Wikileaks revela lado EUA do México

por Gilmar Crestani
 

 

Wikileaks revela el lado más turbio de la presidencia de Echeverría en México

La nueva entrega de papeles secretos sostiene que el político del PRI buscaba la reelección y pensó en asesinar a su sucesor

Sonia Corona México 10 ABR 2013 – 02:24 CET

El expresidente Luis Echeverría, durante un desfile en la capital mexicana. / EFE

 

Estados Unidos consideraba como “cínica” la postura de Gobierno mexicano respecto al golpe de Estado en Chile en 1973, según la última entrega de cables diplomáticos de Wikileaks. El Departamento de Estado estaba preocupado por la simpatía que el entonces presidente mexicano Luis Echeverría tenía con el gobierno de Salvador Allende y sobre las concesiones que tuvo con los chilenos al recibir a cientos de refugiados -incluyendo a la viuda de Allende, Hortensia Bussi- en la embajada de México en Santiago.

Para indagar sobre las intenciones de Echeverría, el embajador estadounidense en México, Joseph John Jova, se reunió con el ministro de Exteriores mexicano, Emilio Rabasa. El funcionario mexicano confesó, según los cables, que “Allende era un mal administrador y entendía muy poco de los problemas económicos, sin embargo era un gran patriota que quería acabar con la oligarquía que controlaba Chile”. Rebasa admitió que entre Echeverría y Allende existió una amistad y que esa habría sido la razón por la que México llegaría a recibir unos 700 refugiados hasta 1974 y cortaría relaciones con el país liderado por la junta militar de Pinochet.

Esta y otras preocupaciones de Estados Unidos han sido desveladas por Wikileaks en los más de 1,7 millones de documentos diplomáticos clasificados en los años 70, cuando Henry Kissinger era el Secretario de Estado estadounidense. La segunda entrega de cables diplomáticos muestra unos 61.000 mensajes desde 1973 a 1976 que involucran a México, unos 2.600 reportes sobre las actividades del expresidente mexicano Luis Echeverría, y cerca de 1.200 informes relacionados con el también expresidente mexicano José López Portillo. Los temas más recurrentes entre las comunicaciones del Departamento de Estado con la embajada de Estados Unidos en la Ciudad de México eran la reacción en México por el golpe de Estado en Chile, la sucesión presidencial, las guerrillas, los medios de comunicación y varios análisis de los políticos más prominentes del país.

Algunas informaciones del embajador Jova sostienen primero que el expresidente Echeverría buscaba modificar la Constitución para lograr su reelección, sin embargo el diplomático asegura que su partido no respaldaba la idea. Más tarde, Jova habló al Departamento de Estado de un supuesto plan de Echeverría para asesinar a su sucesor José López Portillo, una vez que ya había sido electo, para extender su periodo presidencial. Aunque el embajador describe la situación como un rumor, establece posibles escenarios en la política mexicana.

Aunque en menor medida, el también expresidente mexicano José López Portillo es mencionado en los cables de Wikileaks. La embajada de Estados Unidos en México evaluó como una sorpresa su elección como candidato del PRI a la presidencia en 1975. La legación estimaba en varios documentos que Luis Echeverría elegiría como sucesor al entonces secretario de Gobernación, Mario Moya Palencia, pero concluye que la decisión final fue tomada para mantener al PRI unido y sobre todo por la preocupación de Echeverría sobre su futuro político.

Varios documentos detallan a López Portillo y sus políticas económicas y energéticas. Jova lo describe en un cable como una persona “jovial que no pierde su sentido del humor” y que agradeció el respaldo del secretario de Estado Henry Kissinger a su candidatura. El embajador también informó a Estados Unidos sobre un intento de asesinato de su hermana Margarita en agosto de 1976 por parte de la liga 23 de septiembre. Así como los movimientos de la guerrilla de Lucio Cabañas y el trabajo militar del Gobierno mexicano para disminuir los levantamientos guerrilleros.

Otro de los aspectos que Estados Unidos observaba de cerca era la relación del expresidente Echeverría con la prensa mexicana. Particularmente su interés por tener participaciones mayoritarias en los diarios El Universal y El Sol de México. Según un cable de 1976, Echeverría buscaba aprovechar su cercanía con la familia Vázquez Raña para aumentar su participación en la prensa mexicana como un camino para sobrevivir políticamente una vez que dejara la presidencia en noviembre de 1976. “El Sol y El Universal serán para él una herramienta para darle voz pública a sus intereses después de que deje la presidencia, de la misma forma que Miguel Alemán lo ha hecho con Televisa en los últimos años”, describe el embajador Jova.

Además, la legación estadounidense también se mostró interesada en el golpe a la dirección del diario Excélsior en 1976. El embajador Jova describió la sustitución del periodista Julio Scherer y de unos 200 periodistas del diario más crítico del Gobierno priista de Echeverría. El diplomático informó al Departamento de Estado que el entonces presidente influyó directamente en el relevo del diario para “remover un poderoso oponente de sus ambiciones”. En varios documentos se menciona que Echeverría buscaba hacerse de un poder en los medios antes del fin de su mandato.

Algunos documentos publicados por Wikileaks permanecen clasificados por el Gobierno de Estados Unidos –como un informe sobre los movimientos de la Unión Soviética en México- , pero la organización ha desvelado algunos datos que pueden ser utilizados bajo la Ley de Libertad de Información (FOIA, por sus siglas en inglés) para obtener más datos. La mayoría de los documentos han sido desclasificados después del 2005 y han sido publicados por el Departamento de Estado de Estados Unidos.

Wikileaks revela el lado más turbio de la presidencia de Echeverría en México | Internacional | EL PAÍS

Filed under: WikiLeaks Tagged: Terrorismo de Estado  

3 horas atrás

BASF y Shell no crime, isso não sai por aqui

por Gilmar Crestani
 

Se fosse a Petrobrás, sairia…

BASF y Shell pagarán una compensación millonaria por contaminación en Brasil

BASF y Shell pagarán por la exposición a sustancias tóxicas en una antigua fábrica de pesticidas en el estado de Sao Paulo

EFE Sao Paulo 9 ABR 2013 – 03:35 CET3

ampliar foto

El acuerdo busca compensar a los afectados de una fábrica de pesticidas. / EFE

El grupo químico alemán BASF y la firma de hidrocarburos anglo-holandesa Shell pagarán 400 millones de reales (unos 200 millones de dólares) en concepto de daño moral colectivo e indemnizaciones por la exposición a sustancias tóxicas en una antigua fábrica de pesticidas en el estado de Sao Paulo.

