Curiosas Lendas que Muita Gente Acreditou (ou acredita)

por literatortura
 

 

 Por Ubi Diego, 

O mundo não acabou em 2012 (óbvio, né…), mas, uso o exemplo para mostrar como fenômenos dessa maneira podem se espalhar pelo mundo inteiro. É comum o surgimento desse tipo de lenda, que, com a expansão das redes sociais vão se tornando cada vez mais populares.                      

Um dos casos mais recentes são os estranhos sons, semelhantes ao de uma enorme máquina, vindos do céu e registrados em vídeo em vários países. Não se sabe se são reais ou não. No início, acreditava-se que se tratava do viral para algum filme ou seriado, mas os vídeos continuam surgindo e nenhuma explicação foi dada.                                                                                                        

Essas lendas é claro, rondam também as produções cinematográficas, o mundo da música etc. Por isso, separei apenas alguns desses casos, não apenas do cinema ou da música, mas boatos que foram divulgados na imprensa internacional e que muita gente acredita até hoje – e, que fique bem claro, não estou julgando ninguém e nenhuma crença, apenas estou relatando histórias que não foram OFICIALMENTE comprovadas.

 

01 – Filmes Amaldiçoados

O Corvo, Apocalipse Now, Poltergeist… As lendas que sugerem maldições em produções cinematográficas são tão numerosas que renderiam um post único. Por isso, destacarei aqui apenas duas delas.                                        

Começando pelo clássico O Exorcista, que segundo boatos, não desmentidos pela produção, 9 pessoas envolvidas no filme teriam morrido de repente. Um incêndio também teria destruído grande parte do cenário. No dia da premiére do filme em Roma, um raio destruiu uma cruz que existia há séculos. Dizem que William Friedkin, o diretor, chegou a pedir que um padre exorcizasse o set de filmagens.                                                                                                           

Há também, um filme não tão conhecido, até porque, segundo comentários, foi arquivado por ser amaldiçoado. Trata-se de Incubus, uma produção de 1965 dirigida por Leslie Stevens e com Willian Shatner (do seriado Jornada nas Estrelas) no elenco. 6 meses após a estreia, o ator principal Milos Milos matou sua namorada e se suicidou. Dois anos após as filmagens, a filha da atriz Eloise Hardt  foi seqüestrada e morta. Meses após a produção, alguns cenários foram incendiados misteriosamente. A atriz Ann Atmar cometeu suicídio 12 dias antes da estreia do filme.  A produtora Daystar Productions, que pertencia ao diretor, entrou em Concordata. Na semana em que Incubus foi lançado em DVD, Nerine Kidd-Shatner, a terceira esposa de Will Shatner se afogou na piscina.

 

02 – Paul McCartney está Morto

 

Paul McCartney morreu em 09 de novembro de 1966. Como os Beatles estavam no auge da carreira, colocaram em seu lugar um sósia que até hoje lota shows usando o nome do ídolo por aí. Pelo menos é o que diz lenda que gerou até livros. A causa da morte teria sido um atropelamento e após a farsa, John Lennon, que não concordava com o segredo espalhara “mensagens subliminares” nos discos.                                                                                                  

Essas mensagens seriam pistas como na capa do disco Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band que lembra um funeral e na contracapa do mesmo disco no qual Paul é o único da banda de costas.                                                        

No encarte de Magical Mistery Tour, na foto central, estaria escrito na bateria de ringo: “Love 3 Beatles”, sugerindo que só restavam 3 beatles. Já no álbum Abbey Road, Paul é o único que atravessa a rua descalço [que, segundo alguns boatos, seria um “símbolo mítico” para quem “atravessa o outro caminho”]. Além disso, ele segura o cigarro na mão direita, porém o “verdadeiro” beatle era canhoto.                                                                                                                                      

O que leva muitos “crentes” à loucura é que no final da canção Strawberry Fields Forever, aparentemente Lennon diz “I buried Paul”, ou “Eu Enterrei Paul”. Porém, um tempo depois John afirmou que na verdade o que ele diz é “Cranberry Sauce” que é um molho de tempero.                                                     Desenhos de uma mão sobre a cabeça de Paul nos discos, mensagens em letras… Alguns levaram tão a sério que dedicaram muito tempo procurando essas possíveis pistas que dariam uma lista enorme.

