Lobão desmente risco de apagão e garante que não há possibilidade de desabastecimento de energia no país

por Nogueira Junior
 
 
Sabrina Craide, Agência Brasil 
“O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, garantiu hoje (8) que não haverá racionamento de energia no país e não há nenhum risco de desabastecimento durante a Copa das Confederações neste ano e na Copa do Mundo de 2014. Lobão convocou entrevista coletiva para desmentir matérias publicadas recentemente na imprensa que dizem que atrasos nas obras de energia podem levar o país a um racionamento de energia. 
“Lamento o tom alarmista com que isso vem sendo tratado. Não quero crer que haja nisso qualquer motivação política, mas o fato é que, com isso, desassossega-se o país e geram-se incertezas econômicas”, disse Lobão. Segundo ele, os atrasos em obras no setor elétrico não porão em risco a  segurança do sistema elétrico brasileiro, “em nenhuma hipótese”, porque o país tem garantido o suprimento para hoje e para os próximos anos. Mais informações » 
32 minutos atrás

A agonia do Estadão

por Nogueira Junior
 
 
A verdade é que muita árvore foi derrubada à toa pelo jornal dos Mesquitas 
Paulo Nogueira, Diário do Centro do Mundo / Brasil 247 
O Estadão está virtualmente morto.
Está cumprindo todas as excruciantes etapas da agonia dos jornais (e das revistas) na era da internet: demissões, demissões, demissões. Menos páginas, borderôs menores.

E futuro nenhum.

Pode ser que, em breve, o Estadão circule duas ou três vezes por semana, como está acontecendo com tantos jornais no mundo.
A Folha, em outras circunstâncias, vibraria. Na gestão Frias, um dos dogmas na Barão de Limeira era que apenas um jornal sobreviveria em São Paulo.

Semimorto o Estado, ficaria a Folha, portanto.

Mas os problemas da Folha são exatamente os do Estado. Pela extrema má gestão dos Mesquitas, eles apenas estão levando mais cedo o Estadão ao cemitério.

Isso quer dizer que não vai sobrar nenhum.
Mais informações » 

8 horas atrás

Charge do Bessinha

por Nogueira Junior
 
 
8 horas atrás

Época difama o ministro Lewandowski, futuro presidente do Supremo

por Nogueira Junior
 
 
Conceição Lemes, Vi o Mundo   “O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e a mídia têm entalado o ministro Ricardo Lewandoswki, do Supremo Tribunal Federal (STF).

No julgamento do “mensalão”, Lewandowski não cedeu  à espetacularização do Ministério Público (MP) e às condenações midiáticas. Rejeitou a pressão maciça da chamada grande imprensa, encarando-a com dignidade e seriedade. Honrou a toga e o Direito brasileiro. Fez o que se esperava de alguém na sua posição: Justiça e defesa do Estado democrático no País.

Perguntado por esta repórter o que achava de Lewandowski ter sido até insultado pela mídia, o professor Dalmo de Abreu Dallari, um dos mais renomados e respeitados juristas brasileiros, respondeu:

A mesma imprensa que faz referências agressivas ao ministro Lewandowski é a que vem exigindo a condenação e não um julgamento imparcial e bem fundamentado de todos os casos. É a mesma imprensa que aplaudiu o STF, quando ele, no início do julgamento do chamado mensalão, passou por cima das nossas leis, extrapolando a sua competência. Nesse caso, o ministro Lewandowski tem sido o verdadeiro guardião da Constituição brasileira.
Pois neste final de semana o ministro sofreu novo ataque, pesadíssimo.” Foto: Carlos Humberto/SCO/STF Artigo Completo, ::AQUI:: 

9 horas atrás

Os vendedores de vento

por Nogueira Junior
 
Alguns “investidores financeiros” estão à beira do pânico. Eles precisam convencer o País da necessidade de as taxas de juros subirem. Foto: Olga Vlahou