El Ministerio Público de Trabajo de Brasil precisó que el acuerdo judicial firmado hoy en el Tribunal Superior del Trabajo por representantes de los trabajadores y de las compañías beneficiará a 1.058 empleados y sus dependientes.

Los afectados, extrabajadores que han sufrido graves secuelas de salud debido a la exposición a toxinas, serán indemnizados con 170 millones de reales (unos 85 millones de dólares). Además, también tendrán garantizada la atención médica y odontológica integral de forma vitalicia, según un comunicado.

Otras 84 personas se podrán acoger al acuerdo si cancelan las acciones legales individuales que habían interpuesto en el plazo de 60 días, lo que incrementaría el desembolso de las empresas en 30 millones de reales (unos 15 millones de dólares).

Asimismo, el acuerdo prevé una indemnización por daño moral colectivo de 200 millones de reales (unos 100 millones de dólares) que se destinará a entidades con programas de prevención y cuidados de víctimas de intoxicación o enfermedades causadas por exposición a sustancias tóxicas.

El procurador general de Trabajo, Luís Camargo, dijo que el acuerdo supuso una victoria social. “El objetivo principal fue alcanzado: la garantía de asistencia médica y odontológica integral y vitalicia para los trabajadores. También establecimos un marco, situaciones como estas no pueden quedar sin punición”, declaró.

El acuerdo alcanzado hoy busca compensar a los afectados de una fábrica de pesticidas que operó en la localidad de Paulinia (Sao Paulo) entre 1977 y el 2002, que fue vendida por Shell en 1995 y comprada por BASF en el año 2000, dos años antes de clausurarla.

Cerca de mil empleados exigieron indemnizaciones por los daños sufridos por la contaminación de la fábrica, que afectó también al suelo y la capa freática de la región.

A decenas de exempleados les diagnosticaron distintos tipos de cáncer, especialmente de próstata o de tiroides, enfermedades del aparato circulatorio, hepáticas e intestinales, además de alteraciones en la fertilidad e impotencia sexual.

BASF y Shell fueron condenadas en agosto de 2010 pero el caso se ha alargado por varios recursos.

BASF y Shell pagarán una compensación millonaria por contaminación en Brasil | Economía | EL PAÍS

Filed under: BASFCrime OrganizadoShell Tagged: Tóxico  

3 horas atrás

Pelas leis da natureza, os velhos morrem antes

por Gilmar Crestani
 

E já vai tarde… O Estadão acelerou seu processo de decomposição quando passou a ver criminosos no PT e deixou operar a Direção de Redação Pimenta Neves, o executor de Sandra Gomide. Sob as barbas dos Mesquitas se gestava um assassinato que não perceberam porque estavam preocupados com Lula.

A agonia do Estadão

Paulo Nogueira 7 de abril de 2013 60

A verdade é que muita árvore foi derrubada à toa pelo jornal dos Mesquitas.

Bye

Bye

O Estadão está virtualmente morto.

Está cumprindo todas as excruciantes etapas da agonia dos jornais (e das revistas) na era da internet: demissões, demissões, demissões. Menos páginas, borderôs menores.

E futuro nenhum.

Pode ser que, em breve, o Estadão circule duas ou três vezes por semana, como está acontecendo com tantos jornais no mundo.

A Folha, em outras circunstâncias, vibraria. Na gestão Frias, um dos dogmas na Barão de Limeira era que apenas um jornal sobreviveria em São Paulo.

Semimorto o Estado, ficaria a Folha, portanto.

Mas os problemas da Folha são exatamente os do Estado. Pela extrema má gestão dos Mesquitas, eles apenas estão levando mais cedo o Estadão ao cemitério.

Isso quer dizer que não vai sobrar nenhum.

Lamento, evidentemente, cada emprego perdido por jornalistas que tiveram o azar de estar na hora errada na redação errada sob a administração errada derivada da família proprietária errada. (Os demitidos, importante que eles se lembrem disso,  terão a oportunidade de respirar ares mais enriquecedores, sobretudo na mídia digital.)

Mas o jornal, em si, não deixará saudade.

Qual a contribuição do Estadão ao país?

O golpe de 1964, por exemplo. O Estadão, como o Globo, tem um currículo impecável quando se trata de abraçar causas ruins e misturar genuínos interesses privados com interesses públicos fajutos. No mundo perfeito, segundo o Estadão, os brasileiros serviriam basicamente de mordomos para os Mesquitas.

Ainda hoje, moribundo, gasta suas últimas reservas na defesa de um país em que o Estado (governo)  deve servir de babá para uma minoria que, no poder, fez do Brasil um dos campeões mundiais em desigualdade.

Que colunista se salva? Quem oferece uma visão alternativa? Quem quer um país melhor, menos injusto?

Dora Kramer? Pausa para risada.

Os editorialistas mentalmente decrépitos que davam conselhos à Casa Branca mas jamais conseguiram cuidar do próprio quintal? Nova pausa.

Articulistas como Jabor? Pausa mais longa, porque é gargalhada.

O Estadão pertence a um mundo em decomposição, e cujo passamento não deixa ninguém triste.

Combateu o mau combate. Perdeu, e se vai. Poderia ter ido antes. Muitas árvores teriam sido poupadas

Diário do Centro do Mundo A agonia do Estadão – Diário do Centro do Mundo

Filed under: EstadãoGrupos Mafiomidiáticos Tagged: Decomposição  

3 horas atrás

O julgamento popular de Margaret Thatcher

por Gilmar Crestani
 

Paulo Nogueira 9 de abril de 2013 8

Muita gente comemorou sua morte, e ninguém chorou.

