestamos publicamente a nossa voz em relação à próxima resolução sobre direitos humanos, orientação sexual e identidade de gênero no âmbito das Nações Unidas (ONU). Manifestamos o seguinte:  
2. Sou Colin Robinson, de Trinidad e Tobago, Diretor do Fórum Caribenho para a Liberação e Aceitação de Gêneros e Sexualidade (FLAGS – sigla em inglês), uma coalisão regional com escritório em meu pais, na República Dominicana, na Jamaica e em Santa Lucia e em mais 9 países afiliados; e Belissa Andia do Peru, Diretora Executiva do Instituto Runa de Desenvolvimento e Estudos sobre Gênero, falaremos em representação d@s ativistas e organizações da sociedade civil que participaram no encontro sobre orientação sexual e identidade de gênero, onde se abordaram os próximos desafios e necessidades politicas, as relações multilaterais entre países e os novos temas que devem liderar no nível regional e internacional para avançar nas matérias de Direitos Humanos.  
3. Mas nosso trabalho é insuficiente. Em nossa região, ainda existem áreas onde as autoridades mantêm e protegem leis e ações que reforçam a desigualdade e violência contra os cidadãos com base na sua orientação sexual e identidade de gênero. Esses governos, frente o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, têm justificado a sua inação na proteção dos direitos dessas comunidades, evocando a falta de mandatos políticos, e por vezes em algumas ocasiões, apelando para situações particulares de seus Estados para não aplicar leis de direitos humanos. Desde a independência de nossos países, nossos parlamentos têm aumentado as sanções contra as relações sexuais entre casais do mesmo sexo, consideradas ainda como um crime em 11 países e punida com prisão perpétua em dois deles. Recentemente, nos anos 90, aprovou-se em Barbados um projeto de lei para criminalizar as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo, inclusive relacionamentos mantidos na esfera privada. O ano 2000, Trinidad e Tobago aprovou um estatuto legal contra a discriminação que exclui orientação sexual e identidade de gênero como categorias protegidas. Em 2003, o presidente da Guiana vetou uma emenda constitucional que incluía as proteções contra discriminação com base na orientação sexual. Recentemente, em 2011, a Jamaica adotou um novo regulamento em sua Constituição que exclui revisão judicial das leis por delitos sexuais. Além disso, em Belize e Trinidad e Tobago, existem leis que proíbem a imigração de homossexuais e na Guiana, ainda está em vigor uma lei que proíbe o uso de roupas inadequadas.
4. As leis não são o único problema. Entre 2011 e 2012, na Jamaica e República Dominicana foram arquivados mais de 25 assassinatos de pessoas LGBTI, assim como a documentação de muitos casos de violência por ações de ódio. Na Jamaica, a polícia registra os assassinatos de homens gays, sob o título de violência doméstica. Em Trinidad e Tobago, vítimas de ataques feitas através de ações combinados em sites na internet, não buscam a justiça por medo de serem duplamente punidas pela polícia. Há pesquisas e documentos que mostram que o aumento de agressões nas ruas contra jovens LGBT em Kensington, é uma consequência da homofobia dentro de suas casas, nas escolas, no trabalho e por parte de seus vizinhos. Ativistas jamaicanos relataram situações semelhantes em Castries, Santa Lúcia e Port of Spain. Esta situação é agravada pela aplicação das leis contra a vadiagem impostas pela polícia. As poderes religiosos internacionais se instalaram em Belize para defender sua lei contra a “sodomia” evitando uma possível revisão judicial na sua constituição. Os líderes políticos desses países aprenderam a fazer declarações estratégicas para tranquilizar os observadores internacionais, mas realmente não têm implementado políticas de proteção em favor da dignidade e dos direitos das pessoas com outra orientação sexual e identidade de gênero.  
5. Lembramos os Estados que as pessoas com orientação sexual diferente e identidade de gênero têm os mesmos direitos que todas as pessoas e é neste contexto que os valores tradicionais geralmente oferecem harmonia coletiva dentro do nosso povo. No entanto, é importante lembrar que esses mesmos valores tradicionais muitas vezes podem ser usado para justificar a violação dos direitos humanos. Isso torna impossível o desfrute da igualdade de condições e de oportunidades de uma vida decente em um contexto deintegralidade com pleno exercício dos direitos sexuais e direitos reprodutivos e a relação destes com os outros direitos econômicos, civis, políticos, culturais, ambientais e outros.
6. Assim, é importante que estes valores tradicionais presentes em nossas sociedades, se complementem e fortaleçam na coerência fundamental com os direitos humanos, que são universais, interdependentes, progressivos, indivisíveis e invioláveis. Portanto, os Estados devem erradicar políticas públicas, práticas culturais, costumes, normas e procedimentos, indígenas ou tradicionais, que violentam e violem a dignidade inalienável de cada ser humano, sem discriminação em razão da orientação sexual e identidade de gênero.