 

03 – Chupa Cabras

 

Eu confesso: fui uma criança que teve medo do Chupa Cabras nos anos 90. A história desse personagem começou em Porto Rico, onde alguns animais como galinhas e ovelhas foram encontrados mortos com marcas de presas, corpo sem órgãos e com o sangue totalmente sugado. O fenômeno foi se repetindo em diversos lugares até chegar ao Brasil em 1996, onde foram encontrados diversos animais mortos com as mesmas características.                       

O “Monstro” foi noticia em diversos jornais. Ainda me lembro de comentários feitos no Jornal Nacional e no Programa do Gugu. Gente com medo, gente que afirmava ter visto a criatura. Contudo, a história logo foi sendo esquecida e se tornou só mais uma lenda. O personagem ganhou até mesmo um filme brasileiro em 2012, bem nojentinho por sinal, intitulado A Noite do Chupa Cabras.

 

04 – Elvis não Morreu

“Elvis não morreu, só foi pra casa” é o que diz O Agente K, personagem de Tommy Lee Jones, no primeiro MIB – Homens de Preto, sugerindo que o Rockstar era um alienígena. Não acho que muita gente acredite que o músico tenha mesmo vindo de outro planeta, mas a parte do “Não Morreu”, essa sim tem muitos seguidores.            

O que muitos acreditam é que Elvis havia realizado a farsa para poder descansar, já que a carreira estava se tornando um enorme peso. Além disso, ele estaria sendo ameaçado por mafiosos, por razões não claras. Várias pessoas dizem ter visto o ídolo após sua suposta “falsa morte”. Uma dessas testemunhas o teria visto na Argentina. Realmente é fato que o Rei do Rock possuía uma casa no país, contudo, nenhuma das aparições foi provada.                                                                                                                                              

No livro Is Elvis Alive?: The Most Incredible Elvis Presley Story Ever Told, de 1988, o autor Gail Brewer-Giorgio fala sobre as evidências de que Presley não teria morrido em 1977.

 

05 – Robert Johnson e seu Pacto com o Diabo

 

Robert Johnson, um dos maiores, senão o maior nome do Blues teria feito um pacto com o Anti-Cristo para poder obter todo esse respaldo. Reza a lenda que ele vendeu sua alma na encruzilhada das rodovias 49 e 61 no Sul dos Estados Unidos.                                                                                                                  Aparentemente o boato surgiu pelo também cantor de Blues, Son House, que era tutor de Johnson e acreditou que esta fosse a única explicação, para o Jovem Robert, que tocava tão mal, aparecer pouco tempo depois como um fenômeno dos violões.                                                                                                                       

O filme Crossroad – A Encruzilhada do Diabo, de 1986, com Ralph Machio, é baseado na lenda em que Robert Johnson e outros músicos teriam feito este pacto. No filme, um garoto parte em busca de uma canção perdida de Johnson.                                                                                                                            Só pra constar, o músico morreu aos 27 anos.

Aproveita para conferir: Robert Johnson e as raízes do blues

06 – Alienígenas e a Área 51

A lenda diz que um disco voador acabou caindo em Roswell, estado do Novo México(EUA) em 1947. Acidente que vitimou fatalmente alguns tripulantes. Porém, ao dizerem que se tratava de um balão meteorológico, logo a história caiu no esquecimento. O caso permaneceu esquecido, por 30 anos, até que em 78 um fotógrafo da marinha americana, já aposentado, apresentou fotos do que diz ser corpos de alienígenas, recolhidos no tal acidente.                                                   

O caso trouxe muitas polêmicas, até que explicações foram dadas sobre as fotos, sobre o acidente e tudo mais. A questão é que muitos acreditam até hoje que seres alienígenas se acidentaram no nosso planeta na década de 40. O caso é associado à Área 51, dos Estados Unidos. Que aparentemente seria uma base militar secreta (ou nem tão secreta) que nem ao menos consta nos mapas. O nome “Área 51” foi usado nas décadas de 50 e 60, mas hoje é chamada Air Force Flight Test Center, Detachment 3, o Centro de Testes de Vôo da Força Aérea.                                                                                             

Nenhuma aeronave tem permissão para sobrevoar o local e acredita-se que o local abriga destroços de óvnis, o que é negado pelo governo americano, é claro. A base já foi tema de diversos filmes, HQ’s, seriados e até de games. O lugar teria sido fundado em 1951, mas sua existência só foi admitida pelo governo em 1994.