Festa para muitos na Inglaterra

Festa para muitos na Inglaterra

Abaixo, você pode ler a essência da manifestação de Morrissey, cantor do The Smiths, à morte de Thatcher.

Cada movimento que ela fez foi marcado pela negatividade.

Ela odiava os mineiros, ela odiava as artes, ela odiava os pobres, ela odiava o Greenpeace e os todas as entidades de proteção ambiental.

Ela deu a ordem para explodir o Belgrano já quando o navio argentino estava se afastando das Malvinas. E quando os meninos argentinos a bordo do Belgrano sofreram uma morte terrível e injusta, Thatcher deu o sinal sinal de positivo para a imprensa britânica.

Ela odiava feministas ainda que tenha sido graças a elas que o povo britânico aceitou que um primeiro-ministro pudesse realmente ser do sexo feminino.

Thatcher era um horror sem um átomo da humanidade.”

Quanto a mim: sabia, evidentemente, que Thatcher era uma figura que dividia os ingleses.

Mas não imaginava, até ver as reações a sua morte aqui na Inglaterra e em outras partes do Reino Unido, quanto o ódio que ela despertou suplantava o amor e a admiração.

Horas depois do anúncio da morte, enfrentaram-se em Manchester os dois times locais, o United e o City.

Não houve minuto de silêncio. A torcida teria devastado o tributo.

Em Liverpool, os torcedores cantavam em comemoração à morte de Thatcher. Numa tragédia em que morreram muitos torcedores no estádio do Liverpool nos dias de Thatcher, a polícia acusou a torcida local – erradamente, como se veria depois.

Thatcher condenou a torcida e apoiou a versão falaciosa da polícia. Jamais foi perdoada.

Em Glasgow, uma multidão foi às ruas celebrar a morte. Os escoceses acham que foram tratados como subespécies por Thatcher.

No twitter, o congressista George Galloway lembrou que ouviu Thatcher chamar Mandela, no Parlamento, de “terrorista”. (Alguém disse que houve justiça poética em Mandela, tão combalido, ter sobrevivido a ela.)

“Que ela arda no inferno”, disse Galloway, sob numerosas manifestações de apoio e poucas de protesto. Alguém pediu respeito a Galloway.

A melhor maneira de mostrar respeito hoje é esta, respondeu Galloway – e postou um link que ia dar no seu partido, chamado exatamente Respeito.

Fora da galhofa, Galloway disse algo que merece reflexão.

Ele comparou a reação à morte de Thatcher com a reação à morte de Chávez, um mês atrás.

O povo não é bobo.

Thatcher fez um governo dos ricos, pelos ricos e para os ricos.

Chávez governou para os pobres.

O reconhecimento da voz rouca das ruas — vital para o que vai ficar registrado para a posteridade nos livros – irrompe com potência sublime e comovedora na morte de pessoas públicas.

É a aprovação definitiva, ou a reprovação, ou a indiferença.

Chávez foi amplamente aprovado, como gritaram as filas de catorze horas formadas por venezuelanos desesperados por vê-lo pela última vez em Caracas – num lamento épico e histórico protagonizado não pelo Comandante, mas pelos excluídos ao longo da história por uma elite corrupta e predadora controlada pelos Estados Unidos.

Thatcher foi reprovada.

Não foi o que aconteceu com Chávez

Não foi o que aconteceu com Chávez

A despedida de Chávez

A despedida de Chávez

Diário do Centro do Mundo O julgamento popular de Margaret Thatcher – Diário do Centro do Mundo

Filed under: Margaret ThatcherTerrorismo de Estado Tagged: Neoliberalismo  

4 horas atrás

A Venezuela segundo a Folha

por Gilmar Crestani
 

Paulo Nogueira 8 de abril de 2013 31

Pobres leitores.

Levou paulada o tempo todo da mídia

Levou paulada o tempo todo da mídia

Vale a pena ler a entrevista que a Folha publica hoje com Nicolas Maduro, provável  futuro presidente venezuelano.

A entrevista foi feita por uma das melhores jornalistas da Folha, Mônica Bergamo, titular da coluna social do jornal.

O que me chamou a atenção, e compartilho com vocês, é quanto a desinformação promovida  pelas grandes empresas de mídia acabam por afetar até os próprios jornalistas da casa – que dizer, então, dos leitores.

Mônica, a certa altura, mostra preocupação com o que julga ser pouco espaço dado na mídia ao candidato de oposição Henrique Capriles.

“O candidato Capriles diz que não tem acesso às rádios porque as que dão abertura à oposição são perseguidas. Não é importante que as vozes divergentes tenham espaço?”

Eis uma pergunta  que seria mais bem endereçada a Otávio Frias, aliás — a questão do espaço para as “vozes divergentes”.

Resposta de Maduro:  “Bem, mas elas têm 80% dos meios de comunicação. Se você vai agora mesmo a qualquer lugar (…) e compra os jornais, verá que são privados e contra o governo. As televisões regionais, as rádios, 80% a 90% delas são contra o governo. Fazem seu negócio, vendem seu produto.”

A imagem que se tem no Brasil – propagada pela própria Folha, e da qual foi vítima até Mônica Bergamo – é que a mídia venezuelana é controlada pelo governo.

Seria como se um jornalista venezuelano fosse a Brasília entrevistar Dilma e perguntasse: “Senhora presidenta, em nome da democracia, a oposição não deve ter mais  espaço na mídia?”

Chávez governou 14 anos sob ataques  desonestos de toda natureza da mídia venezuelana. A infame tentativa de golpe contra Chávez foi arquitetada pelos barões da mídia local, com apoio do governo americano, ávido por manter as rédeas num país tão rico em petróleo.

Como no Brasil, a mídia venezuelana teve um papel vital na construção de uma sociedade abjetamente desigual, com milhões de seres invisíveis — os “Zés do Povo”, para usar uma expressão cara ao patriarca das Organizações Globo, Irineu Marinho.

Mônica Bergamo reproduziu, em sua pergunta tão errada, e respondida com tanta paciência por Maduro, o que leu na Folha sobre a Venezuela.

Ou em Jabor, o que é ainda pior.