7. Nós denunciamos em nossa região a violência contra pessoas com orientação sexual diferente e identidade de gênero, realizadas pela ação ou aquiescência do Estado, restringem gravemente sua plena cidadania e coloca em risco a própria vida democrática. Nesse sentido, recordamos que hoje em dia, 11 países do Caribe de língua Inglesa criminalizam a homossexualidade e no Brasil, onde a homossexualidade não é penalizada, mais de 300 pessoas foram mortas em 2012 por sua orientação sexual ou identidade de gênero.

8. Estas violências – de natureza institucional, social, cultural, etc. – implicam tanto na morte física como na morte social com a exclusão educacional, desemprego, baixa autoestima, depressão, falta de visão de um futuro possível.

9. Chamamos a atenção dos governos para a crescente ingerência de grupos conservadores, fundamentalistas religiosos, ideológicos e de rodo tipo sobre as decisões políticas sobre os direitos humanos, com ênfase nas relacionadas aos direitos sexuais e reprodutivos. Tentativas de impor uma única forma de crença e ideologia através de leis e regulamentos colocam em risco a diversidade religiosa, os princípios democráticos e o desenvolvimento da personalidade individual. Colocar vidas em risco ao incitar a violência e a discriminação, através de um discurso de defesa disfarçada de valores tradicionais.

10. É imperativo que os Estados limitem a interferência das instituições religiosas nas políticas públicas, para que se garanta o pleno exercício dos direitos de todas as pessoas. Recordamos que garantir o direito ao acesso universal à educação de qualidade é responsabilidade dos Estados. O descumprimento desta obrigação propicia a expulsão do sistema educacional de pessoas por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero, e mais dramaticamente no caso de pessoas trans e intersexo, afetando quase irremediavelmente seus projetos de vida.

11. Neste sentido, é necessário transversalizar o enfoque da diversidade sexual e de gênero na educação e promover escolas livres da homofobia, lesbofobia e transfobia, por meio da reformulação dos programas educativos que incluam a educação integral na sexualidade e a capacitação da comunidade educativa. Isto implica influenciar positivamente na convivência social e não implica, como se sustenta, modificar a orientação sexual e identidade de gênero das pessoas.

12. Repudiamos a violência que sofrem as pessoas trans em virtude da sua identidade de gênero, que vai desde o estigma até os crimes de ódio. A violação dos seus direitos tem um impacto direto sobre a situação de extrema vulnerabilidade e marginalização que vivem, de modo que suas biografias são estruturadas por uma dinâmica desintegradora: expulsão da família, do mercado de trabalho, o sistema de educação e de saúde.

13. Os Estados não podem violar a dignidade humana, a transfobia não pode nem deve ser tolerada. Deve ser garantida a igualdade de direitos para as pessoas que não se identificam com o gênero atribuído ao nascer. Os estados que não adotam políticas específicas contra esses abusos, amparam e contribuem para o exercício de práticas discriminatórias e violentas.

14. Em fevereiro deste ano, se constatou que as pessoas trans em cárcere privado vivem em um contexto de total violência. Mulheres trans encarceradas em prisões de homens e homens trans em prisões de mulheres são constantemente violad@s em seus direitos. Infelizmente, temos constatado que uma mulher trans privada de liberdade, para se prevenir de agressões nesse ambiente, fica em sua cela dia e noite, sem sair e sem usar banheiros, em condições desumanas, tendo que fazer suas necessidades em sacos e garrafas plásticas.

