FOLHA TAMBÉM COSTUMAVA CHAMAR GOLPE DE REVOLUÇÃO

por Rilton Nunes
 
 
A Folha de S.Paulo destacou nesta sexta-feira que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) chamou o golpe militar de 1964 de “revolução de 64” durante o Congresso Estadual de Municípios paulistas, nesta quinta-feira; pois a própria Folha costumava chamar o golpe de revolução, como comprova recorte do jornal de 1974; leia 
O jornal Folha de S.Paulo, entre outros veículos de comunicação, destacou nesta sexta-feira que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) chamou o golpe militar de 1964 de “revolução de 64” durante o Congresso Estadual de Municípios paulistas, em Santos, na quinta-feira. Pois a própria Folha costumava chamar o golpe de revolução, como comprova recorte do jornal de 1974. A nota, publicada na capa do jornal no dia 31 de março de 1974, anuncia um pronunciamento do então presidente Ernesto Geisel “numa mensagem alusiva ao transcurso do décimo aniversário da Revolução”. A mensagem, que seria transmitida por uma cadeia de rádio e TV, havia sido gravada na biblioteca do Palácio da Alvorada e teria duração de nove minutos e vinte e cinco segundos, informava o jornal. A relação da Folha de S.Paulo com a ditadura foi motivo de polêmica recente. Em editorial do dia 17 de fevereiro de 2009, o jornal comparou regimes autoritários contemporâneos aos que dominaram a América Latina no século passado, referindo-se à ditadura militar brasileira como “ditabranda”, dando a entender que foi menos violenta que outros regimes similares do continente. A publicação foi seguida por um intenso debate nas páginas do próprio jornal e fora delas. 

SINTONIA FINA – @riltonsp 
15 horas atrás

“NÃO PODE HAVER MONOPÓLIO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO”

por Rilton Nunes
 
 
Em debate sobre os avanços e desafios dos governos da América Latina, organizado no prédio do Mercosul, em Montevidéu, ex-presidente Lula chama atenção para o combate ao monopólio nas comunicação; “No Brasil, nós temos nove famílias que determinam praticamente todo o poderio dos meios de comunicação”, criticou o ex-presidente, que vai ocupando, no continente, o espaço deixado pelo venezuelano Hugo Chávez, morto em março… 


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou na noite desta quinta-feira, durante debate no prédio do Mercosul, em Montedivéu, o monopólio dos meios de comunicação como um dos principais desafios dos governos latino-americanos. Durante o seminário “Transformações em risco? Perspectivas e tensões do progressismo na América Latina”, de que também participaram presidente do Uruguai, José Pepe Mujica e o secretário-geral da Confederação Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas (CSA), Victor Báez, Lula destacou que “não pode haver um monopólio dos meios de comunicação”. Segundo o ex-presidente brasileiro, “esse é um tema extremamente delicado e que tem que ser debatido em vários países”. “Outro dia eu vi o [presidente Barack] Obama se queixando dos meios de comunição nos Estados Unidos. Se você vai na Alemanha, você ouve a Angela Merkel se queixar de alguns setores da imprensa”, comentou. “No Brasil, nós temos nove famílias que determinam praticamente todo o poderio dos meios de comunicação”, destacou Lula, acrescentando que “não é fácil mudar” esse cenário. “Fizemos uma grande conferência, no Brasil, de que participaram milhares de pessoas e aprovamos um programa que agora está sendo discutido no Ministério das Comunicações para ver como se encaminha o debate para a sociedade avançar”, lembrou Lula. “Porque nós queremos avançar, não queremos polemizar. O que nós queremos é provar que uma legislação que tem uma regulação feita em 1962 não vale para 2013. Não vale porque a gente não tinha um terço das coisas que nós temos hoje”, explicou. 
Leia o registro do Instituto Lula sobre o debate, que tratou sobre as ameaças de retrocesso no continente: Instituto Lula – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do Uruguai, José Pepe Mujica e o secretário-geral da Confederação Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas (CSA), Victor Báez, participaram na noite desta quinta-feira (4), no prédio do Mercosul em Montevidéu, de um debate sobre os avanços e novos desafios dos governos progressistas e do movimento sindical latino americano. No evento, promovido pela Fundação Friedrich Ebert durante o Congresso da CSA, Lula declarou que os governos progressistas apenas começaram, na última década, a corrigir os erros feitos durante 500 anos na região “e não há hipótese de retrocesso” afirmou o ex-presidente confiando que a população que conquistou ascensões sociais irá demandar novos avanços. Lula defendeu a importância de se seguir elegendo governantes progressistas, comprometidos com os trabalhadores e os setores mais pobres da população para o continente seguir avançando.Na plateia do evento, sindicalistas de 17 países, a secretaria-executiva da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal), Alicia Barcena, especialistas e políticos da região. No debate, Lula mencionou as atividades do Instituto Lula para o desenvolvimento de uma doutrina que estimule avanços no processo de integração latino-americana, com reuniões em São Paulo com movimentos sociais e intelectuais da região. Mujica reforçou a necessidade do Mercosul e América Latina avançarem na integração além das trocas comerciais. “A integração é mercado e muito mais. E tem que ser construída. O mercado não vai integrar nada.” Um tema levantado foi a importância da democratização da comunicação para um amadurecimento do debate político na região.  “Se a liberdade de imprensa tem que passar pelo estreito olho da fechadura das empresas de mídia, não há liberdade de imprensa”, declarou Mujica, lembrando que outros setores, que não apenas os mais ligados ao capital, também precistam ter ouvidas suas opiniões dentro do debate de vários setores da sociedade. Barcena apontou a importância das políticas brasileiras de transferência de renda, desenvolvimento regional e valorização do salário mínimo para a redução de pobreza no país e no continente. Ela lembrou que na última década, segundo a Cepal, 57 milhões de pessoas saíram da pobreza na América Latina, sendo 40 milhões delas no Brasil. Lula  apontou em um cálculo feito rapidamente, que os 9,5 trilhões de dólares gastos pela Europa e os Estados Unidos com a crise financeira, e os 1,7 trilhão de dólares gastos nos 10 anos da Guerra do Iraque seriam suficientes para sustentar um programa similar ao Bolsa Família para todos os pobres do mundo por 150 anos. Mas que em uma visão torta, muitos governos e economistas seguem vendo os recursos investidos para tirar as pessoas da pobreza como gastos e não como investimento que estimula o crescimento. “O que foi feito no Brasil pode ser feito em outros países”, disse o presidente ao lembrar que em 2003, quando lançou o Fome Zero, não existiam folgas orçamentárias para criar o programa, nascido do compromisso de combater a pobreza e distribuir renda. 
SINTONIA FINA – @riltonsp