^Topo

TAGS » dcmeleiçõesFolhaFolha de SPHenrique CaprillesMônica Bergamonicolás maduroVenezuela

Postado em » Mundo

Sobre o autor: Paulo NogueiraVeja todos os posts do autor Paulo Nogueira

O jornalista Paulo Nogueira, baseado em Londres, é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Diário do Centro do Mundo A Venezuela segundo a Folha – Diário do Centro do Mundo

Filed under: Folha de São PauloGrupos Mafiomidiáticos Tagged: GolpismoIgnorância  

4 horas atrás

Debate interditado

por Gilmar Crestani
 

Carlos Dornelles deveria ser convidado para o Fórum da Liberdade, esse grupelho de viúvos de Pinochet que churrasqueia à sobra da RBS nos pagos do Sul, e explicar como funciona a liberdade made in Rede Globo…

Por que o embate entre Carlos Dornelles e a Globo é de grande interesse público

Paulo Nogueira 8 de abril de 2013 100

A sociedade tem que saber mais sobre as práticas fiscais de corporações como a Globo.

12345

Dornelles

Carlos Dornelles é um verbete grande no espaço de memórias do site da Globo. Ali ficamos sabendo que Dornelles, gaúcho de Cachoeira do Sul nascido em 1954, fez muitas coisas na Globo.

Vou transcrever um trecho para conhecermos melhor Dornelles na Globo segundo a própria Globo:

Esteve à frente de importantes coberturas, tais como a do comício no Vale do Anhangabaú pela campanha das Diretas Já, em 1984. (…) Também integrou a equipe mobilizada para a cobertura da doença e, em seguida, do falecimento do então presidente eleito Tancredo Neves.

Em abril de 1989, Dornelles foi transferido para o escritório da TV Globo em Londres, onde começou a trabalhar como correspondente. Durante os anos em que esteve na Inglaterra, realizou importantes coberturas jornalísticas sobre a crise do leste europeu. Na então Tchecoslováquia, cobriu a chamada Revolução de Veludo, em novembro de 1989. No mesmo período, esteve no Irã, onde foi responsável pela cobertura da morte do aiatolá Khomeini, cujo enterro reuniu cerca de dez milhões de iranianos; e na Alemanha, onde acompanhou o primeiro ano-novo após a queda do Muro de Berlim.

Em outubro de 1990, recém-chegado de Londres, Carlos Dornelles foi convidado (…) para trabalhar como correspondente em Nova York. No ano seguinte, participou da equipe de cobertura da Guerra do Golfo, um dos momentos mais marcantes de sua carreira.  (…) Ainda como correspondente em Nova York, realizou a cobertura da prisão e da morte do traficante colombiano Pablo Escobar, em 1991 e 1993, e esteve diversas vezes no Peru cobrindo o governo e a queda do ex-presidente Alberto Fujimori.

Ao longo de sua carreira, também participou de importantes coberturas esportivas, como a da Copa do Mundo de 1990, na Itália; a de 1994, nos Estados Unidos, em que o Brasil conquistou o tetracampeonato; e a de 1998, na França. Fez parte, ainda, da equipe que cobriu as Olimpíadas de Seul, na Coreia do Sul, em 1988, e de Sidney, na Austrália, em 2000.

Bem, tanta coisa não foi suficiente para impedir que Dornelles fosse colocado na geladeira, algum tempo depois de manifestar publicamente seu incômodo com a forma como a Globo vinha cobrindo política. Antes de afinal pedir demissão, passou pelo exílio jornalístico siberiano  do Globo Rural, encostado e visto por agricultores nos domingos pela manhã.

Tanta coisa, também, não foi suficiente para que Dornelles, a partir de um determinado momento na Globo, desfrutasse dos direitos trabalhistas nacionais. Dornelles foi instado a se tornar, como tantos outros funcionários graduados da Globo, o chamado “PJ” – pessoa jurídica. É uma manobra comum entre as empresas jornalísticas, com raras e caras exceções como a Abril.

Usar PJs é uma gambiarra de discutível legalidade e indiscutível imoralidade. O objetivo é simplesmente não pagar o imposto devido. A empresa simula que o funcionário presta serviços eventuais, e com isso economiza consideravelmente. Dornelles era um PJ ao deixar a Globo, embora isso não esteja em seu verbete.

Para os cofres públicos, a proliferação de PJs é uma calamidade. Falta dinheiro que poderia construir escolas, ou pontes, ou hospitais. Para o empregado, é nocivo. Fundo de garantia, 13.o salário, férias etc simplesmente desaparecem. É bom apenas para os acionistas.

O que leva uma empresa como a Globo a isso? Falta de dinheiro? Ora, a Globo – por causa de outro expediente de duvidosa ética, os chamados BVs, algo que mantém as agências de publicidade numa virtual dependência da empresa – fica, sozinha, com praticamente metade de toda a receita publicitária brasileira. (Os BVs — bonificações por volume — explicam em boa parte o milagre de a receita publicitária da Globo aumentar no ano em que teve a pior audiência de sua história. De Xuxa a Faustão, do Jornal Nacional ao Fantástico, o Ibope marcha soberbamente para trás.)

Isso, para resumir, significa o seguinte: a Globo teria que ser administrativamente muito inepta para não ser muito lucrativa com tanto faturamento. Por que, então, tornar PJs funcionários como Carlos Dornelles, se não é por sobrevivência? A melhor resposta é: por ganância, associada a um sentimento de impunidade comum em quem tem muito poder de retaliação e intimidação. E esperteza: fazendo este tipo de coisa, a empresa ganha vantagem competitiva sobre as rivais seus custos diminuem. A Abril, que não tem PJs, já foi maior que a Globo.  Hoje é algumas vezes menor.

O risco para a empresa é que, em algum momento, em geral na saída, o PJ a processe. Foi o que Dornelles fez. Ele reivindica mais de 1 milhão de reais da Globo na Justiça. Empresas jornalísticas deveriam ter um comportamento exemplar nas práticas administrativas, dado o seu papel fiscalizador.  Você não pode cobrar retidão de governos e políticos  se faz curvas. Isso se chama cinismo. Há que ter muita desfaçatez para dar lições de moral quando você agride o interesse público ao recolher menos imposto do que deveria.