15. Repudiamos as cirurgias de mutilação que são submetidas às crianças intersexuais ao nascer ou durante a infância e até a adolescência, para adaptar seus órgãos genitais aos estereótipos validados pela medicina. Estes processos normalizadores são endossados por quase todos os profissionais de saúde em violação da integridade física e autonomia de decisão das pessoas intersexuais. Página 5 de 6
16. Por todo o anteriormente exposto:  
17.1. Pedimos que o Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas instrua a Relatoria Especial sobre as formas contemporâneas de racismo, discriminação racial, xenofobia e as formas conexas de intolerância, para que no exercício das suas funções, elabore um relatório sobre a situação dos direitos das pessoas com orientação sexual diferente e identidade de gênero em todo o mundo. Que o relatório seja apresentado dentro de um curto período de tempo e em sua elaboração se leve em conta vários relatórios apresentados pela sociedade civil e demais documentos e recomendações dos Comités de Direitos Humanos e as Resoluções da OEA.  
17.2.Recomendamos que este relatório tenha especial consideração sobre os temas expostos declaração.  
Organizações que assinam:  
ARC International (Canada) 
Associação Brasileira de Homens Trans (Brasil) Asociación Silueta X (Ecuador) 
Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais–ABGLT, (Brasil) 
CAISO- CARIFLAGS – Trinidad and Tobago 
Campaña por una Convención Interamericana de Derechos Sexuales y Derechos Reproductivos (Paraguay) 
CATTRACHAS (Honduras) 
Colectivo Ovejas Negras (Uruguay) 
Comunidad Homosexual Argentina (Argentina) 
Council for Global Equality (Estados Unidos) 
Diverlex Diversidad e Igualdad a través de la Ley (Venezuela) 
Diversidad Dominicana (República Dominicana) 
Frente Nacional por la Ley de Identidad de Género (Argentina) 
Fundación Diversencia (Bolivia) Página 6 de 6 Fundación Iguales (Chile) 
Fundación Reflejos de Venezuela (Venezuela) 
Grupo Identidade (Brasil) 
Instituto Edson Neris (Brasil) 
Instituto Runa de Desarrollo y Estudios sobre Género-RUNA (Perú) International Gay and Lesbian Human Rights Commission – IGLHRC (EUA) 
International Lesbian, Gay, Bisexual, Trans and Intersex Association of Latin America and Caribbean – ILGA LAC International Lesbian, Gay, Bisexual, Trans and Intersex Association- ILGA J-FLAG-CARIFLAGS (Jamaica) 
Movimiento Trans del Perú (Perú) Mulabi (Costa Rica) 
Organización de Transexuales por la Dignidad de la Diversidad – OTD (Chile) 
Red de Voluntarios de Amigos Siempre Amigos-REVASA (República Dominicana) Relatoria Nacional do Direito Humano á Saude Sexual e Reprodutiva – Plataforma DHESCA (Brasil) Trans Amigas Siempre Amigas-TRANSSA (República Dominicana) UNAIDS/Brasil United and Strong Inc. – CARIFLAGS (Santa Lucía) WomenSway-CARIFLAGS (Suriname) Youth Coalition for Sexual and Reproductive Rights (Brasil) 

17 minutos atrás

Mais vômitos de Feliciano: “Jesus não é para enfeitar pescoço de homossexual e pederasta”