 

*Bônus: A cantora Elba Ramalho diz ter sido abduzida por seres extraterrestres que lhe implantaram um chip, que mais tarde foi retirado por seres divinos iluminados. Raul Seixas e muitos outros artistas também afirmam que trocaram experiências com seres de outros planetas e Fiuk alega que sua depressão foi curada após ver um Disco Voador.

É claro que existem muito mais mitos, lendas e teorias de conspirações que acabaram ficando de fora dessa lista. Alguns deles criados por quem realmente tem fé naquilo, outros são frutos de alguma brincadeira. Imagino quantas pessoas devem estar esperando a menina que os mataria caso não repassassem suas correntes nas redes sociais.                                                            

Sou muito cético a quase tudo, mas por mais incríveis que sejam as lendas, muitas pessoas acreditam. E, repito, o meu papel aqui não é de julgar, por favor, é apenas o de apresentar algumas histórias misteriosas, intituladas de “lendas”, pois não foram OFICIALMENTE comprovadas. Além do mais, admiro e realmente me divirto muito com a criatividade daqueles que criam tais lendas.

******

Gostou deste post? O literatortura lançou uma revista com temática exclusivamente cultural, para que nossos leitores possam aproveitar de um conteúdo ainda mais aprofundado e qualificado! Não perca! Clique na imagem e assine!

_________________________________________________________________________________________________

Diego (Ubi) cursa História na Unioeste, é fã de Histórias em Quadrinhos, Rock n’ roll e acredita que foi rejeitado pela Seleção Natural de Darwin.”Ubi Diego

 

_________________________________________________________________________________________________

6 horas atrás

REVIEW | Guerra Dos Tronos 3X02: Dark Wings, Dark Words

por literatortura
 

joffrey e mar

 

Por Gustavo Magnani, 

Como prevíamos no primeiro episódio, este aqui foi focado em três principais personagens: Arya, Bran e Jaime. Daenerys, Stannis e alguns outros, ou foram completamente deixados de lado, ou apareceram muito pouco – caso de Tyrion, Jon, Sam e Robb.

Mas, uma das qualidades – ao meu ver – do seriado é justamente aquilo que alguns acham defeito: sua diversidade de personagens. Não precisamos ficar preso a tramas ou a situações, pois sempre aparecerão novos conflitos e dilemas. E isso ficou muito claro no segundo episódio da temporada. Bem melhor dosado que o primeiro, tivemos bons momentos e boas apresentações. Porém, o mais notável foi a sensação de que algo muito bom está por  vir. De que a série está em movimento e, uma hora ou outra, “explodirá”. Bastante diferente do primeiro episódio, que não foi ruim, mas ficou numa malemolência incômoda.

 

Os irmãos Reed finalmente apareceram – eles fazem parte do segundo livro, mas, para a série, entraram apenas agora –. E vieram de uma maneira bastante intrigante, causando um belo ar de mistério nos personagens. Principalmente no irmão. Confesso que, comparativamente, o Jojen é muito mais carismático no seriado do que na obra literária. Ponto para os produtores. Bela mudança.  Podemos esperar muitas novidades no mundo de Bran.

Quanto a outra Stark que foi foco do episódio [Arya] tudo se conduziu de maneira bastante coesa. Ponto alto – literalmente – para a flechada de Angus para o ar, quase caindo na cabeça do “culpado pela fome de Westeros” – fazia tempo que eu não ria com Game Of Thrones. Surpresa agradável. A Irmandade pode render bons momentos para o seriado.

Porém, me incomodei com a descoberta de Arya através dos olhos do Cão-de-caça. Eu sabia que aconteceria assim, porém, foi muita burrice para uma personagem sagaz como a caçula Stark, querer passar pelo lado do cavaleiro. Ela poderia ter ido pelos fundos, abaixado, criado uma confusão, não sei. Mais interessante seria ela ter tentado escapar, os homens da Irmandade a pararem e, então, Clegane perceber quem ela se tratava. Tive a impressão de que eles quiseram apressar a cena, mas, apressar aqui para ficar de embrotion com Shae e Tyrion?

Ciuminho daqui, ciuminho dali. Se essa cena serviu de algo foi para mostrar que Tyrion é vulnerável quando se trata de sua amada. E, talvez para sabermos que ele está informado do interesse de Mindinho em Sansa – já reclamei dessa baboseira no episódio passado, não me repitirei.