Em vários países, as autoridades estão trazendo à luz aberrações fiscais para que a sociedade se inteire de algo que é crítico para seu bom funcionamento. Na Inglaterra, vieram à luz os impostos pífios pagos por colossos como Google, Amazon e Starbucks com o propósito de embaraçar as empresas e forçá-las a pagar sua taxa justa. O caso Dornelles é uma lembrança oportuna de que o governo brasileiro deveria jogar luzes – o mais eficiente desinfetante —  nas práticas fiscais de empresas como a Globo com seus PJs de araque.

^Topo

TAGS » Carlos DornellesDornelles vs GloboTV Globo

Postado em » Mídia

Sobre o autor: Paulo NogueiraVeja todos os posts do autor Paulo Nogueira

O jornalista Paulo Nogueira, baseado em Londres, é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Diário do Centro do Mundo Por que o embate entre Carlos Dornelles e a Globo é de grande interesse público – Diário do Centro do Mundo

Filed under: Carlos DornelesLiberdade de ExpressãoRede Globo de Corrupção Tagged: Fórum da Liberdade  

4 horas atrás

FMI depende de subserviência

por Gilmar Crestani
 

O organismo que defende a financeirização e o poder dos bancos quer independência para defender seus interesses.

El FMI reclama la independencia de los bancos centrales

El organismo recuerda a los países emergentes que es clave para contener la inflación

Sandro Pozzi Nueva York 9 ABR 2013 – 17:42 CET8

Claro mensaje del Fondo Monetario Internacional a los Gobiernos de las economía emergentes que tratan de influir políticamente en sus bancos centrales. Pueden ser independientes en los papeles, señalan los expertos, pero no tanto en la práctica a la hora de adoptar sus decisiones. En este sentido, el organismo con sede en Washington destaca que la credibilidad en estas instituciones tiene como beneficio un mejor control del alza de precio.

El FMI acaba de publicar un estudio dedicado a las tensiones inflacionistas, centrado en este caso en las economías avanzadas por la situación atípica creada tras la masiva intervención monetaria que adoptaron para escapar de la crisis financiera. Pero es en los países en desarrollo donde la espiral alcista es más problemática, por el ritmo con el que avanzan sus economías. Este informe, dice John Simon, puede ser también de ejemplo para ellos.

El documento forma parte del paquete de análisis que va a la próxima la cumbre primavera. El título es revelador: “el perro que no ladra”. Se pregunta si la inflación en los países del norte está amordazada o simplemente es que el animal está dormido. Y está también latente el miedo de algunos economistas de que la máquina de hacer dinero esté funcionando a toda máquina a costa de recalentar la economía y de crear burbujas.

El FMI, en su análisis, señala que la estabilidad lograda en la inflación durante la Gran Recesión refleja el éxito a la hora de fijar objetivos en cuanto a la evolución de los precios. Y asegura incluso que se mantendrá “firme” cerca de esos objetivos conforme la recuperación económica vaya ganando vigor en las economías avanzadas. Es más, Simon cree que “el miedo a que se acelere el alza de precios no debe ser un impedimento a los estímulos”.

Y en su mensaje indirecto a los socios de los países emergentes, el estudio señala que la relación entre inflación y paro se fue mutando a lo largo de las últimas cuatro décadas gracias a la independencia de los bancos centrales a la hora de definir y ejecutar sus políticas. “Preservar esa independencia es clave para mantener controlada la inflación”, apostilla el documento. El FMI presenta en una semana la revisión de sus perspectivas de crecimiento.

El FMI reclama la independencia de los bancos centrales | Economía | EL PAÍS

Filed under: BancosFMI Tagged: Banco Central  

4 horas atrás

JB, envelhecido dois mil anos

por Gilmar Crestani
 

Barbosa foi grosseiro e antidemocrático, dizem magistrados

Após tensa reunião com o presidente do STF, associações de juízes dizem que ele agiu de forma imprópria para o cargo

No encontro, realizado anteontem, ministro discutiu com juízes por causa do projeto que cria 4 TRFs no país

DE BRASÍLIA

As três principais entidades de juízes do país acusaram ontem o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, de agir de forma antidemocrática, “desrespeitosa, premeditadamente agressiva, grosseira e inadequada para o cargo”.

Anteontem, em reunião no STF, Barbosa acusou representantes dessas entidades de atuar sorrateiramente para aprovar novos tribunais regionais federais no país.

A nota das entidades diz que ao permitir, “de forma inédita”, que a imprensa acompanhasse a reunião, Joaquim “demonstrou a intenção de dirigir-se aos jornalistas e não aos presidentes das associações, com quem pouco dialogou, pois os interrompia sempre que se manifestavam”.

O texto foi assinado pelos presidentes da Ajufe (juízes federais), Nino Toldo, da AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros), Nelson Calandra, e da Anamatra (juízes do Trabalho), João Bosco de Barcelos Coura.

O encontro anteontem intensificou ainda mais o clima beligerante entre o Supremo e a base do Judiciário desde que Barbosa assumiu a presidência do tribunal, em novembro do ano passado.

Em sua posse, por exemplo, o presidente do STF criticou magistrados que atuam politicamente para garantir promoções. Neste ano, reclamou de suposto “conluio” entre juízes e advogados.

Em outra ocasião, criticou congressos de juízes patrocinados por empresas em resorts de luxo.

SAIA JUSTA

O que era para ser um encontro diplomático se transformou num puxão de orelha. Irritado, Barbosa afirmou que os juízes induziram senadores e deputados ao erro na aprovação da emenda constitucional que criou os quatro tribunais.

Apostou que suas sedes serão construídas exatamente nos “resorts e grandes praias” e chegou a pedir a um dos dirigentes da Ajufe para abaixar o tom e só falar quando fosse autorizado.

Para as entidades, Barbosa “mostrou sua enorme dificuldade em conviver com quem pensa de modo diferente do seu, pois acredita que somente suas ideias sejam as corretas”.