HOMORREALIDADE por Homorrealidade
 
 
Publicado pelo Terra

Um novo vídeo que traz o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) como protagonista foi publicado na internet na manhã desta sexta-feira e promete levantar mais polêmicas sobre o posicionamento do presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara. Na gravação, Feliciano dispara contra o catolicismo e os homossexuais. Segundo ele, a religião mais popular no Brasil está morta.   “Quero dizer uma coisa, com todo o respeito: o meu Jesus não foi feito para ser enfeite de pescoço de homossexual, nem de pederasta, nem de lésbica”, disse elevando o tom da voz, enquanto era ovacionado pelos fiéis. O discurso era sobre um dos principais costumes da Igreja Católica, que é o de usar crucifixos com a imagem de Jesus Cristo.   “Eu conheço o Deus de Paulo (apóstolo). Não é o Deus dessa religião morta e fajuta que você está. Se há um católico aqui, o que eu duvido muito, mas se tiver está em busca de (trecho incompreensível). Mas ‘deixa eu’ dizer uma coisa: você não pode sentir aquilo que nós sentimos, sem experimentar o Deus que nós sentimos”, disse o pastor.   Após a declaração, ele continua e simula uma hipotética conversa com uma católica. “Não pastor, mas eu sou carismática. Eu até aprendi a falar em línguas: botaram uma fita no rádio e eu decorei”, disse Feliciano ao simular um interlocução. “Este avivamento é o avivamento de satanás, porque no avivamento que provém de Deus você não precisa de fita”, rebate Feliciano.   “Deus existe na santidade. Santidade física e santidade de alma. Não adianta dizer que o seu coração é de Deus, se o seu corpo está entregue à prostituição, à idolatria e a todas as misérias desta vida”, falou, criticando mais uma vez o culto à imagens.   Vídeos polêmicos   Desde o último domingo, pelo menos outros três vídeos de pregações do pastor Marco Feliciano repercutiram na internet. Na última terça-feira, um vídeo publicado no Youtube revelou declarações de Feliciano sobre o sucesso do cantor Baiano Caetano Veloso. Nas imagens, o pastor desenvolve uma teoria para explicar o sucesso obtido por Caetano nas vendas do álbum Prenda Minha, de 1998. “Há alguns anos, um cidadão sentado num banquinho, fazendo um show com uma viola, cantou uma musica cujo nome é Sozinho e, em uma semana, vendeu um milhão e meio de cópias. O pessoal da mídia foi rastrear a música e descobriu que Tim Maia gravou a música e Sandra (de) Sá também, e ninguém canta melhor do que os dois (…). Só que nenhum dos dois vendeu mais do que 30 mil cópias”, disse Feliciano. 

  De acordo com o pastor, o sucesso do baiano foi conquistado com a ajuda dos Orixás, por intermédio da mãe-de-santo Maria Escolástica da Conceição Nazaré, a Mãe Menininha do Gantois, morta em 1986. “Foram entrevistar o cantor baiano, que era Caetano Veloso, e perguntaram: ‘Caetano, qual o seu segredo. Você bateu Tim, você bateu Sandra Sá, com um violão só – um milhão de cópias’ e ele disse: ‘é simples, o meu segredo é a Mãe Menininha do Patuá (Sic). Antes de mandar qualquer música para rádio, para o Brasil, eu levo pra ela. E ela, possuída pelos orixás, diz assim: pode gravar porque eu abençoo’”, falou o pastor aos fiéis que acompanhavam atentamente o discurso.   O vídeo foi divulgado dois dias após a repercussão de outras duas filmagens, nas quais Feliciano afirma que Deus foi responsável pelas mortes dos integrantes do grupo Mamonas Assassinas e do cantor John Lennon.     Para Feliciano, o vocalista da banda Mamonas Assassinas, Dinho, se “vendeu ao diabo pelo vil dinheiro”. “Quem era o Dinho? Era da Igreja Assembleia de Deus de Guarulhos, vendeu a comunhão dele”, diz o pastor.   “Um milhão e meio de cópias de discos vendidos. Alvo: crianças. Tocou na santidade de Deus, porque as crianças são a santidade de Deus. Jesus disse que pra entrar no céu, tem de ser como elas”, afirmou o pastor, que disse que o músico ensinava palavrões.   A declaração foi registrada em um vídeo, que fez sucesso nas redes sociais no início da semana, no qual o pastor afirma que um anjo provocou o desastre aéreo que vitimou os cinco integrantes do grupo, em 1996. “Até hoje há uma interrogação do que aconteceu ali. Para os homens. Eu sei o que aconteceu ali”, afirma o pastor. “O avião estava no céu, região do ministro do juízo de Deus. Lá na Serra da Cantareira. Ao invés de mirar para um lado, o manche tocou para o outro. Um anjo pôs o dedo no manche, e Deus fulminou aqueles que tentaram colocar palavras torpes na boca das nossas crianças”, diz Feliciano.   Morte de John Lennon 