Delfim Netto, CartaCapital 
“Não há nenhuma razão para imaginar que a elevação do juro real, hoje, vá produzir alguma modificação importante na taxa de inflação ou na sua expectativa. O que existe é um estado de excitação provocado pelos “vendedores de vento”, intermediários da pura especulação financeira, ora espremidos pela baixa do juro e desesperadamente necessitados de uma alta da Selic. 
Não são agentes de financiamento da produção, pois vivem de comprar e vender papéis da riqueza imaginária representada pelos famosos derivativos cáusticos, em transações cada vez mais complicadas, com a baixa dos juros. 
Alguns desses “investidores financeiros” estão à beira do pânico. Eles precisam “vender” para a sociedade a ideia de que somente a elevação dos juros poderá evitar o crescimento da inflação. Pretendem, na realidade, receber antecipadamente as comissões relativas às aplicações dos incautos que pensam estar construindo uma poupança para reforçar a aposentadoria, mas em lugar disso estão empobrecendo. Mais informações » 

10 horas atrás

O processo contra Lula e a força do simbolismo

por Nogueira Junior
 
Como Getúlio e Juscelino, cada um deles em seu tempo, Lula é símbolo do povo brasileiro. Acusam-no hoje de ajudar os empresários brasileiros em seus negócios no Exterior. O grave seria se ele estivesse ajudando os empresários estrangeiros em seus negócios no Brasil. 
Mauro Santayana, Carta Maior 
O Ministério Público do Distrito Federal – por iniciativa do Procurador Geral da República – decidiu promover investigação contra Lula, denunciado, por Marcos Valério, por ter intermediado suposta “ajuda” ao PT, junto à Portugal Telecom, no valor de 7 milhões de reais.

O publicitário Marcos Valério perdeu tudo, até mesmo o senso da conveniência. É normal que se sinta injustiçado. A sentença que o condenou a 40 anos de prisão foi exagerada: os responsáveis pelo seqüestro, assassinato e esquartejamento de Eliza Salmúdio foram condenados à metade de sua pena.

Assim se explica a denúncia que fez contra o ex-presidente, junto ao Procurador Geral da República, ainda durante o processo contra dirigentes do PT. Mais informações » 

10 horas atrás

Juiz determina que “Zeca do PT” seja indenizado por acusações em coletiva

por Nogueira Junior
 
 

Redação, PortalIMPRENSA 
“Na última terça-feira (2/4), o juiz Ricardo Galbiatti condenou o Estado a indenizar o ex-governador do Mato Grosso do Sul, José Orcírio Miranda dos Santos, conhecido como “Zeca do PT”, por danos causados à sua imagem após o Ministério Público Estadual, em coletiva de imprensa, tê-lo apresentado como culpado antes de decisão judicial, informou o portal Mídia Max. 
Para o juiz, “a notoriedade do caráter sensacionalista conferido pela imprensa à matéria envolvendo supostos atos de corrupção praticados por agente público é inquestionável”. 

“Extrai-se das entrevistas concedidas a importantes veículos de comunicação de âmbito nacional, que a divulgação excedeu o limite meramente informativo das investigações, desviando-se de sua finalidade social para surpreender, atingir e constranger o autor”, afirmou o magistrado. 
O caso refere-se à denúncia feita sobre gastos com publicidade em seu governo, entre 2005 e 2006. Na época, os promotores convocaram uma coletiva de imprensa amplamente divulgada.” 