No STF, o colega Marco Aurélio Mello afirmou que o episódio é “muito ruim para a instituição e para todos os magistrados”. Reservadamente, outros ministros também lamentaram o ocorrido.

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil chamou de “impertinentes” e “ofensivas” as declarações de Barbosa.

Senadores também reagiram às declarações. Relator no Senado da proposta de emenda constitucional que criou os tribunais, Jorge Viana (PT-AC) disse que Barbosa “errou feio” e adotou atitude que “deseduca”.

O presidente do Supremo não se manifestou sobre as críticas.

(FELIPE SELIGMAN E GABRIELA GUERREIRO)

Filed under: DitaduraJoaquim Barbosa Tagged: Poder JudiciárioSTF  

4 horas atrás

José Maria Marin foi parido pela Folha e adotado pela Globo

por Gilmar Crestani
 

Quem foi que emprestou carros para os agentes da ditadura transportarem clandestinamente em rumo às salas de tortura e morte? A Folha. Quem foi que chamou a ditadura de ditabranda, a Folha. Quem deu apoio para que o parceiro Ricardo Teixeira fosse substituído pelo inefável José Maria Marin? A Globo. A seguir, a defesa do energúmeno e depois a manifestação do filho de Herzog, morto sob os auspícios do ditos brandos.

Antes, o vídeo com José Maria Marin roubando uma medalha:

JOSÉ MARIA MARIN

TENDÊNCIAS/DEBATES

O ASSUNTO É: VLADIMIR HERZOG

Campanha sórdida

É calúnia e difamação dizerem que fui responsável pela morte de Herzog. Princípios republicanos sempre me guiaram

“Nobre deputado Wadih Helu, realmente o assunto levantado por V. Exa. nessa tribuna deve merecer uma atenção toda especial não só desta Casa, mas, principalmente, por parte do sr. secretário de Estado da Cultura e por parte do sr. governador do Estado.” (“Diário Oficial do Estado de São Paulo”, em 9/10/1975, p. 62.)

É uma calúnia e difamação declararem que fui responsável pela tortura e morte do jornalista Vladimir Herzog. E explico por quê. Em outubro de 1975 -38 anos atrás-, como deputado estadual, solicitei o aparte acima ao discurso que fazia o então deputado Wadih Helu para chamar a atenção de nossos governantes sobre o jornalismo parcial que, no meu entendimento, ocorria na TV Cultura.

Pedi providências do então secretário da Cultura, José Mindlin, e do próprio governador, Paulo Egydio, para esclarecer o sucateamento que ocorria em uma das poucas emissoras em que, à época, havia programas voltados à boa informação educacional e cultural para o povo paulista. Nada mais. Nesse aparte não pronunciei o nome de ninguém e me limitei apenas ao que a mídia comentava.

Os lamentáveis fatos que aconteceram depois nada têm a ver comigo, como insistem alguns. Só mentes doentias e perversas, ou cegas pela paixão, podem ver nessa simples recomendação qualquer acusação nesse ou naquele sentido.

Ou, pior, sustentar que dessa manifestação parlamentar possa ter nascido qualquer outra consequência, a não ser a simples apuração do motivo por que a TV Cultura havia interrompido a divulgação das obras e realizações feitas pelos governos estadual e municipal. Esse era o único objeto do discurso de Helu.

Nos anos que se sucederam, desempenhei cargos de significativa importância, como vice-governador de São Paulo, presidente da Federação Paulista de Futebol e governador de São Paulo no biênio de 1982-83. Tinha, portanto, visibilidade e, apesar disso, não sofri nenhuma crítica ou menção de que eu havia sido “responsável” pela morte de Herzog.

Um discurso genérico, feito numa Assembleia Legislativa, jamais poderia ter gerado coisa alguma, quanto menos uma prisão 20 dias depois. Mais: é sabido por todos que atuavam naqueles tempos que os deputados não tinham o menor poder sobre os órgãos de Estado.

Na época do regime militar, eu era, sim, deputado de um partido governista, tanto quanto muitos outros políticos que hoje apoiam o governo federal. Nem por isso esse ou aquele pode sofrer injustas ou agressivas acusações pelo histórico de vida pública que possuem. Ninguém deve negar a própria biografia. E a minha vida pública sempre foi -em todos os momentos- pautada pelos princípios republicanos que até hoje me guiam.

Quem faz de conta ignorar a história do Brasil não pode impunemente me caluniar ou difamar. Tenho orgulho de ter governado o maior Estado da Federação e, dentre tantas atitudes ali adotadas, ter extinguido o Dops de São Paulo e transmitido o cargo ao governador Franco Montoro, meu sucessor, de forma absolutamente democrática. Aprendi que liberdade e justiça devem andar lado a lado.

A minha atenção hoje está totalmente voltada ao futebol brasileiro. O meu maior desejo é cumprir com as minhas responsabilidades à frente da CBF. E, principalmente, conquistar a Copa das Confederações e o tão sonhado hexacampeonato na Copa do Mundo de 2014. Não estou medindo esforços.

Cheguei aos 80 anos com a certeza de que cumpri e continuo cumprindo decentemente todas as missões que me foram confiadas, sem nenhum arrependimento. Não permitirei que mentiras repetidas à exaustão pareçam verdades aos olhos de alguns. Hoje penso, respiro e vivo o futebol brasileiro 24 horas por dia. Assim é a minha vida e a minha história.

JOSÉ MARIA MARIN, 80, ex-governador de São Paulo (1982-83), é presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e do COL (Comitê Organizador Local da Copa)

 

IVO HERZOG

TENDÊNCIAS/DEBATES

O ASSUNTO É: VLADIMIR HERZOG

A Copa do Mundo é nossa, não dele

É intolerável que o anfitrião do principal evento esportivo de nossa história seja alguém que incitou a violência contra opositores da ditadura

Abro aspas: “Queremos prestar nossos melhores cumprimentos a um homem que, de há muito, vem prestando relevantes serviços à coletividade, embora nem sempre tenha sido feita justiça ao trabalho (…) Queremos trazer nossos cumprimentos e dizer do nosso orgulho em contar na polícia de São Paulo com o delegado Sérgio Paranhos Fleury”.