  Em outro vídeo, o deputado desenvolve uma teoria sobre a morte do ex-Beatle John Lennon. Segundo a versão de Feliciano, Lennon teria sido morto a tiros após ter afrontado Deus em algumas de suas declarações. “John Lennon um dia chegou diante das câmeras, bateu no peito e disse: ‘Os Beatles são mais populares do que Jesus Cristo’ – Jesus não pop star como ele, mas sim o mestre de uma grande religião”, disse Feliciano. Em seguida, ele citou outra declaração que o músico teria dado, que teria sido o estopim para a “vingança divina” sobre Lennon. “John Lennon estava olhando para as câmeras e disse: ‘Nós Beatles somos uma nova religião’. A minha bíblia diz que Deus não recebe esse tipo de afronta e fica impune”, completou.   Seguindo a sua linha de raciocínio, Feliciano relacionou o atentado cometido por um fã do ex-Beatle a uma providência divina, que culminou na morte de John Lennon. “Passou algum tempo depois desta declaração, está ele (Lennon) entrando em seu apartamento, quando ele abre a porta e escuta alguém chama-lo pelo nome, ele vira e é alvejado com três tiros no peito. Eu queria estar lá no dia em que descobriram o corpo dele. Ia tirar o pano de cima e dizer: ‘me perdoe John, mas esse primeiro tiro é em nome do Pai, esse é em nome do Filho e esse é em nome do Espírito Santo”, falou o pastor, enquanto os fiéis ovacionavam a pregação de Feliciano.   As imagens geraram mais uma discussão nas redes sociais entre simpatizantes e opositores ao pastor Marco Feliciano. Desde que foi eleito para a Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o parlamentar tem sido alvo de diversos protestos que o acusam de racista e homofóbico. Apesar da pressão popular e política, Feliciano garante que não vai deixar o cargo.    

3 horas atrás

Petrobras é condenada a multa de R$ 3 milhões

 
: A punição é por terceirização ilegal; para reparar os danos morais causados à sociedade, o Tribunal Regional do Trabalho de Campinas determinou que a empresa deverá destinar o dinheiro ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT); além da multa, a Petrobras Distribuidora (BR) vai ter de encerrar a terceirização em todos seus estabelecimentos no território nacional 
3 horas atrás

Serra diz que pode apoiar Aécio à presidência do PSDB

 
: “Se for o candidato do PSDB, claro que eu apoiarei”, disse o ex-governador de São Paulo ao deixar seminário do PPS realizado na Câmara; José Serra, contudo, evitou frequentar o seminário no mesmo dia de Aécio Neves e não respondeu se a candidatura presidencial do senador é boa, mas destacou que sua relação com ele está “zerada”; “Na política, você não pode carregar paixões de passado para um momento presente. Você tem que se desfazer delas, até porque você precisa de energia para somar para o futuro”, disse 
4 horas atrás

Problemas no edital da festa de 53 anos

 
: Problemas de prazos e sobrepreço no edital para contratar empresa da festa dos 53 anos de Brasília fazem Tribunal de Contas do DF acender luz amarela; conselheiros decidiram não supender a licitação, mas cobram explicações do GDF para a “falta de planejamento” e as “falhas” na concorrência; comemoração está orçada em quase R$ 5 milhões, valor quase 51% acima do que o gasto nas festas anteriores 
11 de Abril de 2013 10:32

140 Caracteres (@iBahiaCinema)

CINEMA por Lula Tdscko
 


@douglas_feer Será que os daltônicos acham que o filme “A Lagoa Azul” é sobre o Mar Vermelho?

@catupiry Curiosidade: Existe um documentário gaúcho chamado “Senhor Dou os Anéis”.

@mitsudiz Secretamente os roteiristas das séries brasileiras desejam que seus episódios sejam baixados em torrent no Pirate Bay, porém ninguém liga

@IgorSeco “é arriscado” disse o coração, “é perigoso” disse a consciência, “O ANDY TÁ VINDO” disse o Sr. Cabeça de Batata

@rosana Lei Harry Potter: cada cidadão deveria ter direito a uma palavra mágica pra eliminar os malas que enchem o saco gratuitamente.

@marcoscastro Slogan do 007 na Tela Quente: Agente vai se ver na Globo.

@henriquewicz Dureza é tomar um fio terra do Wolverine.

@oiluiz Fumaça branca = temos um novo Papa. Fumaça preta = o monstro de Lost entrou aqui e matou todo o conclave.

@fcorazza Roteiro para filme B: um Conclave sem fumaça por 24 horas, alguém entra lá pra ver e rolou um suicídio coletivo