11 horas atrás

Globo volta a insistir no apagão. Desta vez, em 2014

por Nogueira Junior
 
 
No início deste ano, o jornal da família Marinho abraçou a tese de que o Brasil já estava vivendo um apagão informal, com racionamento de energia nas indústrias. Era mentira. Agora, a publicação, que já ganhou o apelido de “O Corvo”, volta a prever o colapso do setor elétrico, mas só em 2014, em meio à Copa do Mundo; por que tanto mau agouro? 
Brasil 247 
Na primeira semana de janeiro, os jornais brasileiros abraçaram a ideia de que o País estaria prestes a viver um novo apagão. O mais explícito foi O Globo, da família Marinho, que colocou em sua manchete que as indústrias já estavam racionando energia (leia mais aqui). O apagão, como se sabe, não veio, mas o jornal manteve seu viés extremamente negativo em relação ao governo Dilma, o que fez com que passasse a ser chamado de “O Corvo”, e não mais “O Globo”, durante certo período, pelo 247 (leia mais aqui). 
Nesta segunda-feira, O Globo, mais uma vez, amanheceu como O Corvo. E o mau agouro, agora, diz respeito a 2014. Segundo o jornal, os atrasos nas obras de infraestrutura fizeram dobrar o risco de apagão. Ou seja: o racionamento que não ocorreu neste ano agora está previsto para ocorrer em 2014, em plena Copa do Mundo. 
No entanto, de acordo com os dados da reportagem, o risco de colapso do setor elétrico é menor do que a manchete faz supor. Segundo o Globo, a possibilidade de um racionamento subiu de 5% para 9%.” 
um dia atrás

Charge do Bessinha

por Nogueira Junior
 
 
um dia atrás

Governo Dilma fará nova leva de desoneração até 2014, garante Mercadante

por Nogueira Junior
 
 
Marina Dias, Terra Magazine 
“O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou nesta quinta-feira (4) que o governo da presidente Dilma Rousseff fará novas desonerações na folha de pagamento até o início de 2014. Durante o 57o Congresso Paulista de Municípios, realizado na cidade de Santos (SP), o ministro disse que a desoneração será feita “progressivamente”, para manter o equilíbrio fiscal do país. 
A declaração acontece um dia depois que a presidente sancionou lei para desonerar a folha de pagamento de dezenas de setores. Dilma, no entanto, vetou o benefício para alguns segmentos importantes, como transporte (rodoviário, ferroviário e metroferroviário de passageiros), empresas jornalísticas, de reciclagem e prestadoras de serviços para infraestrutura aeroportuária, hospitalar e engenharia e arquitetura.” Matéria Completa, ::AQUI:: 
7 de Abril de 2013 20:44

Lula, as ruas e a desconstrução de sua imagem

por Nogueira Junior
 
Os ataques levianos a Lula são um acinte, um deboche à inteligência alheia e uma provocação de fundo e interesse político, que poderá levar o político petista às ruas 
Davis Sena Filho, Brasil 247 
“Volto a defender que o ex-presidente trabalhista Luiz Inácio Lula da Silva vá para as ruas, em busca de quem lhe apoia e confia. Lula tem de se reportar à imensa classe trabalhadora brasileira e aos seus eleitores, se o “político” conservador e procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e juízes ideologicamente de direita, a exemplo dos senhores Joaquim Barbosa, Marco Aurélio de Mello e Gilmar Mendes, entre outros, associarem-se novamente aos políticos tucanos derrotados três vezes nas urnas e aos barões da imprensa controladores da mídia oligarca, monopolista e historicamente golpista, que teimam em considerar o Brasil de duzentos milhões de habitantes e a sexta maior economia do mundo como o quintal de suas casas. 
Nunca é tarde para avisar aos políticos e governantes trabalhistas que eles não podem e jamais devem remediar ou tergiversar sobre a conduta histórica da direita brasileira, uma das mais violentas e poderosas do mundo, que edificou uma ditadura sanguinária que em um tempo de 21 anos fez do Brasil um lugar de barbarismos, onde as leis se tornaram um borrão no papel e os direitos da pessoa humana eram considerados conforme a vontade do ditador de plantão e dos militares, juízes, políticos e policiais que o serviam como subordinados, com o financiamento e a cumplicidade, evidentemente, de grandes empresários.” Artigo Completo, ::AQUI::