Essa é apenas uma pequena parte do discurso proferido por José Maria Marin no dia 7 de outubro de 1976, quase um ano após a morte do meu pai. Poucos dias antes de seu assassinato, Marin havia subido à tribuna para pedir providências do Estado contra a TV Cultura, “a fim de que a tranquilidade volte a reinar não só nessa casa, mas principalmente nos lares paulistanos”.

José Maria Marin não apenas incitou ações de violência contra os jornalistas que se opunham à ditadura brasileira (1964-1985), como também pediu o reconhecimento ao, para ele, exemplar trabalho executado pelos torturadores, sequestradores e assassinos daquele período.

Sérgio Fleury foi o principal agente do governo de comando das ações “secretas” do DOI-Codi em São Paulo. Centenas de pessoas foram presas e torturadas. Dezenas assassinadas. De algumas, até hoje, os familiares não têm informação sobre o paradeiro dos corpos.

O Brasil receberá o mundo para o maior evento esportivo de nossa história. O anfitrião dessa festa, nosso principal representante, será José Maria Marin. Ou não! Acredito que, à medida que revelarmos o caráter dessa pessoa, aqueles que estão à frente do nosso futebol e outros setores da sociedade pedirão sua saída.

É aceitável uma entidade privada ter na sua liderança uma pessoa de princípios que, suas próprias palavras o confessam, seguem na direção oposta à democracia e à defesa dos direitos humanos? Eu acho que não.

Há inúmeros casos de empresas que substituíram seus presidentes ao descobrirem fatos passados que conflitavam com os valores institucionais. A Fundação Livestrong, criada pelo ciclista Lance Armstrong, o removeu da presidência com a revelação do uso de doping.

Quais os valores dos representantes do nosso futebol?

A CBF, as 27 federações estaduais de futebol e os 20 clubes da série A têm agora conhecimento do passado de Marin. Cópias de seus discursos e da petição com mais de 53 mil assinaturas pedindo sua saída foram entregues a essas entidades.

Nosso país se orgulha da alegria e receptividade de seu povo. Um povo que sofreu as maiores demonstrações de intolerância da história da humanidade: o quase extermínio dos povos indígenas. Séculos de escravidão. E décadas de autoritarismo de um Estado não democrático.

Hoje, conquistamos a democracia com a contribuição de movimentos sociais e com inúmeras concessões (ainda difíceis de digerir), como a Lei da Anistia. Mas, dentre aqueles que violaram direitos humanos e executaram ações de tortura e assassinato, há não só os que não puderam ser trazidos à Justiça, como muitos que nem sequer têm seus nomes conhecidos.

Pensar em recompensar um desses personagens com a glória de ser o responsável por receber o mundo em nome do povo brasileiro na ocasião da Copa do Mundo é inaceitável. Intolerável. A Copa do Mundo é nossa. Não do Marin.

IVO HERZOG, 46, engenheiro naval, é filho do jornalista Vladimir Herzog

Filed under: CBFGrupos MafiomidiáticosJosé Maria MarinVladimir Herzog Tagged: Roubo de Medalha  

5 horas atrás

Apesar da Folha, Haddad supera os insuperáveis

por Gilmar Crestani
 

fsp_10042013Judith Brito em ação numa matéria típica dos grupos mafiomidiáticos. Na capa, quando se trata de desmerecer seus inimigos, a Folha aplica a indefectível adversativa “mas”:

Haddad tem aprovação de 31%, mas 
metade de SP esperava mais dele

Haddad supera aprovação de Serra e Kassab em cem dias

Com 31% de ótimo ou bom, prefeito é mais bem avaliado que antecessores

Serra era aprovado por 20% e Kassab por 16% em começo de governo; desejo de mudança influencia resultado

DE SÃO PAULO

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), completa cem dias de governo com avaliação melhor que a dos dois antecessores em período semelhante no cargo.

O desempenho do petista foi considerado ótimo ou bom por 31% dos moradores, segundo pesquisa Datafolha.

Outros 42% avaliaram Haddad como regular e 14%, como ruim ou péssimo. O instituto entrevistou 1.096 pessoas nos dias 4 e 5 deste mês.

Dentre os prefeitos em primeiro mandato a partir de Luiza Erundina, a performance em começo de governo só não supera a de Marta Suplicy (PT), que, em abril de 2001, teve 34% de ótimo ou bom.

Com cem dias, Gilberto Kassab (PSD) e José Serra (PSDB) tinham 16% e 20% de aprovação, respectivamente.

No segundo mandato, após ser reeleito, Kassab atingiu 45%, mas ele já estava havia mais de dois anos no cargo.

Entre os que mais aprovam a gestão do novo prefeito, destacam-se os segmentos menos escolarizados (38% de ótimo ou bom) e os mais pobres, com renda até dois salários mínimos (36%).

O índice de aprovação é mais baixo (23%) entre os que possuem ensino superior.

DESEJO DE MUDANÇA

O diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, diz que parte da aprovação de Haddad pode ser explicada pelo desejo de mudança que dominou a última eleição.

Não por acaso, quase 9 entre 10 entrevistados declaram agora esperar que Haddad se caracterize por ações diferentes das de seu antecessor.

Ao sair da prefeitura, Kassab teve a segunda pior avaliação da história recente de São Paulo (42% de ruim/péssimo), só melhor que a de Celso Pitta, reprovado por 81% no fim do mandato, em 2000.

Prefeitos muito mal avaliados durante seus mandatos, diz Paulino, costumam deixar -involuntariamente- aos seus sucessores oposicionistas uma espécie de fôlego extra em relação ao ímpeto reivindicativo da população.

O mesmo fator também ajuda a explicar a aprovação de Marta no começo de seu mandato, ao substituir Pitta.