Quanto a Sansa, sua cena com Margaery e a avó, foi realmente muito boa. Tecer elogios à produção de arte de Guerra dos Tronos é querer se repetir. Mas, a gente tem que se repetir, as vezes, para valorizar o incrível trabalho desse pessoal e da HBO, num todo. A vivacidade da velha remonta aos melhores personagens dessa trama. Sua aspereza e sinceridade elevam o nível de qualquer diálogo. E se ela quer queijo agora, ora bolas, deve ter queijo agora!

Margaery protagonizou outra cena excepcional: ela segurando a besta do, digo, de, Joffrey. A química entre os personagens chega a ser um tanto assombrosa. A gente sempre imaginou que o reizinho não pudesse se relacionar decentemente com ninguém – principalmente depois do espancamento de prostitutas na temporada passada -, mas, Margaery soube domar o leão muito bem e valorizar aquilo que ele queria que fosse valorizado. Joffrey é o tipo de pessoa que só ouve o que quer ouvir. Isso é terrível para quem quer o bem do próprio [por exemplo, Cersei], mas, ótimo para quem quer se aproximar.

 

Jaime é outro personagem que rouba a cena quando aparece, tanto pelo visual imponente quanto pela psíque do personagem. Provocar Braine já não é muito difícil – em Westeros, uma mulher querer ser guerreira já é motivo de piada – e o Lannister sabe disso. Quando, enfim, começam a lutar, ele mesmo com as mãos acorrentadas dá certo trabalho para a guardiã. Por pouco tempo. Até que o cansaço o domina. Mas, em meio a isso, uma pergunta interessante foi jogada: Brainne não pode matar Jaime pelo juramento que serviu a Lady Stark. Assim, de certa maneira, o Regicida está “protegido” tanto dela, quanto dos outros.

Isso seria verdade se um pequeno grupo de cavaleiros não tivesse aparecido para encurralar os dois. Como o seriado abriu mão de algumas coisas do livro – inclusive de um personagem que os acompanha nessa jornada -, o caminho para fazer com que Jaime fosse reconhecido foi, realmente, muito bom. Um andarilho – ao qual Brainne decidiu poupar – os entregou e recebeu sua moeda de prata. O futuro do prisioneiro não parece muito para ele, mas extremamente benéfico para o seriado. Para onde irá, agora, Jaime Lannister?

Para finalizar, o segundo episódio foi melhor que o primeiro. Mais coeso e mais “criador de expectativas”. Tivemos, inclusive, Theon – que só aparece no quarto livro – sendo torturado. Bem verdade que ainda falta um pouco de explosão, de momentos realmente marcantes. Porém, a sensação de que eles estão sendo construídos, para mim, está bastando.

______

No trono dos leitores: O seriado está tomando um caminho diferente da obra literária, mas, que terá, acredito eu, o mesmo destino. É claro que os leitores, como eu,  ficam apreensivos e colocam a qualidade do seriado em cheque, pois algumas decisões são, realmente, incompreensíveis – por enquanto, pelo menos -. Por exemplo, o diálogo de Sansa e Mindinho. Agora, o diálogo de Shae e Tyrion. Theon aparecer é o “correto”. O personagem ganhou grande apelo na temporada passada e seria um erro deixar de mencioná-lo por hora. Todavia, estou vendo que as coisas estão apressadas demais. Depois da segunda temporada, aprendi a confiar na capacidade de adaptação dos produtores. Mas, confesso estar receoso com o rumo de algumas dessas decisões. É esperar para ver.

No trono das amizades improváveis: Joffrey conquistou um amigo nesse novo episódio, pela sua frase “mulheres inteligentes são aquelas que obedecem”. Marco Feliciano comemorou! 

*****

Gostou do post? O literatortura lançou uma revista com temática exclusivamente cultural, para que nossos leitores possam aproveitar de um conteúdo ainda mais aprofundado e qualificado! Não perca! Clique na imagem e assine!

_______________________________________________________________________________________________________

Gustavo Magnani, estudante de Letras da UFPR, proprietário do literatortura. Está revisando o primeiro livro, mas sente dificuldades hercúleas para escrever uma bio. [e, como pode-se notar, adora metalinguagem]

Anúncios