Filed under: Fernando HaddadFolha de São Paulo Tagged: Datafolha  

5 horas atrás

Quem recebe Fux merece ser condenado

por Gilmar Crestani
 

Só pela ignorância…

ENTREVISTA – JOSÉ DIRCEU

‘Fux disse que ia me absolver’

EX-HOMEM FORTE DO PT CONDENADO NO MENSALÃO DIZ TER SIDO ‘ASSEDIADO’ QUANDO MINISTRO ESTAVA EM CAMPANHA PARA STF

FERNANDO RODRIGUESEM SÃO PAULOMÔNICA BERGAMOCOLUNISTA DA FOLHA

O ex-ministro José Dirceu, 67, afirmou ontem que foi “assediado moralmente” pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux, e disse que ele prometeu absolvê-lo no julgamento do mensalão.

Em entrevista à Folha e ao UOL, ele diz que foi procurado pelo magistrado há cerca de dois anos, quando Fux ainda era ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e fazia campanha para ser indicado pela presidente Dilma Rousseff para integrar o STF.

O “assédio” teria durado seis meses, até Dirceu concordar em recebê-lo. Durante o encontro, o ex-ministro diz que, sem que perguntasse nada, Fux “tomou a iniciativa de dizer que ia me absolver”.

Segundo Dirceu, “ele, de livre e espontânea vontade, se comprometeu com terceiros, por ter conhecimento do processo, por ter convicção”.

Fux votou pela condenação de Dirceu. O petista afirmou que ele “já deveria ter se declarado impedido de participar desse julgamento”.

Ex-homem forte do PT e do governo Lula, Dirceu foi condenado pelo STF a dez anos e dez meses de prisão. Seus advogados aguardam a publicação dos votos dos ministros, que deve ocorrer em breve, para apresentar recursos e tentar reverter a sentença.

Em dezembro do ano passado, Fux admitiu à Folha que encontrara Dirceu quando estava em campanha para o STF, mas negou ter prometido sua absolvição. Ele disse que leu o processo depois e que ficou “estarrecido”.

Dirceu diz que o argumento de Fux é “tragicômico” e “soa ridículo, no mínimo”. A seguir, os principais trechos da entrevista do ex-ministro.

Folha/UOL – Como foi seu encontro com Luiz Fux? 
José Dirceu – Eu não o conhecia, eu fui assediado moralmente por ele durante mais de seis meses para recebê-lo.

Como foi esse assédio? 
Através de terceiros, que eu não vou nominar. Eu não queria [recebê-lo].

Quem são esses terceiros? 
São advogados, não são lobistas. Eu o recebi, e, sem eu perguntar nada… Porque ele [hoje] dizer para a sociedade brasileira que não sabia [na época do encontro] que eu era réu do processo do mensalão é tragicômico. Soa ridículo, no mínimo, né? Como o ministro do STJ [cargo ocupado na época por Fux] não sabe que eu sou réu no processo? E ele tomou a iniciativa de dizer que ia me absolver. Textualmente.

Assim? 
Eu disse: “Eu não quero que o sr. me absolva. Eu quero que o sr. vote nos autos. Não é porque não tem prova, não. Eu fiz contraprova porque eu sou inocente”. Para fazer uma síntese do encontro, é isso.

E o sr. acreditava que ele ia inocentá-lo? Isso pesou na nomeação dele [de Fux para o STF]? A presidente Dilma levou isso em consideração? 
Não acredito que tenha pesado, não acredito que tenha pesado.

Na hora de discutir a nomeação dele… 
Eu não participei. Porque, evidente, eu como réu tinha que tomar todos os cuidados para evitar que minha situação se agravasse, como o resultado final mostrou.

Como é que o sr. se sentiu quando o ministro Fux votou pela sua condenação? 
Depois dos 50 anos que eu tenho de experiência política, infelizmente eu já não consigo me surpreender. A única coisa que eu senti é a única coisa que me tira o sono. Nem a condenação me tira o sono porque tenho certeza que eu vou revertê-la.

O que foi? 
O comportamento do ministro Luiz Fux. Porque é um comportamento que… Ele, de livre e espontânea vontade, se comprometeu com terceiros, por ter conhecimento do processo, por ter convicção, certo? Essa é que era a questão, que ele tinha convicção e conhecimento do processo. É um comportamento quase que inacreditável.

O sr. acha que cabe alguma medida no caso? 
Eu acho que ele já deveria ter se declarado impedido de participar desse julgamento.

A sua defesa vai apresentar recursos [para reverter a condenação]. O sr. tem esperança? 
Vai apresentar. Depois do transitado em julgado, vamos para a revisão criminal. E vou bater à porta da Comissão Internacional de Direitos Humanos. Não é que fui condenado sem provas. Não houve crime, sou inocente; me considero um condenado político. Foi um julgamento de exceção, político.

Mas era um tribunal cuja maioria foi nomeada pelo ex-presidente Lula e por Dilma. 
Uma coisa não tem nada a ver com a outra. O que caracterizou o julgamento como político é evidência pública. Um julgamento que foi deliberadamente marcado com as eleições [municipais de 2012]. A transmissão de um julgamento como esse pela TV é algo inacreditável.

O sr. acha que os ministros ficaram com medo da TV? 
É evidente que houve pressão externa sobre o Supremo. Enquanto eu suspirar, vou lutar para provar a minha inocência. Porque eu nunca tive a presunção da inocência. Eu não consigo entender por que eu fui condenado. Porque eu era ministro? Chefe da Casa Civil? Líder do PT? Mas onde estão as provas? Os recursos tiveram origem em empréstimos que as empresas do Marcos Valério fizeram em um banco e que foram repassados para o PT. E eu estava na Casa Civil, não estava na direção do PT. Não respondia pelas finanças nem pelas decisões executivas do PT.

Se o ex-presidente Lula não tem nada com isso, por que Marcos Valério é recebido por Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula e um de seus assessores mais próximos? 
Boa pergunta para ser dirigida ao Paulo Okamotto. Eu nunca tive nenhum contato com Marcos Valério. Nem antes nem depois. E o Lula não tem nenhuma preocupação. Conheço os fatos, ele não tem nada a ver com isso. Absolutamente. A não ser que se queira, agora, dar um golpe que não conseguiram dar antes. Quer dizer, transformar o Lula em réu na Justiça brasileira. A não ser que se vá fazer esse tipo de provocação ao PT e ao país, à nação brasileira.

Filed under: GolpismoLuiz Fux Tagged: STF